Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

E a minha progressão de carreira?

Cresci a saber que existiam dois tipos de empregos bons, trabalhar para o Estado ou trabalhar para um banco, com os anos percebi que trabalhar num banco era mais uma questão de posição do que benefício, mas confirmei que trabalhar na Função Pública é realmente o melhor emprego que se pode ter em Portugal.

Não confundir emprego, que implica neste caso trabalhar por conta de outrem, com outro tipo de atividade que nos providencia remuneração, como ser empresário ou profissional liberal.

 

Ora vejamos as vantagens de trabalhar para Função Pública:

- Aumentos consoante a inflação

- Progressões automáticas da carreira

- Possibilidade de progressão mediante concurso

- Regime especial de saúde – ADSE

- Reforma a 100% e possibilidade em alguns cargos de reforma em idade inferior à regra geral

- Horário de trabalho reduzido e flexível na maioria dos casos

- Facilidade na obtenção de créditos bancários

- Atestado médico pago a 100%

- Impossibilidade de serem despedidos

- Mais dias de férias

 

Com a TROIKA em Portugal pensei realmente que se iriam repor algumas igualdades e que se fossem cortar algumas gorduras do Estado, mas a reforma na Função Pública não passou de uma miragem e agora com um Governo de esquerda pressionado pelos sindicados e com sede de votos as promessas eleitorais são para manter e as progressões da carreira estão de volta.

Não sou especialista em economia, mas nunca entendi os aumentos progressivos e automáticos no Estado independentemente de o país estar ou não a crescer.

 

Temos uma máquina demasiado pesada, com custos elevados e sempre que se falam em cortes é a contestação total, compreendo, e mais digo que não se devem retirar direitos e regalias, isso não é certo, especialmente porque mesmo na Função Pública não são todos iguais, há demasiados regimes especiais e quem leva a maior fatia do bolo são os intocáveis, aqueles que nem beliscados são com os cortes e as mudanças.

Esses, nem sequer necessitam de se chatear, os seus subalternos tratam de encher as ruas em manifestações de descontentamento e protesto, os seus tentáculos estendem-se a quem coordena as massas e entre avanços e recuos eles continuam as suas carreiras intocáveis.

 

Enquanto isso a minha progressão na carreira continuou, como sou boa profissional e competente progredi naturalmente na carreira, tenho mais responsabilidade, mais autonomia, mais trabalho, mais preocupações, mais stress, com os anos fui somando muita coisa à minha carreira, orgulho-me dela, infelizmente faltou somar o mais importante, faltou somar dinheiro.

Progressão na carreira? Sim, todos vamos tendo, só se esquecem de aumentar progressivamente a remuneração, infelizmente essa não é aumentada automaticamente, só porque me limito a aparecer para trabalhar.

Nova estação –back to basic

Esta tem sido a minha tendência nos últimos tempos para descomplicar na hora de vestir, cansada de saber que um guarda-roupa bem equilibrado aposta em peças básicas e clássicos de qualidade consegui mesmo assim ignorar esta regra durante anos por sucumbir aos encantos de peças tendência ou mais marcantes.

Faz parte de mim olhar para a peça mais marcante na loja, quer seja por ter uma cor rica, um corte irreverente ou um tecido diferente.

Conclusão: uma mistura de peças marcantes que não combinam com nada.

 

Depois de anos assim cheguei a uma altura em que nada me encantava, as coleções deixaram de me fazer vibrar, deixei de ter vontade de correr para ver os avanços de temporada e deixei de ter paciência para as maratonas dos saldos.

Eu, a especialista em desencantar pechinchas sem paciência para compras, difícil de acreditar mas é verdade.

 

Neste momento os meus olhos estão centrados nas peças mais básicas e intemporais, em cores neutras, padrões tradicionais, cortes clássicos. E ondem andam essas peças?

Desapareceram juntamente com a minha paciência.

Podem existir mais motivos para ter deixado de ser tão consumista, nomeadamente perceber que existem coisas bem mais enriquecedoras com as quais gastar dinheiro e também as mudanças que o meu corpo foi sofrendo, mas o maior motivo sem dúvida foi o desencanto com a moda.

 

Para esta coleção quero comprar poucas peças e de qualidade:

- Um sobretudo de lã preto

- Um blusão de pele preto

- Uma gabardina creme

- Uma carteira preta de pele

- Um cardigan de caxemira

- Duas ou três blusas de musselina

- Umas calças de ganga escura que não desbotem

- Umas calças pretas de tecido com corte clássico

- Uma saia lápis

 

Parece pouca coisa, mas como quero peças de qualidade e com cortes específicos não tem sido fácil encontra-las, ainda não fui às lojas, só andei pelos sites, mas pelo que vi, só encontrarei mesmo as duas primeiras opções, que são precisamente as que menos falta me fazem.

