Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Trabalho 54 dias de graça

Eu e as mulheres portuguesas trabalhamos 54 dias de graça, talvez colocando a situação nestes termos as pessoas entendam a gravidade da situação.

São 54 dias, quase dois meses de trabalho em que trabalhamos sem receber por isso, oferecemos aos nossos empregadores 54 dias, nunca é demais repetir, 54 dias de trabalho, 54 são muitos dias.

O argumento do tipo de trabalho e da força física nem se coloca, se em média as mulheres continuam a ganhar menos 14,8%,  ou seja, menos 149,7 euros que os homens, este fosso aumenta consideravelmente quando a análise se centra nos cargos superiores, as mulheres ganham menos 617,7 euros que os homens, e entre pessoas com o ensino superior ganham menos 505,5 euros.

Qual é o argumento para justificar esta diferença? Terão as mulheres menos massa cinzenta? Serão as mulheres menos inteligentes?

Não, esta discrepância tem mesmo por base a discriminação do género assente em estereótipos e ideias pré-concebidas profundamente enraizadas em Portugal, cujas maiores interessadas em combater, muitas vezes escolhem não o fazer, continuando a fomentar a desigualdade salarial e outras desigualdades.

O argumento da maternidade e disponibilidade é o pior que podem usar, porque a falta de disponibilidade de uma mulher para realizar horas extras ou viagens é proporcional à falta de disponibilidade de um homem para cuidar e estar com os filhos.

É triste que não se perceba que as mulheres assumem um papel determinante na sociedade, não fossem elas capazes de direcionar as suas prioridades para a família, abdicando muitas vezes da progressão na carreira para que isso aconteça, o que aconteceria? A taxa de natalidade cairia ainda mais, aliás a tendência será essa, com as mulheres cada vez mais a procurarem a realização pessoal através do sucesso profissional e com os homens ainda não preparados para a divisão total de tarefas, incluindo a organização mental, prevêem-se tempos complicados para a constituição de famílias.

Como se resolve este problema? Não é com a lei da paridade, nunca se resolverá uma discriminação com outra discriminação, é pela alteração na forma como encaramos o papel da mulher e do homem na sociedade.

 

Licença de Parentalidade

Licença de parentalidade igual para ambos os progenitores, sabemos que um bebé quando nasce poderá estar dependente da mãe para ser alimentado, verdade, e a presença da mãe é importantíssima porque é a pessoa que o bebé melhor conhece, considero essencial a presença do pai no primeiro mês, aliás essa presença deveria ser estendida até aos 2 meses, findo esse período o pai regressaria ao trabalho e a mãe ficaria de licença até aos 7 meses de vida do bebé, e aí o pai entraria de licença não por o período de um mês, mas até o bebé fazer 12 meses, tendo gozado ambos 7 meses de licença e adiando a entrega do bebé a cuidados de terceiros por até ter um ano.

É preciso igualar o papel de mãe com o papel de pai e cabe à mãe deixar de assumir que só ela é que sabe fazer e cabe às pessoas de um modo geral aceitar e que é normal e natural um pai cuidar dos filhos e não assumir que quando é o pai a acompanhar o filho é porque a mãe foi incapacitada de o fazer, tendo “sobrado” para o pai, nunca assumindo que possa ter sido uma escolha.

 

Horário Laboral

Para além de trabalharmos 54 dias de graça ainda somos dos países onde a jornada de trabalho é maior e isso afeta ainda mais a nossa remuneração que é parca para as horas que trabalhamos. Com este horário de trabalho que já não é compatível com o nosso modo de vida e com os avanços tecnológicos, é impossível as pessoas terem um equilíbrio saudável entre emprego e família, quem é que é mais penalizado? As mulheres, como ganham menos, são as que abandonam os seus empregos de tempo inteiro para abraçarem empregos em part-time ou para ficarem em casa a cuidar da família, mais do que uma escolha emocional é muito mais uma escolha financeira.

