Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Paga-se para ter sol, quem o diz é o Governo.

A situação deste país é tão caótica, que mesmo de férias num destino paradisíaco, falávamos com dois outros casais portugueses que a carga de impostos em Portugal é terrível, apesar do assunto sério estávamos de férias e a certa altura o Moralez diz para desanuviar o ar:

- Vamos aproveitar para apanhar sol enquanto é grátis, nunca se sabe quando será taxado.

Todos rimos e anuímos que qualquer dia em Portugal ainda taxavam o sol.

 

Estávamos longe de pensar que duas semanas depois estaríamos a jantar e iriamos ouvir que as regras para o cálculo do pagamento do IMI iriam mudar e que passariam a incorporar a exposição solar nos critérios, quanto maior e melhor exposição solar, mais alta é a taxa, como se não bastasse também vão taxar a vista, que se for privilegiada irá fazer também subir a taxa.

A exposição solar calcula-se com a orientação da casa, suponho que levarão em conta se estará ou não na sombra de outras casas, é que não adianta muito ter uma casa virada a nascente se tiver um prédio a fazer-lhe sombra. As janelas também deveriam ser levadas em conta, é que não adianta muito ter sol se não há janelas para ele entrar, é só uma ideia.

Mas a vista privilegiada é que levanta questão pertinentes, será que vão taxar os apartamentos que os voyeuristas escolhem para espiar os vizinhos do prédio da frente?

É que isto de vistas privilegiadas tem muito que se lhe diga, há muita gente que não gosta de olhar para a floresta ou para o mar, convenhamos que a floresta atrai toda a espécie de bicharada não desejada e viver junto ao mar no Inverno pode ser assustador em dias de trovoada, deveria existir uma espécie de compensação para quem tem de levar com os bichos e com o ruído e os clarões.

Estas novas regras irão fazer a população regressar à cidade, já que pagando-se mais por exposição solar e uma vista desafogada e menos em casas sem sol e sem vista, mais vale regressar à selva de prédios, já que a diferença de IMI que pode chegar aos 20% acrescido das despesas das viagens para o emprego na cidade, contas feitas compensará viver na cidade, é que o IMI é uma coisa que se paga para toda a vida e há que pensar a longo prazo.

Uma coisa é certa não me recordo de nenhum Governo tão criativo no aumento dos impostos, primeiro foi o aumento da taxa nos combustíveis que aproveitou a descida dos preços base, pensaram: “Os portugueses já estão habituados a pagar este valor, aumentamos o imposto e eles nem sentem na carteira.”

A promessa é retirar se o preço aumentar, a questão é que os políticos raramente cumprem promessas.

Como os impostos continuam a não ser suficientes, algum iluminado durante um fim-de-semana enquanto apanha banhos de sol na casa de férias com piscina do amigo daquele amigo que lhe deve uns favores deve ter olhado para o céu e pensou – “E se taxássemos o sol?” Não podiam proibir as pessoas de apanhar sol então taxaram as casas com mais sol, simples.

 

E a história continua a mesma - o povo a pagar pelos erros dos outros, estou cansada da gestão deste país.

Nem o sol nasce para todos.

52 comentários

Comentar post

Pág. 1/2