Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Todos percebem de design

Se há assunto em que toda a gente tem um palpite a dar é no design gráfico, seja num catálogo, num folheto, até no webdesign, não há alminha ou cliente que não ache que pode opinar.

Nada contra opiniões, são todas bem-vindas e muitas vezes um olhar isento de uma pessoa fora da área pode acrescentar muito ao trabalho, mas quando alguém que não entende nada do assunto teima em fazer da sua opinião pessoal o que é certo, está só a ser egocêntrica.

O gosto pessoal deve ser levado em consideração, mas não deve ditar o trabalho, porquê? Porque o design tal como todas as outras coisas tem regras, independentemente da linguagem utilizada, da mensagem que se quer transmitir, do objetivo, existem regras e para um trabalho ficar bem feito elas têm de ser cumpridas.

As regras são simples e claras, imaginem-se a formatar um texto no Word, existem regras básicas, como respeitar margens, alinhamentos, tipos, cores, tamanhos e tipos de letras, no design gráfico essas regras também existem, algumas são tão automáticas para quem trabalha diariamente que nem sequer se colocam em causa, simplesmente é assim que se faz.

O que é que se faz quando alguém quer mexer com essas regras? Tenta-se explicar que não pode ser assim, porque tudo tem uma lógica.

Uma coisa que aprendi é que quanto mais teimoso e mais persistente é o cliente, mais difícil será explicar-lhe alguma coisa, ele parece entender, mas no fim simplesmente diz, mas eu quero, ou gosto mais assim.

O que fazer neste caso?

Usar de toda a paciência que temos e tentar explicar que não pode ser, que não fica bem, em trabalhos muito importantes perder o trabalho já feito e apresentar uma proposta completamente diferente, e em último caso abandonar completamente o trabalho.

Se mais designers fizessem isso, talvez a profissão fosse mais respeitada, nunca vi ninguém ter a mesma atitude em relação aos arquitetos, talvez porque eles sabem colocar as pessoas no seu devido lugar.

Começo a acreditar que a altivez de algumas pessoas não é feitio ou personalidade, é mesmo uma necessidade de manter o respeito, pois as pessoas perderam completamente a noção do ridículo e não entendem que algumas afirmações, sugestões e acima de tudo intransigências são uma completa falta de respeito pelo profissional e até má-educação.

Se é difícil lidar com clientes que pagam, com clientes que não pagam é ainda muito mais difícil, um favor é facilmente encarado como uma obrigação e pior é muitas vezes tido como uma coisa fácil, desvalorizam completamente o nosso trabalho só porque num gesto de boa vontade decidimos perder o nosso valioso tempo a ajudar.

É por isso que dá vontade de lhes passar uma fatura, talvez assim tivessem mais respeito e guardassem as suas opiniões estapafúrdias para o que realmente sabem fazer.

Se me querem deixar a deitar a fumo pelos olhos é perguntar opinião a todos os amigos e conhecidos, todos tão experts na matéria quanto eles… Havia necesdidade?

Não entendo porque é que pessoas inseguras que não sabem o que querem em vez de confiarem no trabalho de um profissional, decidem validar as suas opiniões com quem não entende nada do assunto.

Só podem ser estúpidas, não vejo outra explicação.

Somos mesmo um país de canudos!

Rui Esteves, Comandante Nacional Operacional da Proteção Civil acaba de pedir a demissão.

Seriam muitos os motivos para este senhor apresentar demissão, especialmente a grande contestação à forma como foram conduzidas as operações de combate aos incêndios de Pedrógão Grande e outros, a este escândalo ainda se juntou o facto da acumulação do cargo de diretor do aeródromo de Castelo Branco.

Mas nada disso importa em Portugal.

A razão da demissão é simples:

Rui Esteves fez 32 das 36 unidades curriculares por equivalência!

Nas equivalências encontram-se disciplinas como Física, Química e Matemática.

Neste país pode-se fazer tudo, menos brincar com os canudos.

Os canudos esse santo gral que ninguém, ninguém pode conspurcar, adulterar, minar, poder podem, mas só até alguém descobrir.

Políticos e companhia deste país, podem fazer tudo, cometer fraude, receber luvas, comprar casas a preços absurdamente baixos, dizer que vivem com o dinheiro dos amigos, mas lembrem-se de ter as licenciaturas em dia, pois se não tiverem é só uma questão de tempo até que alguém descubra e lá terá que vir a vergonha da demissão.

Tudo, tudo menos descobrirem que afinal o meu canudo é falsificado, consigo viver com tudo menos com isso.

Espelho deste Portugal em que as aparências, os títulos e os canudos valem mais do que a ética, a competência e a idoneidade.

O que é stress madrinha?

O que é stress madrinha?

