Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Beleza – Descobri um bronzeador que bronzeia

No mundo da cosmética e dos cuidados de beleza e higiene o marketing é poderoso, os anúncios dos produtos mais parecem promessas eleitorais, vale tudo para nos convencerem a comprar as novidades, que às vezes nem sequer são nada de novo, é apenas um produto com uma embalagem ou aroma diferentes com o efeito de sempre.

Como sou da área podia ter consciência disto e não experimentar tantos produtos, podia se conseguisse encontrar produtos capazes de me fidelizar, difícil, muito difícil de os encontrar e por isso vou testando as novidades na ânsia de encontrar o sonho prometido, uma pele sedosa, macia e sem imperfeições, eu sei pura utopia.

 

Depois de descobrir que o meu óleo da Garnier tinha desaparecido tentei encontrar um produto substituto que não custasse os olhos da cara e que me obrigasse a abastecer através de compras online, porque para aproveitar os portes encomenda-se sempre mais umas coisinhas e a conta inflaciona.

Foi já em Agosto de 2017 que procurei alternativas e a minha escolha recaiu sobre a linha DermaSpa da Dove, comprei dois produtos um creme de corpo DermaSpa Creme de Corpo Goodness³ e o DermaSpa Loção de Corpo Summer Revived.

dove -goodness3.jpg

 

O DermaSpa Creme de Corpo Goodness³ é um creme rico, com uma textura suave e delicada e com um aroma fantástico, tão bom que comprei um boião miniatura para andar sempre comigo, mas a verdade é que em termos de resultados não cumpre, porque apesar de ser bem absorvido pela pele e hidrata-la no imediato não aguenta a hidratação por 24h, ao contrário do aroma que persiste, uma pena porque se mantivesse teria uma fã para toda a vida.

DoveDermaSpaSummerRevived_MainDark.jpg

Já o DermaSpa Loção de Corpo Summer Revived, no meu caso para pele normal* a média, promete e cumpre, confesso que no Verão passado só o usei uma vez, estava morena e não me pareceu que fosse resultar e por isso ficou guardado no armário até esta semana.

Esta semana depois de ter usado um vestido e não ter gostado de ver as minhas pernas ao estilo branco, mais branco não há, bati os olhos no bronzeador e resolvi dar-lhe uma nova oportunidade, confesso que o usei a medo porque a minha experiência com bronzeadores não tem sido boa, acaba sempre com alguma coisa manchada ou a pele ou a roupa.

Espalha-se muito facilmente, a textura é fluída e suave e a pele absorve bem o produto, ao contrário de outros bronzeadores quando o colocamos a pele não muda de cor, fica hidratada e brilhante, o resultado aparece depois, e é um resultado maravilhoso, ao fim de dois dias de utilização estou realmente bronzeada com um tom uniforme, ao fim de quatro utilizações a pele tem um tom bonito, está macia e hidratada.

 

Não cola mais do que um creme hidratante, seca relativamente rápido e não mancha nem a pele, nem a roupa, e não esperei muito tempo para me vestir, só mesmo o tempo do creme absorver.

No banho nota-se que na água que usamos um bronzeador, mas só na primeira passagem e menos do que o esperava.

 

Não fiquei morena como se estivesse estado 24h no solário ou 2 semanas de férias nas Caraíbas, mas no fiquei douradinha o suficiente para que de domingo para quarta se notasse uma diferença significativa nas pernas, logo nessa parte tão difícil de bronzear, na verdade senti vontade de usar um vestido para jantar mesmo estando a chuviscar por causa do resultado.

A única coisa que mudar seria o aroma, este produto na minha opinião poderia “cheirar mais a verão”, o seu aroma não é desagradável mas não perdura ao contrário da hidratação.

Não sei se o resultado será o mesmo com todas as peles, mas na minha funciona, por isso aconselho a experimentarem, o preço recomendado é de 7,99€ para 200ml, mas facilmente o encontram a 5,00€ nas promoções dos hipermercados.

Neste momento estou a usar o para peles claras, mas depois de bronzeada irei comprar o indicado para peles mais escuras para perpetuar a cor.

 

Para um resultado perfeito sigam os conselhos de aplicação da marca:

“Com grandes movimentos circulares, aplique Dove DermaSpa Loção de Corpo Summer Revived para Pele normal a média na pele limpa e seca. Use as suas mãos ou uma luva de bronzeamento para massajar. Deixe que a loção corporal seja totalmente absorvida antes de se vestir e lembre-se de lavar as mãos.”

Dica extra, dois dias antes da primeira aplicação façam uma esfoliação para que a pele absorva melhor o produto.

 

Nota importante - WTF Dove Portugal?

* "pele normal a média"? Mas que o que é que significa pele normal? Branca? Clara? Não me acredito que a Dove a marca que apregoa a ”beleza real” tenha cometido uma gafe destas!

Não existe pele normal! A pele é toda normal! Assim como a beleza é toda real, sejam mulheres magras ou gordas.

Como é que uma marca usa este tipo de classificação:

“Pele normal a média” e “Pele média a escura?”

Não se pode criticar Trump por cumprir promessas. Hipocrisia e esquecimento.