 

 Trabalho em casa

Também neste campo existe uma tremenda desigualdade, a mulher para além de trabalhar muito mais horas em casa tem a seu cargo, na maioria das vezes, a carga mental da organização da vida doméstica, que inclui a gestão da casa, das compras, das roupas, da educação e da saúde de toda a família, a carga mental é muito mais penalizadora e cansativa do que o desempenho das tarefas em si, a organização é muito mais trabalhosa do que o trabalho e quando o tempo escasseia qualquer falha pode causar um caos que demora dias a ser resolvido.

É preciso que a divisão das tarefas seja igualitária, mas é preciso que a carga mental também seja, ficando a cargo de ambos a organização e planeamento das tarefas do quotidiano, já que o problema não é ir às compras, mas fazer uma lista de compras que garanta trazer tudo o que faz falta, muitas vezes aos melhores preços e tendo em vista a ementa semanal de toda a família, que inclui todas as refeições.

Cabe aos homens perceberem que têm de partilhar tudo e não só fazer as tarefas que a mulher lhe atribui e cabe às mulheres aprenderem a dar espaço aos homens para serem eles a organizar e a planear essas mesmas tarefas.

 

Mudar mentalidades

Esta é a tarefa mais difícil, dificilmente se muda uma opinião, é quase impossível mudar o comportamento e atitudes de uma pessoa machista, por isso é importante apostar na educação dos mais novos, se a educação dada em casa possivelmente perpetua os estereótipos, é preciso que as escolas assumam esse papel de educar para a igualdade, assim como para a cidadania.

Não é a criticar princesas e príncipes que se mudam mentalidade, mas sim a demonstrar que uma princesa também pode ser forte e independente, não é a abolir os géneros e a querer mitigar as suas diferenças, mas sim a celebrar as diferenças e a promovê-las para termos uma sociedade mais diversa, rica e colorida.

Cabe a cada um de nós, no nosso dia-a-dia tentar mudar a forma como a sociedade segrega e discrimina as mulheres, não é criticando ou diminuindo os homens, mas colocando-nos em pé de igualdade, sem que para isso nos tenhamos de desfazer daquilo do que torna mulheres, não temos de abandonar a nossa feminilidade, temos de ser aceites por aquilo que somos.

 

Gostava muito de ver o dinheiro dos meus impostos ao serviço de uma sociedade mais igualitária, justa e mais feliz, onde os cidadãos e as suas famílias fossem realmente a prioridade e não os interesses instalados e apenas as famílias e amigos da classe política.

Os portugueses não têm tempo para filhos

Em 2016 escrevi que os “Portugueses não têm dinheiro para filhos”, hoje escrevo sobre o tempo, na verdade os portugueses não têm dinheiro, nem tempo para filhos, é um ato de coragem decidir ser mãe e pai em Portugal.

 

"é preciso saber lidar com a realidade que não estaremos lá nos momentos mais importantes"

 

Temos os filhos para os outros criarem, ainda bem pequeninos entregamo-los aos cuidados de familiares quando temos sorte ou de desconhecidos quando não temos outra opção, muitas vezes numa ginástica orçamental gigantesca, as creches são dispendiosas e impessoais, tentamos encontrar justificações para não sermos nós a tomar conta deles, mas a única e verdadeira justificação é que somos obrigados a trabalhar por questões financeiras.

O horário de amamentação permite que a mãe trabalhe 6 horas, se às 6h acrescentarmos a hora de almoço e uma hora para a viagem, são 8h fora de casa, precisamente as 8h em que o bebé se encontra mais ativo, precisamente nas 8h que o bebé começa a dizer as primeiras palavras, começa a fazer as primeiras habilidades, deve ser de uma tristeza profunda perceber que quem ouviu a primeira palavra do nosso filho não fomos nós.

Para além da angústia da ausência e da preocupação é preciso saber lidar com a realidade que não estaremos lá nos momentos mais importantes, não veremos provavelmente os seus primeiros passos e não estaremos lá para os reconfortar após a primeira queda.