Perguntou-me uma vez o meu afilhado, deveria ter uns 4 anos na altura e eu pela primeira vez não tive uma resposta imediata, pois é difícil explicar um conceito tão vasto e tão complicado, mas lá lhe disse que era quando as pessoas estavam muito cansadas porque tinham muitas coisas para fazer, pouco tempo, muitas responsabilidades e que sentiam stressadas quando não conseguiam fazer tudo.

Não foi a melhor explicação mas ele percebeu e quando alguma coisa não corria como ele queria começou a dizer, ainda hoje diz – Que stress!

 

O stress dele é ligeiramente diferente do dos adultos, mas não deixa de ser stress, a sobrecarga que colocam nos miúdos é incrível, seja porque têm dias preenchidos numa rotina desenfreada, seja pela pressão pelo sucesso escolar e nas atividades extracurriculares.

Acredito que muito do stress das crianças lhes é transmitido pelos pais, o stress é contagioso, se estamos muito tempo num ambiente de stress acabamos por sentirmo-nos stressados, ansiosos, o contrário também é verdade, um ambiente descontraído e relaxante faz com que sejamos mais descontraídos.

Encontrar um ambiente relaxado com pessoas relaxadas nos dias de hoje é quase impossível, com a exceção dos períodos de férias, a maioria das pessoas vive em estado permanente de stress.

 

Porquê?

Porque a sociedade e nosso modo de vida fazem com que assim seja.

Trabalhamos demasiadas horas, muito mais do que as 8 horas previstas no contrato de trabalho, seja porque ficamos até mais tarde, seja porque levamos o trabalho para casa, estamos contactáveis 24h por dia, durante os 7 dias da semana, por telemóvel e por e-mail.

Alguém nos paga essa disponibilidade? Em 99% dos casos não, mas mesmo que nos pagassem, compensaria?

Não.

Se já é difícil fechar a porta do escritório e desligar do trabalho, daquela reunião que temos de preparar, daquele problema que temos de resolver, como conseguimos desligar se a qualquer momento podemos ser interrompidos por uma mensagem do trabalho, uma que nos faça sair da mesa de jantar a meio da refeição, colocando aquela emergência acima de tudo o resto.

Não é possível, quando estamos sempre ligados ao trabalho, não conseguimos desligar totalmente, é uma espécie de stand by, consome menos recursos, mas consome sempre alguns e basta carregar num botão, neste caso uma chamada ou e-mail, para ligarmos imediatamente a 100%, sem pré-aquecimento, sem compasso de espera.

Este estado de alerta permanente não nos deixa verdadeiramente desligar e isso faz com que não desfrutemos dos momentos de lazer, com que não consigamos relaxar e descontrair, pois há sempre uma possibilidade, mesmo que ínfima, de sermos contactados.

 

Vivemos apressados, sempre com pressa, urgência de chegar a um lugar, no trabalho, a maioria das pessoas trabalha sob pressão de prazos, objetivos, com margens mínimas para erro e sem perdão para derrapagens nas datas-limite.

O chamado “deadline” porque prazo limite não é suficiente, importamos um termo que carrega em si a palavra morte, bem sabemos que é uma morte figurada, mas que representa muitas vezes a morte de emprego ou até de uma carreira.

Fala-se muito de qualidade de vida, trabalha-se para ter uma vida melhor, dar uma vida melhor aos filhos, entenda-se ter mais bens e mais objetos de luxo, permitir dar tudo o que os filhos necessitem e queiram, de preferência colégios e universidades reputadas e muitas atividades extra.

 

Mas será isso ter qualidade de vida?

Valerá o esforço de não ter vida própria?

Temos cada vez mais luxos e confortos, mas temos cada vez menos o conforto básico de termos tempo para nós, para fazermos o que bem entendemos sem dar satisfações a ninguém, o luxo de desligarmos do mundo sem tentativas de interrupções e pedidos de satisfações.

Até a qualidade do sono diminui, os avanços da medicina permitem-nos tratar doenças e outrora impensáveis, para quê? Para chegarmos à velhice acabados e desgastados de tanto stress, de tanta pressa, para dizermos aos mais novos – vive devagar se viveres depressa a vida também passará depressa.

 

Hoje temos 20 anos, um dia acordamos com 30 e quando menos esperamos estamos nos 60, cansados, fartos de uma vida de trabalho, mas a fazer um esforço para cumprir os anos mínimos para reforma, uma reforma que de dourado só terá o nome, porque as diversas maleitas causadas por anos a fio de noites mal dormidas, refeições rápidas e pouco saudáveis, rotinas impensáveis e stress diário tirarão qualquer brilho aos anos merecidos de descanso.

 

O que é stress madrinha?

Hoje responderia simplesmente:

- É a vida meu amor, é a vida.