Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Língua Afiada

Os indignados que não ficam contentes com nada.


Ontem por todo lado se comentavam nos meios noticiosos o desaparecimento de um surfista do Porto, o apelo da companheira para o encontrarem fez com que fosse criado um grupo no Facebook que chegou aos 24.000 membros.

As notícias sobre o caso eram logo alarmantes pois pareciam centrar-se mais no facto de se terem mobilizado 24.000 pessoas num grupo do Facebook em apenas 18h do que no desaparecimento do homem.

 

O homem foi encontrado e em vez de as 24.000 pessoas ficarem contentes com o seu aparecimento o que acontece? Ficam indignadas porque não lhe transmitem detalhes sórdidos da história.

Há mesmo alguém que diz que ele tem obrigação de prestar esclarecimentos aos “internautas e leitores e fãs”. Fãs? Mas agora o homem tem fãs?

Não é de estranhar esta sede de notícias, de detalhes e exigências sobre o que afinal terá acontecido, porque afinal ele tem de saciar a curiosidade dos fãs sob pena de os perder.

A quantidade de teorias sobre o sucedido é incrível, mas o que me choca mesmo é o fato de as pessoas sem saberem de detalhe nenhum acusarem-no de irresponsável, inventarem problemas conjugais, suporem uma depressão, uma fuga com um homossexual e um sem fim de outros motivos para o seu desaparecimento.

Os comentários às notícias têm tanto de cómico como de triste.

Não entendo esta sede de escárnio e morbidez, aposto que se fosse encontrado morto ou moribundo já ninguém queria saber dos motivos do desaparecimento.