Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Um longo caminho para a igualdade – Machismo na Justiça

ng8872639.jpg

 

Faz-se um pé-de-vento por causa de livros cor-de-rosa e livros azuis e depois temos um Juiz que escreve um acórdão que arrasa, humilha e culpabiliza uma mulher por adultério, desculpando a violência que sofreu com o seu comportamento.

 

Segundo o JN “O caso nasceu em novembro de 2014, quando um homem solteiro de Marco de Canaveses e uma mulher casada de Felgueiras se envolveram numa relação extraconjugal. Ao fim de dois meses, a mulher quis acabar tudo, mas o amante passou a persegui-la, no seu local de trabalho e com SMS. O amante acabou por revelar a traição ao marido e o casal separou-se, mas o cônjuge passou a enviar-lhe SMS com insultos e ameaças de morte.

Entretanto, também o amante continuou a assediar a vítima, ao ponto de, em junho de 2015, a ter sequestrado e transportado para perto do emprego do marido, ao qual telefonou, naquele momento, convidando-o para um encontro. Aparentemente sem premeditação, o marido acabaria por agredir a mulher, usando uma moca com pregos.”

 

No acórdão o Juiz tenta justificar a violência do marido com o suposto comportamento improprio da esposa e as obscenidades que escreve são surreais:

 

"O adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem. Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte. Na Bíblia, podemos ler que a mulher adúltera deve ser punida com a morte".

São várias as frases escritas no acórdão para justificar as penas suspensas dos dois agressores.

E as pérolas continuam com o Juiz a invocar uma lei de 1886 em que no caso da morte da esposa resultar do adultério a pena do marido traído seria apenas simbólica.

O mesmo segue justificando que “o adultério da mulher é uma conduta que a sociedade sempre condenou e condena fortemente (e são as mulheres honestas as primeiras a estigmatizar as adúlteras) e por isso se vê com alguma compreensão a violência exercida pelo homem traído, vexado e humilhado pela mulher.”

 

Note-se como refere que as mulheres são as primeiras a estigmatizar as adúlteras, este Juiz para além de culpabilizar a vítima, algo que é constante, ainda perpetua o preconceito entre as mulheres.

Como poderemos nós, mulheres, sermos vista como iguais com os mesmos direitos e deveres na sociedade, quando na Justiça um Juiz aniquila assim a dignidade e os direitos de uma mulher?

 

Em primeiro lugar não há nada, nada que justifique a violência, se concordaram com o divórcio, seguiam cada um o seu caminho e fim de história, segundo se a agressão não foi premeditada onde arranjou o marido uma moca com pregos? E como pode um Juiz menosprezar desta forma uma agressão com uma arma tão grotesca? Não se trata de um empurrão, de um estalo, mas sim de uma agressão medieval com uma arma.

E o amante que apresenta caraterísticas de um predador e sociopata sai assim quase ileso de um sequestro?

Se o adultério é um gravíssimo atentado à honra e dignidade, uma agressão física é o quê? Uma demonstração de carinho e respeito?

 

E como é possível um Juiz fazer menção a práticas que atentam sobre os Direitos Humanos e sobre a nossa Constituição.

Qual a legitimidade deste Juiz para julgar moralmente uma vítima e proteger os criminosos?

 

Fala-se muito do estado da Justiça portuguesa, mas mais do que atrasos, impasses e passividade, assustam-me estes Juízes retrógradas, que não respeitam a Constituição, as pessoas, que julgam pela sua bitola e não pela lei.

Gostaria que este fosse um caso isolado, mas não é, há várias sentenças que culpabilizam as mulheres, que as inferiorizam e que acima de tudo não as protegem.

A sensação que fico, que ficamos, é que não estamos em segurança, pois caso sejamos agredidas haverá sempre a tentativa de justificarem a agressão, seja por adultério, seja pelo uso de uma saia curta, seja por estarmos no local errado à hora errada.

 

As palavras do Juiz são intoleráveis, machistas, preconceituosas, não se coadunam com os valores defendidos pela Constituição e pela lei e não podem ser admitidas pelas mulheres e homens deste país que defendem a igualdade de direitos e deveres.

Como se não fosse suficiente estigmatizar a vítima, culpa-la e humilha-la ainda chama à discussão as outras mulheres, que segundo ele são as primeiras a ostracizar as suas atitudes.

 

Vergonha, sinto vergonha de ter um representante da Justiça com este pensamento e sinto ainda mais vergonha de perceber que este Juiz é a voz de muitos portugueses e portuguesas que em vez de se apiedarem com a vítima e condenarem os agressores, culpam a vítima e perpetuam este preconceito hediondo.

Ofendidinhos e feministas radicais

Não sei o que é pior os ofendidos de serviço que se sentem convocados a intervir sempre que acham que a moral, os bons costumes e o decoro estão em falta ou se as feministas que veem em tudo machismo e sexismo.

Primeiro foi a mama no jogo do Benfica, um escândalo filmarem uma mulher bonita no meio de um estádio, o problema? Foi o cameraman achar que não devia mostrar-lhe a cara, se tivesse filmado o rosto como é habitual não haveria este escândalo.

Porque se é para existir escândalo há que os fazer em todos os jogos, pois não há um em que os operadores de câmara não foquem mulheres bonitas, eu acho este comportamento altamente sexista, mas não é por mostrarem mulheres, é mesmo porque não nos mostram também homens bonitos.

