Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

A nobre arte de não fazer nada e parecer muito ocupado

Há uma espécie de trabalhadores que é exímia em não fazer nada e ao mesmo tempo parecer essencial e vital para o funcionamento das empresas, digo-vos é uma arte, uma arte que não está ao alcance de todos, pois é muito difícil de executar e especialmente de sustentar ao longo do tempo.

Parecer ocupado sem realmente o estar é relativamente fácil, difícil é mesmo ocupar-se de modo a parecer que se está a trabalhar, não é fácil estar dias seguidos num escritório sem apresentar um único trabalho, é preciso ocupar o tempo de alguma forma e ter sempre um backup para apresentar trabalho caso alguém questione.

 

Em conversas com colegas a questão é sempre a mesma: Como é que ninguém das chefias percebe este comportamento? É realmente estranho que ninguém perceba que na empresa existem pessoas que praticamente não fazem nada durante o mês e que em alguns dias não fazem literalmente e rigorosamente nada.

Tanto perguntaram que comecei a analisar o comportamento dessas pessoas e existe realmente um padrão, e surpresa das surpresas não é nada de surpreendente, vejamos então em que assenta a sua estratégia.

 

- Cara compenetrada e séria em frente ao PC, uma expressão a roçar a má disposição, de quem está atolado até aos olhos em trabalho;

- Responder aos colegas que se está com muito trabalho e por isso não executar de imediato o lhes é pedido;

- Responder às chefias que irá parar de imediato o que está a fazer para executar prontamente o que lhe pedem;

- Em conversas dar a entender o quão importante é a sua função na empresa, de preferência referir que não há mais ninguém capaz de realizar o seu trabalho;

- Travar amizades no trabalho, especialmente com os chefes e levar essas amizades para a esfera pessoal;

- Resolver problemas pessoais dos colegas e especialmente dos chefes, uma pessoa prestável e disponível é sempre bem vista;

- Escolher conscientemente as amizades no local do trabalho, importa agradar aos chefes, mas também aos colegas que lhes guardam as costas e que imagine-se até os ajudam no trabalho quando reclamam que estão sobrecarregados;

- Estar atento a todas as conversas e ter sempre uma sugestão para o trabalho dos outros, mostrar-se muito interessado e entendido, mesmo que não perceba nada do assunto;

- Sair mais tarde que os colegas, mesmo que se tenha atrasado de manhã, fica sempre bem ser visto a sair depois da hora.

O maior problema é conseguir manter esta ilusão por muito tempo, porque há imensa probabilidade de acontecerem duas coisas:

- O encostado encosta-se tanto e fica numa posição tão confortável que começa a dar nas vistas e quando lhe é pedido um trabalho não tem capacidade de resposta.

- Os colegas que mais tarde ou mais cedo percebem a situação e começam a comentar uns com os outros, pode acontecer uma de suas situações ou fazem queixa às chefias ou desmotivam e passam eles também a trabalhar menos.

 

A empresa fica sempre a perder, para quem percebe a situação a revolta e a desmotivação podem ser de tal forma incomodativas que podem alterar o seu humor e o seu trabalho, inevitavelmente irar-se-á criar mau ambiente, fazer queixa e comparações com os colegas não se revela boa opção, até porque teremos de lutar contra a imagem perfeita que o colega levou anos a contruir sustentada muitas vezes por uma amizade com o chefe, as opções que nos restam são conviver com a situação ou mudar de emprego.

 

Antes de mandarmos tudo às urtigas e colocarmos em risco a nossa carreira por causa de um colega incompetente, o melhor é fazermos exatamente o oposto, trabalhar com afinco, demonstrar dedicação, apresentar trabalho e falar desse trabalho.

Quando se cria o hábito de dizer e expor o que se tem feito, tudo fundamentado com provas da sua execução, chegará uma altura em que será percetível que esse colega não tem realmente nada a apresentar e que a sua função não é na verdade tão essencial e importante como ele fez parecer.

Muitas vezes os chefes e diretores têm as listas de tarefas dos colaboradores, mas não sabem exatamente o que eles fazem e como as desempenham, para eles o importante é o trabalho estar feito, uma pena que a estratégia de recursos humanos seja inexistente e que não existam avaliações completas dos funcionários, planos de carreira e possibilidades de progressão.

Enquanto a cultura organizacional não mudar, existirão sempre estes parasitas que deambulam nas empresas como se elas realmente precisassem deles. A culpa é da gestão que cria condições para que estes parasitas se alimentem da empresa sem contribuírem para o seu funcionamento e desenvolvimento.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.