Se tiverem sugestões de lojas é favor de enviar links que ou ando muito distraída ou a moda anda muito fora de moda.

A abstenção, o futebol e a solução.

Depois de sucessivas recomendações da Comissão Nacional de Eleições (CNE) o Governo vai mesmo proibir os jogos de futebol nos dias de eleições, ou seja, vai criar uma lei que proíbe a Federação Portuguesa de Futebol de agendar jogos em dias de eleições.

Está é, na minha opinião, uma das leis mais estúpidas alguma vez criadas nos últimos anos, em primeiro lugar porque penaliza uma entidade privada, completamente independente do Estado e em particular, pois não proíbe todas as competições desportivas apenas as afetas à modalidade Futebol, logo uma lei discriminatória, em segundo lugar porque é completamente ineficaz, impedir as pessoas de assistirem a um jogo de futebol não faz com que as mesmas atendam às mesas de voto.

 

Em reação a esta decisão, a CNE saúda a posição do Governo, mas lamenta que tenha sido necessário recorrer à lei e que não tenha imperado o bom senso e o dever cívico.

A coerência é adjetivo que não assiste à CNE, pois se esperava que imperasse o bom senso e o dever cívico, nunca deveria ter feito tal recomendação à FAP ou ao Governo, deveria antes incentivar os cidadãos a exercerem o seu direito de voto.

Se é um direito, não é uma obrigação e como tal, só vota quem quer, se querem mesmo que todos votem tornem o voto obrigatório, só existe um problema isso não seria democrático.

A situação seria facilmente resolvida se os políticos colocassem os interesses do país à frente dos seus e em vez de promessas vãs, ideias megalómanas e doses massivas de ego, cumprissem o dever cívico de servir o país e levassem à letra o juramento que fazem diante do Presidente da República, juramento esse que é o único em Portugal escrito em contrato, assinado que depois de quebrado não apresenta quaisquer consequências.

Já alguém tinha pensado nisto? Coisas estranhas deste país. Livremo-nos nós de não cumprir um qualquer contrato, nem que seja de telecomunicações, e estamos metidos em sarilhos legais.

O que os políticos ainda não entenderam é que os portugueses não gostam de proibições, não resulta, somos o típico povo que gosta de pisar o risco, de ultrapassar os limites de velocidade, de fugir aos impostos, de passar a perna ao outro, no fundo, somos os políticos que nos governam.

 

Já estou mesmo a ver as conversas em dias de eleições:

- Não posso ir ver o glorioso… Vou marcar um jogo de solteiros contra casados, assim no final sempre comemos umas bifanas e bebemos umas cervejolas.

- Oh Manel, já que não tens que ir ver o Porto no Domingo podíamos aproveitar para ir dar um passeio?

- Sebastião não temos jogo do Sporting que tal marcarmos um almoço com a malta toda? O que dizes pá?

 

Não faltarão com certeza alternativas às pessoas que haja ou não futebol não têm a mínima intenção de votar.

Então qual a solução? Tão simples, mas tão simples que não consigo compreender como não pensaram nisto antes. A solução é um incentivo, mas daqueles bons, deixo aqui algumas sugestões, simples e fáceis de implementar:

 

- Raspadinhas

Toda a gente sabe que os portugueses adoram raspadinhas, façam do boletim de voto uma raspadinha. No fim entregam o boletim e recebem uma raspadinha verdadeira. A alegria, o frenesim que seria nas mesas de voto. O prémio? Nem precisava ser um Audi topo de gama, poderia ser um fim-de-semana no Algarve ou um cartão presente daqueles que televisões oferecem.

 

- Comes e bebes

Se há povo que gosta de comer e beber é o português, as mesas de voto são quase sempre nas escolas, nas escolas existem cantinas, porque não dar uma sandes e uma bebida a quem vota, um porco no espeto e uma barraca de cerveja é mais do que suficiente.

 

- Incentivo fiscal

Estamos constantemente a queixarmo-nos que pagamos muitos impostos, que tal ter uma bonificação nas deduções no IRS? Vote e receba mais 50€ de reembolso.

 

- Cheque dentista

Vote e receba um cheque dentista.

 

No fundo basta pensarem em qualquer solução que já usaram para angariar votos e aplicarem-na no incentivo aos votos.

Não é física quântica, é só oferecer o que estão fartos de prometer.

Pág. 1/9