 

"Não é de espantar que se recorra a todas as estratégias e mais algumas para distrair e entreter as crianças"

 

Terminado o horário reduzido, a mãe passa a estar 10h fora de casa, numa altura em que a criança tem de dormir 10 a 11 horas por noite, 10h para trabalho, 11h para dormir sobram 3h, 3h que incluem o banho, o jantar e possivelmente a ceia, resta-nos quanto tempo para dedicar à criança, tendo em conta que os pais também têm de comer e preparar as refeições?

Este cenário é quase idílico, pois tem como base um horário de trabalho de 8h de segunda a sexta perto de casa e idêntico para ambos os pais, se falarmos em pessoas que perdem 1h em cada deslocação, em horas extra e trabalhos por turnos, esta logística muda e piora consideravelmente.

Não é de espantar que se recorra a todas as estratégias e mais algumas para distrair e entreter as crianças, os pais não têm tempo para brincar com eles, muitas vezes chegam esgotados e stressados de um complicado dia de trabalho e não conseguem encontrar energia para ter tempo de qualidade com os filhos, é difícil ter tempo de qualidade sem uma vida com qualidade.

 

"é difícil conciliar a vida familiar com a vida profissional, alguém fica sempre a perder, normalmente o elo mais fraco, as crianças"

 

Com o passar dos anos a situação só piora, começam as atividades extra, os eventos desportivos aos fins-de-semana, a vida social das crianças que começa a ser mais intensa que a dos pais e os TPC, alguém entende como é que com carga horária que os miúdos têm, estes ainda levem inúmeros exercícios para fazer em casa?

Os pais dividem-se para dar conta das tarefas, é difícil conciliar a vida familiar com a vida profissional, alguém fica sempre a perder, normalmente o elo mais fraco, as crianças, multiplicam-se os problemas, os pais deixam de ser pais, deixam de ser um casal e às vezes chegam a perder a própria identidade, vivendo em piloto automático numa roda em que não há tempo para nada, quanto mais tempo para pensar na vida.

 

"os portugueses não têm dinheiro para ter uma vida digna"

 

Mem sequer podemos acusar os pais de trabalharem para o consumo, fica bem dizer que vivemos alheados dos filhos porque lhe queremos dar tudo, não é verdade, vivemos alheados dos filhos porque não temos alternativa, porque temos de os alimentar, vestir e educar.

Caímos na falácia que estamos assim porque queremos, porque temos as prioridades invertidas, na verdade não temos grandes alternativas, mas preferimos pensar que temos, é mais fácil assumir a culpa do que perceber que não vivemos para sermos felizes, mas que vivemos para pagar contas, na verdade como escrevi em 2017, os portugueses não têm dinheiro para ter uma vida digna.

 

"Os portugueses não têm tempo para viver como podem ter tempo para ter filhos?"

 

Assumiu-se que é normal entupir as crianças de atividades desde as 7h da manhã às 7h da tarde, deixando-lhe pouco tempo para serem crianças, assumimos que isso lhes faz bem, formatamo-las para serem quadradas, sem pensamento crítico, sem curiosidade e dizemos-lhe que um dia terão tudo só porque achamos que merecem ter.

Nem sequer fazemos o exercício que ninguém tem o que é mais importante, tempo para viver. Os portugueses não têm tempo para viver como podem ter tempo para ter filhos?

Continuamos embrenhados em não assuntos, em indignações sem sentido, entupidos até aos olhos de lixo, de notícias falsas, de falsas questões, de contestações desprovidas de sentido e continuamos sem reclamar o que realmente importa, tempo para viver.

 

"as pessoas andam revoltadas e frustradas e acham que é do tempo estar cinzento"

 

Portugal é dos países onde mais se trabalha na Europa, 39,5h semanais, só é ultrapassado pela Grécia, curiosamente os países mais produtivos são aqueles onde se trabalha menos horas, de notar que a média em Portugal incorpora a função pública que neste momento trabalha 35 horas semanais, caso contrário seria ainda pior.   