35805536_2560338170658984_2937083260468985856_n.jpg

Obviamente que devemos criticar e exigir pelos meios que estão ao nosso alcance que se acabe com a barbaridade de separar os filhos dos pais, mantendo crianças e jovens em jaulas como se fossem animais em condições deploráveis.

Devemos fazer-nos ouvir para que organismos, entidades, governos façam pressão sobre a administração Trump e não nos devemos calar por mais que a voz (alma) nos doa.

 

Pessoalmente, sempre agoirei que Donald Trump como presidente seria um desastre, uma pessoa má, sem valores e sem escrúpulos à frente da primeira economia mundial e, sejamos sinceros, do país que lidera, que inspira o resto do mundo nunca poderia ser bom, só poderia ser péssimo.

Donald Trump tem muitos defeitos, mas em termos políticos temos de assentir que faz promessas com intenção de as cumprir, esta política de tolerância zero foi promessa que agora cumpre, custa-me por isso que hoje muitos dos seus apoiantes surjam como virgens ofendidas a dizer que existem limites, que a aplicação da lei é inadmissível, que separar mães de filhos é imoral.

 

De estranhar que o reverendo Samuel Rodriguez só agora se preocupe com as políticas “terríveis” de Trump, este e outros membros do clero católico que apoiaram Trump parecem surpreendidos com a crueldade do presidente, o que em termos práticos se pode comparar a um padre estranhar que o diabo o queira levar a cair em tentação.

Não é passível de entendimento que uma pessoa com um mínimo de inteligência e pensamento crítico possa ficar surpresa com esta atitude de Trump, o homem que anunciou aos quatro ventos que iria impedir os migrantes de entrar, anunciou até um muro, um muro que quer a toda a força construir e está a valer-se de uma lei aprovada pelos democratas para o fazer, num braço de ferro que apesar de ir contra toda a lógica irá levar até às últimas consequências, não estivéssemos a falar de Trump.

 

Portanto o problema não é negar asilo, aliás manter os migrantes do outro lado de um muro, um muro imaginário que construirmos na nossa mente não choca ninguém, o que o coração não vê, não sente, o problema é a realidade que conseguimos ver e vermos crianças separadas à força dos seus pais choca até os mais insensíveis, especialmente se isso não acontece num país de terceiro mundo, mas nesse grande país dos sonhos USA.

Que belo exemplo que os Estados Unidos da América dão ao mundo, nunca pensei que o país reconhecido por sair em defesa dos fracos e dos oprimidos, salvando a Europa duas vezes da aniquilação pudesse transmitir uma mensagem tão medíocre, avassaladora de todos os valores da liberdade.

Exemplo que muitos líderes europeus parecem querer seguir ao negar asilo aos migrantes que fogem para a Europa à procura do sonho europeu, não há sonho americano, nem sonho europeu, há resquícios de valores como liberdade, igualdade, aceitação, proteção, união.

Numa altura em que se discute o nome de um museu que se quer politicamente correto, não se vá ofender o mundo com a palavra descobrimentos, nega-se asilo, refúgio e comida a milhares de pessoas, como será descrita esta situação nos livros de história?

 

A nossa memória coletiva é pobre, esquecemo-nos muito rápido das atrocidades cometidas no passado, das lições que as guerras nos deixaram e que deveríamos perpetuar para todo sempre, para que nunca mais se repetissem.

O ser humano compadece-se com a maldade de Trump, mas quantos de nós verdadeiramente seriamos capazes de aceitar migrantes se isso significasse uma mudança na nossa vida e provavelmente repartir riqueza? Poucos. Preferimos olhar para o outro lado e esquecer, a menos que nos chegue uma imagem avassaladora por ser tão familiar, aí perdemos um tempo a lamentar e a lamuriar a morte de uma criança perdida no areal.

 

Hipocrisia, pura hipocrisia, o problema da migração é um problema que não desaparece só porque não olhamos para ele.

Muito mal de saúde vai o mundo, a Humanidade mais uma vez caminha para o precipício, valem-nos alguns exemplos de humildade, respeito e educação, como o dos adeptos Senegaleses e Japoneses que fizeram questão de limpar as bancadas após o jogo e vitória das suas seleções.

Curiosamente foram os ”negros” e os “amarelos” a dar uma lição de civismo aos “brancos” e a isto se chama dar uma bofetada de luva branca dentro e fora das quatro linhas.

Sorte, Nervos e Ronaldo

Em três palavras podemos resumir o jogo de Portugal com Marrocos.

Imensa dificuldade em trocar a bola, dificuldade em manter a posse de bola, imensos passes falhados e uma total incapacidade em ganhar ressaltos, foi assim a equipa portuguesa.

Valeu-nos o golo de Ronaldo, que parece levar a equipa às costas com a ajuda da defesa, palmas para Rui Patrício, meio campo inexistente com um ataque impossível de descrever, é a segunda vez que Ronaldo dá meio golo que não se concretiza.

Foram 91 minutos de puro sofrimento, nervos e muito praguejar, um jogo fraco que nada teve a ver com o primeiro.

Esperemos que contra o Irão a equipa esteja finalmente afinada porque não nos podemos fiar sempre na sorte.

Força Portugal.

Pág. 1/5