Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Pedofilia «não mata ninguém, mas abortar mata» - Tristeza de pessoa

Esta frase hedionda foi proferida por um “padre” norte-americano que proibiu os políticos que aprovaram o projeto de lei da Suprema Corte de 1973 de comungarem e de serem testemunhas de casamento, padrinhos ou eleitores nesse sacramento, bem como em funerais ou qualquer outra função da igreja.

Esta criatura compara a interrupção voluntária da gravidez à pedofila e como se não bastasse a comparação incomparável, ainda afirma que o aborto é pior, porque mata.

Desde já esta criatura precisa de umas lições de biologia para saber distinguir entre pessoas e embriões e fetos, mas mesmo ultrapassando este facto científico, questionável para alguns, pois não há consenso até onde se pode limitar a vida humana, havendo mesmo quem seja contra os contracetivos e contra as relações sexuais sem vista à procriação, há aqui uma clara perversão e uma proteção da pedofilia.

É perverso dizer que quem interrompe voluntariamente uma gravidez é pior do que um pedófilo, que incorre num crime mais grave, que mata, até pode ter a opinião que o aborto é matar, pode ter a sua fé e a sua crença, mas não pode comparar isso à pedofilia, especialmente fazendo ele parte de uma instituição largamente conhecida por ser o abrigo de milhares de pedófilos.

A pedofilia é dos crimes mais graves, tão grave que uma grande parte das vítimas escolheria a morte em vez do abuso, todos sabemos que existem coisas bem piores que a morte, a dor, o sofrimento, a tortura podem ser mais agoniantes e desesperantes que a morte, embora tradicionalmente a morte seja encarada como uma coisa má, a morte é muitas vezes o último conforto, o último refúgio, a única solução para encontrar a paz e para os crentes não haverá maior conforto do que o encontro com o criador, com o seu Deus.

É inadmissível que um padre a quem se pede empatia, solidariedade e compreensão tenha proferido tal barbaridade, não pela culpabilização do aborto, já conhecemos bem as posições dos religiosos de diversas religiões, mas pela desculpabilização da pedofilia, diminuindo este crime sórdido e repugnante porque ele não mata.

A pedofilia mata, mata a infância, a infância a época mais feliz da nossa vida na qual devemos ser amados, protegidos e acarinhados, mata sonhos, mata personalidades, mata lentamente as possibilidades de ser plenamente feliz, as vítimas levam anos a encontrar o equilíbrio e poucas são as que o conseguem encontrar.

Não consigo imaginar a dor, a tristeza, a solidão, a impotência que uma criança indefesa sentirá a ser vítima de abusos por parte de um adulto, qualquer tipo de abuso é horrível, mas tirar partido de um ser indefeso e inocente é desumano, um pedófilo não merece qualquer tipo de empatia ou desculpa, não há desculpa para este crime e consigo encontrar várias desculpas para o crime de homicídio, a primeira que me ocorre é precisamente o assassinato de um pedófilo, o primeiro instinto de qualquer pai são será ter vontade de matar o agressor.

Esta criatura é que deveria ser proibida de praticar qualquer sacramento religioso, deveria ser excomungado e exilado, para não lhe desejar destino pior para que entendesse o que é ser vítima e desejar a morte como libertação.

Este imbecil, asno, insensível, inadequado, ignorante, insciente, biltre, asqueroso, nubilidade de pessoa fazia um favor à Humanidade e particularmente aos membros da sua comunidade se escolhesse viver numa cela em cativeiro voluntário em voto de pobreza e de silêncio.

A Red Carpet dos Óscares e da festa da Vanity Fair

Pensavam que não ia falar dos vestidos este ano? Estive quase para não me debruçar sobre o tema porque os vestidos a bem da verdade foram uma miséria e como este ano não falei dos filmes não ia falar deste lado mais fútil dos prémios mais importantes, dizem eles, do cinema, mas depois da passadeira vermelha da Vanity Fair achei que alguns vestiditos são dignos de menção.

