Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Coisas estranhas do Facebook

Gostava de perceber porque é que pessoas que não me conhecem de lado nenhum me pedem amizade no Facebook?

Por acaso alguém pede para ser amigo a um estranho que encontra na rua por mais simpático que ele possa parecer?

O que será que lhes passa pela cabeça quando estão na sua vida facebookiana:

 

- Esta pessoa tem ar de ser divertida vou pedir-lhe amizade.

- Esta pessoa mora na mesma freguesia que eu, somos praticamente vizinhas, nunca me cruzei na vida com ela, mas posso vir a cruzar, por precaução vou pedir-lhe amizade.

- Deixa-me cá pedir amizade a esta pessoa pode ser que lhe consiga vender qualquer coisa (podem ser tupperwares, casas, carros e claro os avons e oriflames desta vida).

- Tenho um amigo em comum com esta pessoa, com certeza temos muito em comum, vou pedir-lhe amizade.

- Esta pessoa trabalha numa empresa que me dava jeito obter um desconto, vou pedir-lhe amizade.

- Esta pessoa tem cara de vir a ser o amor da minha vida, ou é só gira, vou pedir-lhe amizade.

 

O conceito de amizade alterou-se muito com as redes sociais, tudo culpa do Zack que resolveu chamar amigos às pessoas com quem temos uma conexão na rede, mas não é por acaso que dizemos em relação às pessoas:

- É meu amigo

- É meu colega

- É meu conhecido

- É meu amigo no facebook, o que significa que é alguém que conhecemos vagamente, mas com quem decidimos interagir na rede social por um ou outro motivo.

 

Se isto faz algum sentido? Pouco, mas também é por isso que dentro da rede podemos classificar as pessoas e partilhar apenas com os grupos que desejamos a informação que desejamos.

 

O problema é que o acesso ao Facebook é democrático, só é preciso ter acesso à Internet e um dispositivo para aceder, e os smartphones vieram democratizar ainda mais o acesso, o que significa que pessoas que não entendem o conceito, que não sabem trabalhar com a rede social, que não fazem ideia do que são definições de segurança e que não fazem ideia que existe todo um funcionamento e lógica por detrás das partilhas e publicações façam as coisas mais disparatadas e absurdas.

Pedir amizade a quem não conhecem é só uma delas.

 

Publicar no seu mural fotos pessoais de outras pessoas é outra, quem não tem um familiar que pega nas fotos da família e as partilha no seu mural que atire a primeira pedra. O truque? Definições de segurança, as fotos apenas serão vistas pelos amigos em comum, o que nos deixa mais descansados é que 99% das pessoas que fazem isto não sabem guardar a foto e publica-la diretamente no seu perfil.

Outra coisa que acho fantástica é as pessoas que comentam as próprias fotos ignorando que existe a possibilidade de colocar uma legenda, pior só mesmo as que comentam as próprias frases/estados.

 

E agora perguntam vocês: Se a Psicogata se irrita tanto com as redes sociais porque é que as usa?

Porque dão imenso jeito a nível profissional e o porque o Messenger do Facebook é espetacular.

Mas tenho os “meus amigos” todos classificados e arrumados em categorias, que família é família, amigos são amigos e conhecidos são apenas isso conhecidos, não têm que saber da minha vida.

50 comentários

Comentar post

Pág. 1/2