Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Adoção e devolução - O dia da criança é todos os dias

Num ano, 43 crianças devolvidas por pais candidatos à adoção, mais precisamente de 1 de Agosto de 2015 e 31 de Agosto de 2016.

Não queria acreditar quando li esta notícia no Público, mas há diversas razões que podem motivar uma situação destas, li a notícia com atenção.

“Das 43 crianças que acabaram por ser devolvidas por candidatos a pais adotivos, apenas duas apresentavam problemas graves de saúde. Havia ainda seis com “problemas ligeiros”, não tendo as restantes 35 quaisquer problemas deste foro. A caracterização do ministério permite ainda concluir que 20 das crianças “devolvidas” tinham até dois anos de idade.”

 

Estas 43 crianças foram devolvidas às instituições ou famílias de acolhimento, mas as razões não são conhecidas.

O processo de adoção em Portugal é burocrático e moroso, os candidatos a adotar sejam um casal ou pessoa singular veem a sua vida escrutinada, passam por um rigoroso processo de avaliação de condições psicológicas e financeiras de modo a garantir que têm condições para acolher uma criança e que estão preparados para isso.

Conheço um casal que adotou uma menina que é hoje uma adolescente feliz e saudável, após várias interrupções involuntárias da gravidez, foi diagnosticado um problema de saúde que impedia que a gestação fosse até ao fim. A menina é luz deste casal, um tesouro que cuidam como cuidariam se ela partilhasse o seu código genético, não partilha os genes, partilha o amor, que é muito mais importante.

Conheço outro casal candidato à adoção que se queixa da demora, dos processos, da expetativa e da ansiedade, sei-os desejosos de aumentarem a família, de poderem dedicar tempo e amor a um filho.

 

Como é difícil prever que a adoção seja bem-sucedida, mesmo que os candidatos conheçam previamente a criança, privem com ela e a criança se habitue à sua presença, essa interação prévia é muito diferente de terem a criança ao seu cargo durante 24h, é por isso que existe um período de pré-adoção que se pode estender até aos 6 meses, período dentro do qual os pais adotivos recebem a criança mas podem “devolve-la”.

Só o termo devolver faz-me impressão, devolver uma pessoa, criança ou bebé é algo impensável, não é um produto, nem um serviço, é um ser frágil, que necessita de atenção e amor.

 

Eu gostava de acreditar que a maior parte dos casais que desistem da adoção têm um motivo forte, mas conhecendo as pessoas como conheço, nem todos terão motivos aceitáveis, na própria notícia é dado um exemplo:

«“Há oito ou dez anos ouvi um responsável da Segurança Social contar um caso em que uma criança viveu em casa dos candidatos mas que a certa altura foi devolvida porque o cão não gostava da criança”, recorda Guilherme de Oliveira»

 

 

Se o filho fosse biológico iam leva-lo à maternidade por causa do cão?!

Há aqui leviandade, tem que existir, passar por todo o processo para depois dar preferência a um cão sobre um filho, é impensável, sim um filho, quando se está a adotar está-se a adotar um filho, a criança será nossa filha perante a lei, mas acima de tudo deverá ser nossa filha no coração.

Estas situações levam-me a pensar que os motivos que levam as pessoas à adoção nem sempre são os mais nobres, bem sabemos que são raros os casos em que a adoção visa somente a proteção de uma criança desprotegida, há quase sempre uma motivação pessoal, como em todos os atos benignos, mas existirão motivos ainda mais obscuros.

 

Poderá ser uma moda?

Ouço muitas pessoas dizerem que adoravam adotar, mas a maioria di-lo de uma forma tão leve como se estivessem a falar de adotar um animal ou planear uma viagem.

Quando se pergunta os motivos, a maioria não sabe bem o que responder, fica em suspenso, pois não é suposto alguém perguntar, pois parece óbvio que o motivo da adoção é salvar uma criança órfã, mas será?

Ou será apenas a imitação de comportamento que acreditam ser louvável mas para o qual não tem a mínima vocação?

 

Em Portugal há poucas crianças para adoção, seria de esperar que fosse bom sinal, à primeira vista parece, mas não é assim tão linear, porque há muitas crianças institucionalizadas e em famílias de acolhimento que não são passiveis de adoção porque os pais biológicos não abdicam do direito paternal, especialmente porque esse direito confere muitas vezes compensações monetárias.

Há mais casais candidatos do que crianças, quem se candidata à adoção é confrontado com essa realidade, se não está preparado e comprometido para o fazer porque continua o processo?

Nunca ninguém esta preparado para ser pai, mas não é por isso que abandonamos os filhos às primeiras dificuldades, quando alguém se compromete a acolher uma criança na sua família, na sua casa a atitude deveria ser a mesma.