Da Red Carpet dos Óscares só tenho a dizer que as veteranas é que sabem, não inventam e não se comprometem e ainda mostram que a idade não é um número, é um posto, deram verdadeiras lições de elegância, classe e estilo, uma verdadeira inspiração, já não precisam de dar nas vistas, só precisam de estar bem e foi precisamente o que fizeram estas senhoras.

Uma nota, passaram pela red carpet alguns vestidos bem interessantes, mas como as senhoras que os desfilaram não têm milhares/milhões de seguidores ficaram de fora das principais listas, mais uma discriminação a juntar às várias da cerimónia.

 

Alison Balsom.jpg

Geena Davis.jpg

Geena Davis tem 64 anos! Como? Onde? Qual o segredo?

jane-fonda-1581359481.jpg

Jane Fonda a repetir um modelo e a estar novamente impecável.

 

Rita Wilson.jpg

sigourney weaver.jpg

willow bay.jpg

A desgraça dos Óscares foi ligeiramente compensada com alguns modelitos bem interessantes na festita da Vanity Fair que parece ter cada vez mais importância que a red carpet da cerimónia, de notar que as modelos que não se viram nos Óscares contribuíram para que isso acontecesse e começo a pensar que as atrizes guardam os seus melhores vestidos para competirem com elas, é só uma teoria.

Começo com a nossa Sara Sampaio, que além de ser naturalmente linda estava um arraso num simples vestido preto, mais uma vez a mostrar quem é que percebe de passadeiras.

e6632552-1f23-44fe-a86c-54c6e270c3c5.jpg

0ce2cae3-b5c1-4a6e-a79d-80c5622c7c47.jpg

2ecec771-85f3-4de7-b395-a14afa5ad5ed.jpg

3c5a7d59-aea1-4293-b2db-d13acd348fc3.jpg

 

9f806efb-33b4-4441-8692-0495a1cb20c4.jpg

46ecd993-5fc4-4a66-b191-2a4441bf4d0a.jpg

71e6ed33-67ca-4476-bed9-8d85cc35001d.jpg

Não é que lhe fique especialmente bem e pedia um penteado mais cuidado, mas o vestido é sem sombra de dúvida diferente e daqueles que só se pode mesmo usar num evento destes.

81c5a742-ff71-4b64-a17c-c8ac720846a2.jpg

Só mudava o penteado.

411bcab0-58f1-4901-b798-23656c8e92ca.jpg

569e0c86-3122-4f51-b1b7-f0854620c070.jpg

Demasiada informação? Talvez, mas acho que esta bem organizada.

7949b438-35fb-46fc-a526-e12561eba54f.jpg

54284672-6a7c-420f-93af-8293bd1fe5a5.jpg

Geena Davis mais uma vez só porque foi das melhores da noite.

a6968b6a-d772-40bb-99dc-a4cb0539a315.jpg

b0cceb12-f81f-47d2-88f5-36f18047f7f3.jpg

Esta é uma das razões pelas quais não gosto de tatuagens, especialmente grandes e em locais muito visíveis, este vestido ficava muito melhor sem elas, aquele colar foi muito mal escolhido, e as pulseiras, credo! Mas o vestido é dos meus favoritos.

b34abbbb-795e-4dab-a1cb-df78f179f9b0.jpg

Gosto, acho super giro este vestido e a cor é linda.

cba820ac-4130-4315-a43c-c6afbac3d50e.jpg

A idade é um posto e ponto.

ddf56c77-e9a7-4635-ac93-e94d715244d3.jpg

e66a8d9d-f56d-4173-8e61-63dd2bd09d84.jpg

eb426f1a-1e33-40d0-b136-0327fca6dbe8.jpg

f109df87-6ce7-4e2e-9829-4a819a4a3e84.jpg

Alguém que me diga o que é que estas mulheres comem, bebem e respiram, por favor. Tenho a certeza que não é o mesmo que eu.

#tradwife – o movimento mais parvo dos últimos tempos

Iludidas pelas imagens românticas das esposas e donas de casa perfeitas dos anos 50, há mulheres que querem restaurar não só essa imagem idílica como querem fazer dela moda.

O “marido em primeiro lugar” dizem elas é o caminho para a felicidade, para terem um lar repleto de amor e harmonia, qual postal ilustrado.

