Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Será que temos cuidado suficiente com o sol?

Depois de um Verão tímido que se mostra e depois se esconde, espera-se para os próximos dias uma vaga de calor intenso, embora tenha sido largamente anunciado e se tenham também dado indicações para lidar com o calor e com as temíveis radiações, será que os portugueses tomarão as respetivas precauções?

Acredito que uma larga percentagem faça ouvidos moucos aos avisos e se estenda sol ao estilo camarão grelhado com medo que o sol se acabe antes de conseguir o tão almejado bronzeado.

 

Não tenho dados estatísticos, baseio a minha opinião no que vou observando nas praias portuguesas, ainda ontem constatei que um jovem casal achou boa ideia chegar à praia às 11:30h com uma criança que deveria ter uns dois anos e por lá ficar até às 16h, sem guarda-sol, estendidos na areia debaixo do sol a pique, vi a mãe colocar protetor na criança, mas será prudente estar debaixo do sol intenso no pico do calor com uma criança tão pequena?

Não faltam maus exemplos não só com crianças, mas também com adultos que torram ao sol o dia inteiro aplicando bronzeador ou óleo frequentemente para queimar mais rápido.

Ontem, não estavam temperaturas exageradas, mas onde estive, uma praia fluvial no Douro, o termómetro marcava 27 graus, estive pouquíssimo tempo ao sol, sempre com proteção 50 e mesmo assim consegui falhar uma pequena área de pele que queimou.

É normal que nestes dias de calor sejam realizadas várias reportagens em praias e o cenário é sempre idêntico, pessoas que ficam na praia o dia inteiro, às vezes sem uma sombra para se abrigarem e protegerem do sol.

 

Entendo que ir carregado de tralha para a praia não é uma ideia sedutora, nem é muito charmoso, é muito mais elegante chegar com a toalha debaixo do braço, um cesto de palhinha, um chapéu e uns óculos de sol, só que isso só é aconselhável quando temos a casa ou o quarto de hotel a 5m de caminhada podendo ausentar-nos nas horas de maior calor.

Lá em casa quando vamos à praia vamos carregados, porque tentamos que a nossa estadia seja o mais confortável possível e é impreterível ter sombra disponível, por isso não faltam cadeiras, chapéus-de-sol, para-vento, comida e bebida.

Se dá imenso trabalho preparar a saída? Dá, mas depois compensa.

 

Este medo de perder o sol não é exclusivo dos portugueses, aliás acho que até estamos uns pontos acima de muitas outras nacionalidades, especialmente com o cuidado com as crianças, a proteção exagerada da prole tinha de trazer alguma vantagem, quem nunca viu ingleses e alemães a descascar ao sol?

Já vi um senhor que parecia estar a desfazer-se e mesmo assim continuou a estender-se ao sol todos os dias durante o dia todo acompanhado do seu copo de Gin, creio que a bebida seria para suportar as dores.

Não consigo entender como com tantos avisos e alertas as pessoas continuam a confiar que correrá tudo bem, que os problemas derivados à elevada exposição solar não as afetará a elas, só aos outros e que “apanhar” vitamina D até faz bem.

 

Todos tivemos uma fase em que numa tentativa de conseguir o tão almejado bronze acabamos por apanhar um ou outro escaldão, especialmente na inconsciência da juventude, mas depois vem a maturidade, a definição das prioridades e a saúde passa a ser mais importante que o bronzear, os descuidos ocasionais já são mais do que suficientes para magoar a pele, não precisamos de ser sistematicamente descuidados.

Não vale a pena dizerem que cada um sabe de si, porque quando há neglicência com a saúde de uma forma geral somos todos afetados, pois os custos do SNS saem do bolso de todos nós.

 

Tenham sempre cuidado com o sol, mas tenham cuidados redobrados nos dias em os níveis de radiação estão no máximo, protejam-se, evitem a exposição solar nas horas de maior calor, usem protetor solar, óculos de sol e chapéu e não se esqueçam de beber muita água, água, refrigerantes e cervejas não contam para a hidratação.

Pág. 5/5