E isto não se passa só em Portugal é um flagelo global, em todos os desportos, todos sem exceção os operadores de câmara com os seus olhos treinados e experientes descobrem as mais perfeitas beldades seja na Volta à Portugal, seja no Open Estoril.

O mesmo se passa na atribuição de prémios, acho que deviam contratar modelos masculinos para se passearem pelos pódios, já estamos fartas de ver sempre esbeltas mulheres de trajes reduzidos a levar banhos de champanhe.

 

 

Em Espanha as nadadoras-salvadoras foram aconselhadas a vestir calções ou calças por cima dos biquínis, tudo porque os broncos do costume se lembraram de fazer piadas sexistas nas redes sociais com fotos dos seus rabos.

Ora aqui há um problema e é grave, porque em vez de penalizarem os agressores estão a culpar as vítimas, a típica conversa do “ela estava a pedi-las”.

 

Mas agora voltamos à pré-história?

As nadadoras-salvadoras até podiam estar nuas, não é por isso que alguém tem o direito de as fotografar e publicar as suas fotos com comentários sexistas. Ou agora não temos direito à privacidade?

Estamos a brincar? Só pode ser brincadeira ou então é pura estupidez, penalizar as vítimas de assédio em vez dos idiotas que as assediaram, a direção do Salvamento Marítimo de Gijon deveria sim proteger as suas colaboradoras condenando a exposição pública e responsabilizando quem tirou as fotos.

Será que agora não podemos vestir o que bem entendemos sob pena de qualquer um nos tirar fotos e as colocar online? Teremos agora de equacionar isso antes de colocarmos os pés na rua ou numa praia?

Estamos em locais públicos, mas a nossa imagem não é pública e não deve, não pode ser usada por estranhos para fazer piadolas nas redes sociais.

 

O que falta?

Legislação, legislação sobre o que se coloca e se escreve nas redes sociais, uma vez que as pessoas não conseguem ter o discernimento de as usar com civismo e educação.

Têm dúvidas sobre o que colocar?

Pensem se diriam o mesmo se estivessem cara à cara com a pessoa.

Pensem que se fosse alguém da vossa esfera pessoal, mãe, filha, irmã, pai, filho, irmão iriam gostar de ver a mesma publicação.

Caso uma das respostas seja negativa não publiquem, tirem mais uma selfie parva e fiquem-se por aí.

As mulheres mandam em Game of Thrones e Fear the Walking Dead

Ontem, não foi fácil decidir que séries assistir, Game of Thrones era obrigatório, não queria ler spoilers hoje, mas entre Fear the Walking Dead e o último episódio de Better Call Saul a luta estava renhida.

Acabou por ganhar o Fear the Walking Dead e ainda bem, porque foi um excelente episódio, a série esta tão boa que não tarda ultrapassa a original que ao contrário desta tem estado demasiado morna, enquanto a família Clark tem mantido um ritmo frenético e Madison Clark tem-se revelado uma protagonista implacável, a versão feminina de Rick, como lhe chamo, é a minha personagem favorita, prática, determinada em salvar a família, o seu sangue frio gela-nos, é uma espécie de Claire mas sem dissimulação, é forte e não tem medo de o assumir.

É revigorante ver como protagonista de uma série de guerra uma mulher, especialmente porque é uma mulher comum, não uma mulher com super poderes.

 

Em Game of Thrones também as mulheres ganham destaque, a começar pela personagem que mais odeio Cersei Lannister e a que mais admiro Daenerys Targaryen, é curioso atribuírem aos homens o papel de piores vilões na série, adivinha-se que Euron Greyjoy seja a personagem mais odiada desta temporada, mas para mim a maior vilã da história é Cersei Lannister, seguida de perto por Ellaria Sand, ambas calculistas, implacáveis, frias e vingativas e muito mais inteligentes que Joffrey Baratheon e Ramsay Bolton que não passam de dois adolescentes egocêntricos com distúrbios comportamentais, o único personagem masculino que rivaliza com Cersei Lannister é Petyr Baelish mas conhecido por Littlefinger.

Também Arya Stark se adivinha uma assassina implacável que não tardará a eliminar todos os nomes da sua lista, o que nos leva ao início do episódio de ontem, onde Arya extermina de uma só vez toda a descendência Frey, ironicamente num banquete.

 

A série de ontem serviu para nos situar, perceber as alianças formadas e as intenções das mais diversas personagens, com tantas histórias a decorrer em simultâneo é difícil mostrar onde estão todas as personagens num só episódio, faltou saber onde se encontra Melisandre, uma das curiosidades que tinha que ficou por desvendar.

Mas não há dúvidas que serão as mulheres a ter o protagonismo da temporada, até Jonh Snow divide o protagonismo com a irmã, que finalmente deixou de ser uma enjoada.

O que mais anseio para esta temporada? Que Jonh Snow se encontre com Daenerys Targaryen, adivinho grandes coisas para os dois.

A grande questão da série - O que acontecerá a Cersei Lannister?

Será morta por Arya Stark? Seria poético que fosse morta pelo irmão. Mas será a morte o melhor destino para ela? Talvez não.

Esperemos pelos próximos capítulos.

 

Importa referir que enquanto no cinema encontramos pouquíssimos filmes onde as mulheres são as protagonistas, nas séries a tendência parece inversa, para além de Fear the Walking Dead e Game of Thrones temos o exemplo de The 100, How to Get Away with Murder, Homeland, Orphan Black, Orange Is The New Black, The Crown, o que têm todas estas séries em comum? Para além de terem mulheres como protagonistas, são séries de elevada qualidade.