Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

As minhas séries #2







House of Cards
Não a melhor série de sempre (é uma das melhores) mas tem,sem sombra de dúvidas, a melhor personagem de sempre – Frank Underwood!
A personalidade deste personagem é fascinante, a astucia, inteligência,a capacidade de manipulação, de planeamento e antevisão é simplesmenteavassaladora.
É claro que ele não é nenhum menino do coro, nada disso é mápessoa, não mede meios para atingir os fins a que se propõe e atropela quemquer que seja que se atravesse no seu caminho.
Adoro especialmente a capacidade dele em transformarinimigos em aliados, não é fácil, é necessário muitas vezes resistir à tentaçãode acabar com eles em vez de os manipular como trunfos.
Todos nós temos um bocadinho de Frank Underwood, mas agrande maioria de nós sofre de remorsos, sentimentos de culpa e medo dareprovação e por isso resfriamos a nossa vontade de manipularmos. As mulherespor exemplo nascem com o dom da manipulação, mas muitas nunca lhe dãoverdadeiramente uso intencional, já que o fazem inconscientemente a miude.
Mas a verdadeira razão de não haverem muitos Frank Underwoodé, para além de ser necessário ter uma inteligência emocional acima da média, issodar muito trabalho. Estarmos constantemente a medir as nossas ações com basenas consequências é complicado, não há lugar para a espontaneidade, para a franquezae na maioria das vezes para a verdade. Quem quer viver assim? Sociopatas epessoas que estão tão focadas num objetivo que alienam tudo o resto.
Algumas pessoas conseguem ser assim apenas numa esfera dasua vida, no trabalho encontramos uns quantos Frank Underwood que não olham ameios para atingir os fins, por sorte nossa e azar o deles, a maioria acabasempre por descurar o próprio trabalho porque perde demasiado tempo a monitorizaro que os outros fazem e um outro Frank Underwood descobre-lhes o capote.
Na vida pessoal a coisa é pior, quando nos deparamos comalguém assim podemos demorar anos a descobrir que estamos a ser manipulados,algumas pessoas nunca chegam a descobrir.
O melhor exemplo são as mães que manipulam os filhos e elesnem se apercebem e acham-nas na maioria das vezes as melhores mães do mundo.
Aconselho vivamente a série não para que aprendam amanipular mas para que reconheçam os sinais de quando estão a ser manipulados.
Para além da personagem genial interpretada pelo não menosgenial Kevin Spacey, uma pessoa de má índole mas que leva o espectador a nutrirpor ela uma espécie de admiração que faz com que se deseje que consiga, oenredo e os restantes atores prendem-nos ao ecrã do primeiro ao últimoinstante.

Sobre a "A vida também se constrói"



Quando se lê o título da crónica até parece que vamos leruma coisa realmente interessante e útil.
E tirando a parte em que se enaltece e depois se contradiz seespremêssemos bem, mas muito bem a crónica ainda se poderia aproveitar qualquercoisinha, podíamos se o autor não tivesse tido a infeliz ideia de pegar na vidade Marta Leite e Castro para exemplificar a sua opinião.
Ora a opinião do Sr. sobre a forma como atingimos afelicidade e sobre como devemos conduzir a nossa vida amorosa para tal é retrograda,é muito retrograda e redutora já que assume que todos procuramos e queremos omesmo.
E se por um lado o ser humano é um ser social que tem predestinaçãogenética para procurar um parceiro para acasalar, viver uma relação monogâmica(aqui existem dúvidas, ninguém consegue dizer se os nossos antepassados eram monogâmicose muito menos se tinham um só parceiro durante a vida) e prolongar a espécie humana,por outro lado somos seres racionais e emocionais que colocamos muitas vezes(quase sempre) à frente da sobrevivência da espécie a nossa felicidade. Quemalucos que nos somos!
Depois existem duas ideias muitos interessantes ainda:
- As mulheres enquanto jovens devem ter várias experiências,não precisam de ser sexuais, pelos vistos uns beijos e uns amassos sãosuficientes, para que saibam escolher em consciência o seu parceiro, isto não éuma coisa emocional, é uma coisa mesmo genética e física pelos vistos o nossoorganismo através do nosso subconsciente escolhe genes nós é que não nosapercebemos disso.
- A maioria dos homens não assenta com a primeira namoradaque encontra, acontece mas é muito raro e quando acontece é porque tiveram emcasa uma educação primorosa por parte da mãe. Pois mesmo que fossem capazes demorrer por essa mulher a maioria dos homens não consegue conceber que vaiembarcar num casamento para a vida e que só vai conhecer uma mulher durantetoda a vida. Porque é sempre bom ter experiencias para partilhar com os amigose quem tem mais mulheres é que é o maior.
Ora com estes dois conceitos é praticamente impossível queas pessoas assentem à primeira ou à segunda, ou até à terceira vez, em Portugaltemos praticamente o mesmo número de mulheres e homens por isso é quase certoque a vossa santa mulher foi a experiência de alguém e que o vosso santo maridofoi a experiência de outra mulher.
É também curioso que são as mais puritanas e mais críticasdas amigas que na adolescência namoriscavam aqui e ali às vezes sem grandeenvolvimento e sem consequências, são as que depois mais tarde suspiram comlivros como as 50 Sombras de Grey e que se reúnem em jantares no dia da Mulherpara assistirem aos berros a sessões de strip e que fazem autenticasmaluqueiras nas despedidas de solteira, especialmente as da mala vermelha.
O mundo era bem melhor se as mulheres se defendem-se a elaspróprias e educassem os seus filhos para respeitarem as mulheres.

12 Truques para parecer inteligente no e-mail.

Já dizia o Barney Stimson de How I Met Your Mother que um dos segredos do sucesso no trabalho era parecer que se fazia muito mas realmente não fazer nada ou quase nada, assim passamos a sensação de sermos muito importante e não se cometemos erros e quem não comete erros não é despedido.

Aqui ficam 12 truques para parecer muito inteligente através da utilização do e-mail.
Retirados daqui.



How to Email - 12 Tricks to Appear Smart in Emails