Esposas dedicadas a cuidar da casa, perdão lar, dos filhos e claro do marido, gestoras do lar com independência financeira que depende do montante que os maridos estão disposto a dar-lhes por mês.

A cereja no topo do bolo é afirmarem que é um movimento feminista, claramente estão confundir feminismo com feminino.

Alena Kate Pettitt, uma espécie de embaixadora do movimento criou o site The Darling Academy que aconselho precaução ao abrir não vão sofrer de urticária, suores frios, ataques de pânico ou até um ataque cardíaco com a quantidade de declarações estapafúrdias que lá existem.

Outra iluminada é Dixie Andelin Forsyth, filha de Helen Andelin que escreveu o livro Fascinating Womanhood em 1963, agora a filha relançou o livro e este é praticamente a Bíblia para o movimento com conselhos para um casamento feliz que inspiram o conteúdo de workshops sobre feminilidade e estilo de vida tradicional, onde se aprende a “como comer pizza sem parecer lésbica” ou "como se comportar para atrair e manter um homem".

Esta pobre coitada, lamento mas não consigo classificá-la de outra forma, teve o desplante de proferir isto "As mulheres no Reino Unido, e em outros lugares, já tiveram feminismo suficiente (...) Agradecemos às feministas pelas calças, mas olhamos para a vida de uma forma diferente"

Pobre alma que acha que as feministas lutaram por vestir calças, idiota, abdica do teu direito de voto, de tirares carta de condução e de poderes trabalhar caso o marido te falte ou te troque por um modelo mais recente e já agora abdica do direito de denunciares o crime de violência doméstica, tão submissa que és, uns acoites só podem fazer parte do cenário.

Existe liberdade de expressão e o feminismo deu poder às mulheres para fazerem da vida delas o que bem entendem, se querem cuidar da casa, dos filhos e do marido, é uma escolha delas, não crítico quem toma essa escolha e existem muitos motivos para a tomar, há muitas mulheres verdadeiramente feministas que a tomam para o bem-estar dos filhos e porque se sentem realizadas assim, mas daí a propagar a submissão das mulheres e a colocar o marido em primeiro lugar, como se de um Deus se tratasse vai uma grande diferença.

Estas cabeças de vento querem vender uma ideia ultrapassada, retrógrada e perigosa, pode parecer romântico ter tempo para cuidar da casa, dos filhos, do marido, conviver com as amigas e como elas promovem muito croché, rosas, laços e nada de decotes, um cenário tão bonitinho a fazer lembrar o filme “The Stepford Wives”, mas tal como o filme esta perfeição pode esconder muitos problemas e não é preciso ser muito inteligente para perceber quais, basta conhecer a história das mulheres e a sua luta pelos mesmos direitos que os homens, que ainda hoje é válida.

Dependência financeira é o primeiro passo para o abuso, para a submissão, para a infelicidade e se a fórmula pode até “resultar” na classe média-alta, claramente não se pode aplicar à classe-média, à classe-média baixa e muito menos aos pobres que se querem ter uma vida digna têm de trabalhar ambos os membros do casal e mesmo assim não é fácil.

Sempre quero ver como estas esposas extremosas se sentirão quando os maridos igualmente tradicionais as trocarem pela secretária mais nova, mais independente e mais desafiante.

Estes movimentos estão muitas vezes associados a outros ainda mais perigosos de extrema-direita, sonegar direitos e submissão são bandeiras dos fascistas e todos os movimentos que as promovam são bons para divulgar e financiar.

O clima de instabilidade financeira, os preconceitos raciais e culturais, a repercussão que “os outros” nos irão retirar identidade, empregos e oportunidades são ninhos de vespas favoráveis ao aparecimento destes movimentos que podem parecer caricatos, engraçados, mas são muitíssimo perigosos.

Vivem-se tempos complicados, devemos permanecer vigilantes ou um dia destes entre ridicularizar estes iluminados e fazer publicações indignadas no Facebook estamos debaixo de um regime e ainda batemos palmas às palas que nos colocam nos olhos.

#modernwomen #modernwife #freedom