Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Onde andas sono?

Todas as pessoas têm dias cheios, complexos, atarefados, faz parte da vida, mas depois existem aquelas ocasiões em que esses dias sucedem-se uns aos outros, passando a ser uma semana cheia, complexa, atarefada, esta é uma dessas semanas, acontece mesmo essas semanas sucederem-se umas às outras, mas o fim-de-semana dá sempre para quebrar o ciclo, mesmo que seja igualmente ocupado e difícil, as complicações são de outro tipo.

 

Esta complicação começou mais ou menos ao mesmo tempo que a minha constipação, a cereja no topo do bolo deste relato, porque é sempre quando precisamos de estar mais expeditos que adoecemos, típico pelo menos comigo é assim em 99,9% das vezes.

Não durmo mais de duas horas seguidas desde a noite de sábado, mas o meu organismo deve estar completamente avariado porque não sinto sono e não tenho tomado café, sinto-me um pouco cansada, mas nem sequer posso dizer que estou mais cansada do que é habitual sentir-me a uma quinta-feira de uma semana intensa.

É mesmo estranho porque contrariamente ao normal numa semana assim, nem sequer tenho estado em casa à noite e que tenho-me deitado bem mais tarde que o normal.

Contra todas as expetativas estou desperta e até uma pouco frenética em ideias, sem tempo para as colocar em prática, mas com o cérebro a mil.

 

Não tenho dormido bem, não tenho descansado, tenho comido menos do que o habitual e tenho trabalhado mais do é normal e após 4 dias de trabalho não me sinto a colapsar, o que se passa comigo?

Será que o meu organismo está a abusar da sorte e encontra-se prestes a colapsar, juro que não entendo porque não tenho sono e como não me sinto a morrer de cansaço.

Desconfio que ter-me obrigado a trabalhar doente possa ter ativado algum modo de funcionamento que até agora desconhecia porque parece que o meu organismo esta a usar alguma fonte de energia de reserva.

O stress já me fez ficar assim, mas não estou stressada, realmente estamos sempre a surpreender-nos a nós próprios, nunca conhecemos os nossos limites até os testarmos, não, isto não é texto motivacional, é mesmo um desabafo de alguém que se surpreendeu com uma semana intensa.

26 pacotes de lenços, 1 frasco de água do mar (caríssima), várias doses de paracetamol e outras cenas para constipação, 1 spray fitonasal, 32 chávenas de chá com mel, 40 rebuçados peitorais, 1 tubo de letibalm depois continuo constipada, com o nariz vermelho e a esfolar, mas surpreendentemente não estou cansada.

Enquanto escrevi este texto tive 5 ataques de tosse!

Mas não tenho sono, alguém me pode dar sono? É que gostava mesmo de dormir 8h seguidas esta noite.

Sinfonia perfeita da … Tosse

Lá em casa andamos os dois com tosse, nada de grave, aquelas tosses chatas e irritativas, (nop não vou fazer publicidade) durante o dia tusso ocasionalmente e acredito que ele também, mas quando nos deitamos confortavelmente nos lençóis começa uma sinfonia impecavelmente sincronizada de tosse, que a tosse gosta do quentinho.

Não sei qual dos dois começou, mas quando eu parava ele tossia, ele parava tossia eu.

 

Ora tosse mais um e a seguir tosse outro,

Depois tosse mais um que só dois é pouco

Ai eu tusso tanto e é tão certinho

E no entretanto tosse mais um bocadinho

 

Isto até o Moralez mais agitado resolver ir partilhar a sua tosse com o sofá, adiantou de alguma coisa? Nadinha, eu continuei a tossir e ele também, uma hora depois mais coisa, menos coisa regressou e acabamos por adormecer, não sei se podemos chamar dormir às horas que se seguiram, mas foi o mais próximo que conseguimos disso.

Acordei com areia nos olhos, que sacrifício para levantar, mas lá me decido colocar os pés fora da cama, reparo que durante a minha aventura consegui sacar o verniz de duas unhas! Linda figura que está a minha mão esquerda a fazer parelha com a minha cara ensonada.

Boa notícia? É sexta! Upi! É véspera de Reis e hoje há nova consoada, pena não existirem presentes amanhã de manhã, para o ano acho que vou convencer a família a trocar presentes nos Reis, o dinheiro que se poupava!

Bom fim-de-semana!

Até ao Natal o espírito natalício pode chegar

Adoro o Natal e as decorações de Natal, decorar a casa costuma ser um ritual que começa a dia 1 de Dezembro e se prolonga por quase todo o mês, pois vou sempre ajustando as decorações, comprando uma ou outra peça nova, é um trabalho sempre em progresso.

Este ano não existiu esse ritual, não houve essa alegria, nem essa vontade, fiz a árvore sem grande entusiasmo, coloquei a coroa na entrada e os bonecos de Natal na lareira, o resto manteve-se igual.

 

Ontem enquanto organizava as coisas em casa olhei para a decoração e percebi que algo estava mal, toda a casa ainda estava decorada de Verão, decoro a casa por épocas e no Verão é normal colocar búzios, conhas e outros objetos que lembrem o mar e a praia espalhados pela casa, normalmente no Outono mudo para uma decoração à base de tons terra e flores secas, este ano não o fiz e o ambiente não me parecia acolhedor.

Rapidamente e quase mecanicamente substitui a decoração veranil por caixas de Natal, anjos e outras figuras natalícias, velas douradas e vermelhas, muitas decorações ficaram guardadas, mas pelo menos a casa já está decorada à época.

 

Pouco depois deste processo saí à rua e olhando para o azevinho pensei falta-me colocar uma jarra com azevinho, nesse momento percebi porque é que olhava para a árvore de Natal e achava que lhe faltava algo, esqueci-me dos ramos de bolinhas vermelhas.

Entro em caso a rir-me e a dizer ao Moralez já sei porque é que a árvore não parecia completa, faltam as bolinhas, e percebo que não faço ideia de onde estariam.

Começo a vasculhar os locais onde possivelmente estariam, não as encontrava em lado nenhum, às tantas o Moralez começa a dizer que são frágeis e não podem estar em qualquer lado que se calhar as deitei fora sem querer, confesso que aqui comecei a panicar, é que são a decoração mais cara que tenho à parte da árvore, foi uma pequena loucura de cometi.

Adoro o meu cérebro quando já estava a dar-me por vencida deu-se um click e lá vou eu direitinha sem saber bem como ao local onde estavam. Suspiro de alívio.

 

Não sei se foi o espírito de Natal que finalmente tomou conta de mim, se é a esperança que parece ter batido à porta com boas novas, mas estou ansiosa por terminar a árvore e até dar os últimos retoques nas decorações.

O que sei é que apesar de não estar, já pareço estar em modo férias, daquelas de não fazer nada, ao pé da lareira, com mantinhas de lã e pantufas, com o aroma a canela a espreitar da cozinha dos doces acabadinhos de fazer, a devorar filmes românticos.

 

Para os próximos dias só quero o aconchego da casa e dos meus, deliciar-me com as brincadeiras dos mais pequenos e distribuir miminhos e doces por todos.

Espero que todos encontrem a tranquilidade e a paz necessárias para celebrarem esta quadra com amor, às vezes o espírito natalício demora a chegar, mas quando bater à porta deixem-no entrar.

A todos um Feliz Natal.