Os dados são bem específicos, são factos, há uma correlação entre o horário de trabalho e produtividade, há inúmeros estudos que concluem que para a nossa saúde deveríamos trabalhar menos horas, quanto mais trabalhamos, mais cansaço acumulamos, somos menos produtivos, temos de realizar horas extras, trabalhamos mais, mais cansaço e o ciclo nunca é interrompido.

Não temos tempo para ter filhos, não temos tempo para viver, mas ninguém parece estar realmente preocupado com isso e os dias sucedem-se uns atrás dos outros e as pessoas andam revoltadas e frustradas e acham que é do tempo estar cinzento, a culpa é do tempo, mas não do clima, é da falta de tempo para viver.

O Presidente, o Médico e o Professor – O Retrato do país

Os portugueses continuam a ser portugueses e por isso continuam a lamentar-se e indignar-se com tudo, os comentários às notícias só não são hilariantes porque são demasiado maus.

 

O Presidente

O nosso Presidente decidiu convidar os influencers digitais para uma reunião no Palácio de Belém, encontro, com cerca de 30 influencers, que incluiu instagramers, youtubers e bloguers, foi marcado pelo Presidente da República, que reconhece a "enorme" importância dos novos formatos de comunicação, que "conseguem chegar a públicos onde nem a TV, o maior produto de mass media, consegue chegar".

A reação nas redes sociais não se fez esperar, em primeiro lugar é de notar a quantidade de pessoas que vivem alheadas da realidade e não sabe o que são influencers, triste perceber que são as mesmas pessoas que têm filhos influenciados por esses mesmos influencers que eles nem sabiam que existiam, em segundo lugar é deprimente perceber como as pessoas agrupam os influencers todos no mesmo saco e os chamam de parasitas, não seria de espantar que não soubessem o significado da palavra.

Em Portugal a política é uma coisa muito séria, de pessoas adultas e muito cultas, dos doutores com cursos de advocacia, economia e engenharia, daqueles senhores que falam caro, que debitam números que ninguém entende e decretam leis que nem sequer são para ser cumpridas, pois só eles a entendem, qualquer tentativa de aproximar a política do povo é vista com maus olhos, fala-se logo em campanha, em agenda, por mais que a intenção seja boa e até seja tendência na Europa, em Portugal nunca é vista como benéfica.

Marcelo Rebelo de Sousa está sempre, permanentemente em campanha, não é por esta ou outra iniciativa em particular, é um Presidente que gosta de aparecer, gosta de holofotes, não tivesse ele um longo percurso na televisão, não entendo por que motivo agora se lembram de dizer que está em campanha, sempre esteve.

O que é que os portugueses fazem a esta notícia, atacam os convidados, enxovalham-nos e dão belíssimas sugestões para o Presidente convidar todos os trabalhadores flagelados, nada contra, mas a estratégia aqui não é dar palmadinhas nas costas, é só isso que o Presidente faz quando recebe esse grupos, é incentivar as gerações mais jovens a ter intervenção política, seja pelo apelo ao voto, seja por trazer a política para o seu mundo incentivando a procura por informação e o seu interesse no tema.

 

O Médico

Sabe-se que há um individuo que por acaso se apelida de médico, mas é só no papel, que comete erros atrás de erros em ecografias morfológicas, erros que mexem com vidas, que colocam em causa não só a vida do feto, mas da mãe e mais tarde a vida de toda uma família.

Não consigo imaginar o pânico, o medo, o terror que é esperar um bebé saudável e ser confrontada com uma realidade diferente em que nos dizem que nosso bebé pode não sobreviver.

A incompetência e negligência de Artur Carvalho é atroz, é indiscritível, contam-se sete processos, sabe-se lá quantos mais casos poderão existir, espanta-me que nada tenha sido feito para travar a atuação criminosa deste médico, mas infelizmente não é caso único, infelizmente fala-se pouco dos obstetras que realizam ecografias morfológicas sem qualquer competência para o fazerem, basta uma passagem pelos grupos de mães no Facebook para perceber que são muitas as mães que perceberam apenas no dia do nascimento que os seus filhos não eram “perfeitos”, infelizmente raramente se apuram responsabilidades, porque há sempre quem defenda que os problemas podem não ser detetáveis.

