Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Coisas que acontecem a uma recém mamã

Ser mãe é um desafio em muitas vertentes, mas sem dúvida a maior é manter o juízo prefeito, é impossível, chega a um ponto que simplesmente entramos em modo automático e direcionamos toda a nossa atenção ao bebé, mas tudo o resto sofre, principalmente nós.

Nestes últimos meses aconteceram-me as coisas mais loucas e parvas, trocas, esquecimentos, falhas que nunca julguei ser possível acontecerem-me.

 

Colocar gel de banho no cabelo

Não uma, mas pelo menos duas vezes, pelo menos as duas em que me apercebi, acredito que possam ter sido mais.

 

Trocar os horários das consultas

Depois de confirmar umas 15 vezes consegui trocar o horário de duas consultas, felizmente atenderam-nos e não houve mal maior.

 

Esquecer de temperar a comida

Os meus dotes culinários foram à vida, estão completamente perdidos. Ainda na semana passada fiz um belíssimo arroz sem pitada de sal, credo arroz sem sal é coisa que não se consegue mesmo comer, felizmente a comida tinha molho.

 

Esquecer de dizer coisas importantes

Tenho pena do meu marido, é sempre o último a saber das coisas porque eu esqueço-me de lhe dizer, não se tratam de banalidades, mas coisas importantes, como esquecer de avisar que a Segurança Social enviou um e-mail.

 

Esquecer eletrodomésticos ligados ou abertos

Um perigo, como é muito perigoso e como começou a acontecer com alguma frequência, comecei a verificar duas, três vezes se desliguei efetivamente o ferro ou o grelhador e se fechei a porta do congelador.

 

Esquecer de tomar banho

Eu para além de adorar tomar banho só porque sim, o banho era muitas vezes o meu único momento de relax, mas dias existiram em que me esqueci simplesmente de tomar banho! What!? Como é possível? Simples, estava tão cansada que só queria dormir.

 

Esquecer de colocar creme

Aliás colocar creme durante algum tempo foi uma miragem, o único creme que não falhava era o da Medela, todos os outros ficaram durante dias (semanas) arrumados confortavelmente nas prateleiras do WC até a pele ficar tão ressequida que lá me sentia na obrigação de a mimar.

 

Esquecer de ligar as máquinas de lavar e secar

Uma maravilha colocar tudo pronto para lavar ou secar, inclusive definir o programa e colocar detergente, fosse roupa ou louça, e esquecer de carregar no iniciar! Fantástico quando chegava à hora de jantar e percebia que a máquina da louça estava carregada de louça suja!

 

O drama do frigorífico

Basicamente se não parasse para pensar só havia um local lá em casa para guardar coisas, o frigorífico, as vezes que abri o frigorífico sem necessidade, fosse porque não precisava de nada de lá, fosse porque achava que ia lá colocar algo que não precisava de refrigeração, fosse porque o abria e ficava a olhar para o seu interior. A conta de eletricidade sofreu com este drama.

 

Listas para que te quero

Ir três vezes ao supermercado e mesmo assim faltarem coisas em casa, não é fácil, mas aconteceu várias vezes.

 

Estacar a meio do caminho

Estar a deslocar-me dentro de casa e parar subitamente por não saber o que ia fazer passou ser desconfortavelmente comum, odeio, mas com algum esforço lá conseguia perceber o que queria fazer.

 

Não ter tempo para ir ao WC

As nossas prioridades realmente ficam completamente invertidas, e à frente de qualquer necessidade fisiológica está a bebé, comer era impossível esquecer porque estava constantemente com fome, mas esquecia-me de beber e esquecia-me (ainda esqueço) de ir ao WC, a quantidade de vezes que me apercebia que estava com a bexiga a rebentar, impensável.

 

E muito mais haveria a dizer, mas adivinhem, esqueci-me de metade, juro que quando me lembrei de escrever sobre isto me lembrava de muito mais coisas estranhas que me aconteceram (acontecem).

Já tinha saudades deste cantinho

Foram muitas as vezes que pensei voltar, foram inúmeros os textos que escrevi mentalmente, incontáveis os temas que me surgiram, incalculáveis os desabafos que desejei fazer e imensuráveis as alegrias que quis partilhar. Momentos houve em que abri a página em branco e escrevi, mas nunca concluí e então fechava a página sem guardar, uma prioridade maior, mais importante, levava-me a direcionar todas as atenções para ela.

