Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Não politizem a tragédia, mas exijam responsabilidades

Esta mania de os portugueses fazerem de tudo uma questão política, de cor, enoja-me.

Não podemos pedir a demissão da Ministra porque somos logo apelidados de laranjinhas.

Não podemos questionar as declarações do Secretário de Estado porque somos imediatamente acusados de querer ver a Direita no poder.

Não podemos criticar a atuação de António Costa que somos prontamente acusados de querer derrubar o Governo.

 

Esta mania da perseguição é doentia, criticar um Governo não implica por si só ser de outro de partido ou que se quer ver outro partido na liderança.

Criticar a atuação de um Governo ou de algum dos seus membros é ser exigente, é pedir responsabilidades, é defender o que entendemos ser melhor para o país independentemente da nossa ideologia política.

 

Ao criticarmos António Costa não estamos automaticamente a defender Passos Coelho, será que é assim tão difícil perceber isso?

Será que os portugueses são incapazes de se isentarem da sua cor? Serão assim tão fanáticos? Tão cegos? Tão incapacitados?

Será que os portugueses não percebem que há questões que ultrapassam qualquer cor política?

Será que os portugueses são tão cegos pela doutrina que não entendem que independentemente da cor, o desgoverno, a irresponsabilidade, a negligência perpetua-se no poder?

 

Achar que a culpa dos incêndios é exclusiva deste Governo é tão ingénuo como achar que a culpa foi apenas das condições climatéricas adversas.

 

Há muitos anos que a floresta não é cuidada, protegida, diversificada, o problema não é de hoje e se nada mudarmos os cenários de horror voltarão a repetir-se no futuro como António Costa vaticinou.

António Costa que quer que aceitemos estas mortes como sendo normais, consequências naturais do clima, deve achar que somos todos uns incultos e mal informados que acreditamos cegamente no que diz, pois não acreditamos, pois houve negligência, não aprenderam a lição de Pedrógão, quantas tragédias terão de acontecer para que perca essa expressão trágico-cómica de quem não tem nada a ver com o assunto?

 

Retrate-se, humilhe-se perante os factos, não teve coragem de demitir Constança Urbano, já que ela não o fará por si, faça-o agora, antes que tenha de se demitir por inação.

 

A Geringonça veio-lhe mesmo a calhar, já que o BE e PCP andam mansos, alimentados a doces não protestam, não exigem. Uma pena que não se revoltem, pois se dessem o mote tenho a certeza que existiriam muitos portugueses que independentemente da cor política aceitariam o repto de sair à rua em protesto, tal como aconteceu na Galiza.

 

Cabe a nós cidadão exercer cidadania e não calarmos a revolta e exigirmos responsabilidades, cabe-nos a nós deixar os protestos das redes sociais e avançarmos para algo mais concreto, seja uma petição, uma manifestação, com certeza que haverá algo que se possa fazer para não deixarmos estas tragédias caírem no esquecimento.

 

Não podemos deixar a culpa morrer solteira, não podemos, basta, é preciso tomarmos uma atitude, uma posição, é preciso dizer de forma audível e bem clara que queremos os nomes os dos culpados e queremo-los julgados.

 

Portugal vestido de cinzento

O ar tornou-se irrespirável, no horizonte e norte a sul e de este a oeste o céu é cinzento e denso, mas não é prenúncio de chuva, é consequência da nuvem gigante de fumo que nos assombra.

Portugal ardeu e continua a arder como uma folha de papel que jogamos na lareira e vemos encolher e sucumbir às chamas, impotentes e devastadas as populações lutam com o que têm e não têm até ao último momento, algumas lutam até à morte, pois torna-se demasiado tarde para fugir.

E no meio da desgraça, do medo, do terror, temos de ouvir dos responsáveis palavras como estas:

 

“Têm de ser as próprias comunidades a ser proactivas e não ficarmos todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver os problemas. Temos de nos auto proteger, isso é fundamental”, disse Jorge Gomes, secretário de Estado da Administração Interna à SIC-Notícias.

 

O que as comunidades não podem com certeza esperar é algo dos governantes.

Guardem as palmadinhas nas costas, os discursos comoventes encenados, a lengalenga dos relatórios, das responsabilidades e dos inquéritos.