Não detetar a falta do osso do nariz que é uma das primeiras situações de perigo a serem analisadas é negligência e incompetência, não perceber que uma bebé tem as pernas ao contrário é negligência e incompetência, não vale a pena tentarem justificar, este médico deveria ser impedido de exercer e deveria ser condenado pelos erros que cometeu, deveria ter uma pena exemplar e deveria existir uma fiscalização às clínicas privadas que prestam esse serviço, especialmente as que têm protocolo com o SNS.

No meio destes trágicos acontecimentos o que se lê nos comentários? Que o médico ter errado era bom porque assim as mães não abortavam!

Fico triste e revoltada ao ler estes comentários, pois cabe aos pais decidirem ter ou não um filho com necessidades especiais, cabe aos pais decidir se querem arriscar esperar pelo nascimento para perceber se o bebé tem possibilidades de vida, cabe aos pais decidirem se querem colocar em risco a vida da mãe e acima de tudo ninguém merece receber uma notícia destas no momento do nascimento, quando a medicina permite que os pais tenham a possibilidade de conhecerem a realidade meses antes.

Quem é que no seu juízo perfeito advoga uma realidade destas, que ainda recalca, pisa e diz que é uma coisa boa? Que tipo de pessoa é esta?

Surreal.

 

O Professor

Esta semana um professor agrediu violentamente um aluno, por violentamente entenda-se que o agarrou pelo pescoço e lhe bateu com a cabeça na mesa, entretanto foi detido.

O que se lê nos comentários das notícias? Que fez muito bem, que é preciso saber o que o aluno fez para ter tal tratamento, que são precisos mais professores assim, que a culpa é dos alunos que são todos mal-educados e o rol de desculpas para justificar o comportamento agressivo e criminoso do professor continua num desfile de barbaridades ímpar.

Acredito que o professor possa ter tido este comportamento por alguma razão, que não seja ser naturalmente violento, mas desenganem-se, pessoas violentas, agressivas encontram-se em todo lado, não é por acaso que os números da violência doméstica não param de aumentar, tentar legitimar este comportamento é só estúpido e ignorante.

A quantidade de pessoas que defende o comportamento do professor é absurda, ainda mais absurdo é que uma grande parte tem filhos, estes que defendem a violência seriam os primeiros a ir tirar satisfações ao professor se este tivesse feito o mesmo aos seus filhos, mas aplaudem o que ele fez.

 

O Retrato do país

Nada mais me surpreende, as pessoas revelam uma insensibilidade e uma falta de empatia tremendas, são incapazes de perceber que estão a falar e a criticar pessoas como elas, com sentimentos, família, amigos.

Qualquer tema serve para agressões verbais gratuitas, seja um encontro inocente com o Presidente da República, seja uma tragédia como o nascimento de uma criança com malformações, seja um caso de agressão.

Que mundo triste este, cheio de heróis que se escondem atrás de perfis falsos, de pessoas que escudam pela distância. As pessoas perderam a noção do certo e do errado, deixaram de ter senso comum, perderam a pouca educação que tinham e passaram a ser um bando de predadores digitais à procura da próxima vítima, e depois os influencers é que são os parasitas.

Parasitas são todos aqueles que vivem à míngua das indignações, para se sentirem um bocadinho melhor nas suas insignificantes e tristes vidas, que depositam no teclado as suas frustrações e que direcionam a sua raiva a pessoas que não conhecem, mas que lhes parecem ser bons alvos para repudiar, enxovalhar e espezinhar.

Tenham vergonha na cara! Acham mesmo que os pais tanto do Rodrigo como do miúdo que foi agredido merecem ler tais barbaridades!? Por uma vez na vida calcem os sapatos dos outros antes de os pisarem.