Na notícia dão o exemplo do Brasil onde eram tantas as desistências dentro do processo que caso o Tribunal quando considera que existir uma devolução imotivada avança com um processo de ação cível de indeminização.

 

É difícil contabilizar os danos psicológicos que o processo pode ter sobre a criança, mas a rejeição tem consequências, nem sempre visíveis, mas fortes e que perduram no tempo, a rejeição é dos sentimentos que mais angústia e desespero causam, se para um adulto é difícil lidar com este sentimento, para uma criança, muitas vezes já fragilizada e sem conhecer um ambiente seguro e protegido essencial ao seu crescimento, as consequências podem ser traumáticas.

Não conheço os motivos que levam alguém a desistir de um processo de adoção numa fase em que já têm em sua casa uma criança que necessita da sua proteção e amor, mas não encontro muitos que possam justificar essa desistência.

Têm uma ideia idílica de parentalidade que não corresponde à realidade? Veem as suas expetativas defraudadas?

 

Cada vez existem mais casais que na impossibilidade de uma conceção natural procuram na adoção filhos do coração, crianças a quem dedicam todo o seu amor, a quem procuram dar o melhor e por quem fazem tudo.

Se não estão dispostos a amar uma criança como vossa e a fazer por ela todos os sacrifícios que a parentalidade exige, não se inscrevam, não adotem, não alarguem as listas de espera e acima de tudo não falhem com a criança, não a desiludam, não a abandonem, a vida delas já é complicada o suficiente não precisam que mais um adulto inconsciente a complique ainda mais.

 

Adoção e devolução são duas palavras que não deveriam existir na mesma frase.

Adoção sim, mas consciente.

O dia da criança é todos os dias e não só quando dá jeito.

Muito mais do que um animal de estimação

É com as coisas mais simples que podemos aprender a superar-nos, o relacionamento com animais é sem dúvida uma delas, é incrível como conviver ou não com eles altera todo o nosso comportamento e visão do mundo.

Crescer com animais de estimação é um privilégio, interagir, brincar e aprender com eles ensina-nos tanta coisa, muda-nos para melhor e faz-nos bem.

Todas as crianças deveriam ter esse privilégio.

Este vídeo é um exemplo fantástico de como um animal pode mudar a vida de um ser humano para melhor.

 

The Present from Jacob Frey on Vimeo.

A Língua Escrutina # 3 – Máscaras de Carnaval - Que falta de imaginação

Mais uma vez as personagens da Frozen são as protagonistas do dia, já não bastava serem as protagonistas de todas as festas de aniversário de meninas dos 2 aos 10 anos, agora são também a fantasia mais popular do Carnaval.

Sou só eu que estou cansada de ver Elsas e Anas no Facebook?

As Minnies continuam populares, pelas fotos quer-me parecer que andam a reciclar fantasias, o que acho muito bem, ir agora comprar uma fantasia da Frozen quando se tem uma que só foi usada 8h da prima? Não faz sentido nenhum.

Voltando ao assunto, será que não há crianças criativas e com desejos estranhos? E os pais? Não conseguem incutir-lhes um pouco de espírito individual?

Há uns anos as nossas fantasias resumiam-se a vestirem-nos de bruxa, sopeira, rancheira, sevilhana, princesa e de mulher adulta, pouco se passava disso.

Há 30 anos atrás a escolha não era muita, já tínhamos sorte se tivéssemos algo para usar, nos dias de hoje com tanta escolha seria muito mais giro escolherem fantasias diferentes.

 

Se eu tivesse filhos as fantasias deles seriam algo dentro disto.

 

mascaras de carnaval crianças2.jpg

mascaras de carnaval crianças3.jpg

mascaras de carnaval crianças4.jpg

 

Eu sei que é uma princesa mas não é lindo o vestido?

mascaras de carnaval crianças5.jpg

 

mascaras de carnaval crianças9.jpg

mascaras de carnaval crianças10.jpg

mascaras de carnaval crianças11.jpg

mascaras de carnaval crianças13.jpg

mascaras de carnaval crianças14.jpg

mascaras de carnaval crianças15.jpg

 

Tão fofo!

mascaras de carnaval crianças18.jpg

mascaras de carnaval crianças19.jpg

 

scarecrow31 copy.jpg

thing_1_and_thing_2_twins copy.jpg

wally_site copy.jpg

 

Se fosse o pai a escolher seriam qualquer como isto:

 

mascaras de carnaval crianças17.jpg

mascaras de carnaval crianças20.jpg

potato_sack copy.jpg

 

 

mascaras de carnaval crianças8.jpg

mascaras de carnaval crianças12.jpg

mascaras de carnaval crianças16.jpg

Acho que era capaz de escolher mesmo o Wall E!

mascaras de carnaval crianças21.jpg

 

twister_tornado copy.jpg

wheelchair-ice-cream-truck-costume copy.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Follow my blog with Bloglovin