O que acontece em Portugal é negligência criminosa, é uma total desresponsabilização dos organismos que deveriam assegurar o bem-estar da floresta portuguesa, um património de todos nós e de valor inestimável.

Se um cidadão atento e informado sabe que a nossa floresta é um rastilho as autoridades e governantes há muito mais tempo que o sabem.

Por acaso a subida da temperatura média é alguma novidade?

Por acaso a má gestão da floresta é um tema recente?

Por acaso o negócio do combate aos incêndios surgiu agora?

Por acaso as medidas de coação e penas para incendiários só agora se mostraram insuficientes?

Mas alguém ousa culpar o clima por este desvario? Como?

Com que coragem? Com que desplante dizem que a culpa é das temperaturas?

Com que descaramento diz António Costa que isto voltará a acontecer?

Por acaso só sabe agora da situação crítica do país?

Acordou agora da sua ilusão da prosperidade e crescimento?

Farão os incêndios parte da estratégia para baixar o défice?

E que faremos nós perante tamanha tragédia ecológica e humana?

Vamos fazer concertos solidários? Doar dinheiro que ninguém sabe como é gerido?

Vamos consolar as famílias que ficaram sem nada?

 

O que deveríamos fazer é exigir responsabilidades, dos de hoje e dos de ontem, dos que durante anos e anos sucessivamente contribuíram para o estado de calamidade em que este país se encontra.

Deixemo-nos de compaixão, o que é importante agora é lutar pela justiça, parafraseando Jorge Gomes:

 

Têm de ser as próprias comunidades a ser proactivas e não ficarmos todos à espera que apareçam os polícias e os juízes para nos resolver os problemas. Temos de nos auto proteger isso é fundamental.

 

Dado o estado da democracia em Portugal talvez seja realmente melhor devolver o poder ao povo para resolver os assuntos pelas próprias mãos.

Este país necessita de uma purga, é urgente que se este desgoverno termine, basta de compadrios, corrupção, ilusões e assaltos aos nossos bolsos.

Ah esperem estamos a falar de Portugal o país que elege corruptos condenados como presidentes de câmara e recebe em coro um ex-primeiro-ministro acusado de mais de 30 crimes.

Triste por ver este meu país a arder, mas ainda mais triste por saber que toda esta dor é em vão, pois este sofrimento, esta impotência, este sentido de injustiça perdurará, pois se até o primeiro-ministro admite que voltará a acontecer, é porque não tem intenções de resolver o problema.

 

Há uma expressão que diz devia-lhe nascer um pessegueiro…, a todos os que compactuaram para este cenário dantesco devias-lhe nascer um eucalipto a arder...

Incêndios queimam cenários únicos da Natureza

Calor e incêndios são duas palavras que parecem andar de mãos-dadas em Portugal, com a agravante da seca prolongada que se abate sob o país este fim-de-semana foi negro para a floresta portuguesa.

Ontem, no meio das montanhas avistava-se fumo de todos os lados, não tardou a sentir-se o seu cheiro e a que as cinzas e faúlas pintassem o chão, estávamos numa localização privilegiada pelos ventos e passamos incólumes ao fumo, o ar era respirável, mas a paisagem desoladora.

 

A viagem para casa fez-se de lume e fumo, passamos ao lado de um incêndio e o fumo foi quase constante ao longo do percurso, dando tréguas apenas nas zonas mais elevadas, fiquei com dores nas narinas, o fumo parecia ácido, queimava, o ar era pesado, insuficiente e custoso de respirar.

Já perto do Porto o cenário não era melhor, fumo por todo lado, um pôr-do-sol incandescente no meio da paisagem cinzenta.

 

Temos uma paisagem tão bela, tão única, montanhas até perder a vista, granito salpicado de verde, castanho e laranja onde rochas e floresta convivem com tecnologia, como se as pás eólicas fossem vira-ventos de crianças gigantes.

Entristecedor ver a paisagem que num dia nos faz perder a respiração pela sua beleza única e avassaladora no dia seguinte obrigar-nos a suster a respiração para não queimarmos os pulmões.

Desolador ver cenários únicos, edificados minuciosamente e laboriosamente pela Natureza desaparecem assim, consumidos pelas chamas em segundos.