A vida, tal como já havia previsto, muda muito depois do nascimento de um filho, não é melhor, nem pior, afinal não sentimos saudades daquilo que não conhecemos, é diferente, mais preenchida, mais rica, mais colorida e com um sentido completamente diferente.

O amor que nos enche o peito a cada dia que passa é de tal forma grandioso que coloca tudo o resto para segundo plano, a maternidade não é uma experiência de vida, é uma experiência para a vida, a experiência da nossa vida.

Agora que as coisas estão mais calmas, que começa a existir uma rotina mais definida, que a minha bebé está um pouco mais independente, já depois do tão amargurado regresso ao trabalho, é tempo de regressar ao que me faz bem, estou de regresso, ainda sem saber como encaixar o blog no meu dia, mas quero aos poucos voltar a escrever e partilhar convosco o turbilhão de emoções que sinto.

Obrigada a todos os que foram perguntando como estavam as coisas, têm um cantinho especial no meu coração.

Ps. Se faltar alguma palavra no texto, não se surpreendam, pois o meu cérebro ainda não voltou ao seu estado normal.

Quando se passa um projeto a um cliente, morre um pouco de nós.

Quando se passa um projeto para as mãos de um cliente é como se estivéssemos a dar um pouco de nós, mesmo que nos tenham pago pelo trabalho é sempre complicado abdicar do controle do mesmo, umas vezes sentimo-nos bem, entregamos com carinho, sabendo que o cliente tomará conta dele e o fará crescer, outras sentimos a boca a amargar, cerramos os dentes e tentamos esquecer que aquele cliente irá descurar o projeto ou até destrui-lo.

Quando se trabalha com criatividade é assim, quem cria e desenvolve arrisca-se a ver os seus sonhos desfeitos, é quase como educar um filho para ser boa pessoa e ele revelar-se uma má pessoa, pode parecer uma comparação exagerada, mas os projetos quando são realizados com carinho e dedicação, são parte de nós.

 

Este dilema acontece muito nas áreas de design e comunicação, não imaginam a facada que sentimos no coração quando alguém “morfa” um logótipo ou quando o aplica indevidamente, mas o design gráfico e o design em geral são completamente desvalorizados em Portugal e para uma grande parte das pessoas trata-se apenas de um desenho, não fazendo a mínima ideia do trabalho que existe na sua criação, o que não é surpreendente quando profissionais da área vendem logótipos a granel por uma bagatela com o mesmo design seja para um talho ou para um dentista.

O nosso trabalho está feito, são dadas indicações de uso, exemplos certos e errados, depois disso cabe ao cliente ser inteligente.

 

No meio de todos os trabalhos há um que me custa particularmente passar, a gestão de páginas, outra tarefa altamente desvalorizada, é só publicar, quem sabe gastar algum dinheiro em anúncios e já está, ignoram completamente que existe toda uma dinâmica própria, horários certos para publicar, palavras-chave e uma imagem a manter.

Imagens menos boas, publicações repetidas, comentar a própria publicação dão má imagem, mas erros ortográficos e de gramaticais arruínam qualquer imagem, às vezes seria melhor não publicarem nada.

Sempre que passo a gestão de uma página fico triste, especialmente quando sei que horas e horas de dedicação serão arruinadas em poucos dias, há uma página em particular que geri durante 6 meses que me dá imensa pena, está literalmente abandonada e tem um potencial incrível.

Hoje passei a gestão de uma página de Facebook e Instagram, não foram 6 meses, foi apenas 1 mês e meio de dedicação, mas eis que a primeira publicação do cliente me despedaça o coração, pelo descuido é possível perceber que será um descalabro total, mas é seguir em frente, quando os projetos não são nossos não há nada a fazer, é seguir em frente com a consciência tranquila.

 

Só existe um revés, não podemos anunciar ao mundo que a gestão da página mudou e infelizmente algumas pessoas associarão a nós os erros, creio que depressa se terão consciência que já não tem uma gestão profissional, mas até lá também a nossa imagem é prejudicada.

Ossos do ofício, não existem profissões perfeitas.

Boa notícia, terei mais tempo para outras coisas e já não estarei de estar conectada a tempo inteiro, há que pensar positivo.