Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

As Capazes e as utopias

As Capazes estão constantemente envoltas em polémica, não é por uma ou por duas vezes que estalam nas redes sociais opiniões pouco abonatórias sobre os artigos e declarações do site Capazes e das suas representantes.

O princípio da associação é louvável, a forma como se propõem a atingir a sua missão e objetivos é que é bastante questionável.

 

“É tempo de retirar aos opressores o poder de oprimir. E, na democracia, o poder se exerce pelo voto. A suspensão temporária do poder do voto dos homens brancos é a única chance de produzir uma real alteração no mundo no espaço de apenas uma geração. Todos os dados demonstram que apenas 20 anos seria o suficiente, e os benefícios seriam universais, e não apenas para mulheres.”

 

Portanto a solução para a igualdade entre homens e mulheres seria a suspensão temporária do direito de voto dos homens brancos, brancos porque supostamente é neles que se concentra do poder das decisões.

A solução apresentada para a igualdade de direitos é criar uma desigualdade?

E a solução para acabar como o racismo? Será suspender os votos dos racistas ou de uma raça em particular?

E a solução para acabar com a homofobia? Será suspender os votos de todos os heterossexuais?

 

As mulheres têm de entender que o problema das desigualdades entre homens e mulheres começa nas próprias mulheres, somos nós que nos atacamos constantemente umas às outras para gáudio dos homens.

Tantos anos de evolução e a competição pelo macho alfa continua a ser pré-histórica.

Exemplos não faltam:

 

A mulher encontra o marido com a amante, quem é que ataca? A amante.

 

Uma mulher quase inconsciente devido ao álcool é atacada por um bando de homens numa festa académica, qual a resposta típica da sociedade? Ela se estivesse em casa ninguém a atacava.

 

Uma mulher dorme com vários homens sem complexos, o que dizem dela? Que é uma vadia irresponsável. O que dizem de um homem que dorme com muitas mulheres? É o rei lá do sítio.

 

Ouço comentários destes todos os dias, em todos os contextos, de mulheres, quando as mulheres colocam nas mulheres a culpa, quando as mulheres se destratam e culpabilizam umas às outras isto nunca mudará.

Durante anos e anos a educação dos filhos coube quase exclusivamente às mulheres, o que é que elas lhes ensinaram? A serem machistas.

 

Neste momento a desigualdade que existe é devido à cultura, porque perante a lei, somos iguais em quase todos os aspetos, e é nesses aspetos que ainda não são iguais que se devia trabalhar. Por exemplo por que motivo o homem tem 180 dias para recasar e a mulher só o pode fazer ao fim de 300 dias?

 

Para erradicar o machismo e outras formas de preconceito e discriminação é preciso apostar na educação, pessoalmente estou constantemente a dar palestras a amigos e a conhecidos sobre a perversidade e a falta de formação que alguns comentários revelam.

Já me vi rodeada de mulheres que difamavam outras pelas suas opções de relacionamentos, como se o que elas fizessem com o seu corpo interferisse com o delas, tive um ataque de raiva, como era possível mulheres feitas, inteligentes, uma delas feminista na adolescência, estarem agora, depois de casadas com um relacionamento estável, a fazer juízos de valor de mulheres que nem sequer conhecem só porque decidiram dormir com mais homens do que aqueles que elas julgam ser aconselhável.

 

Nos dias de hoje pais de adolescentes dizem que é diferente ter uma filha ou um filho que as liberdades devem ser diferentes?

Qual liberdade? Não se coloca em questão nenhuma liberdade, o que se coloca em causa é a educação, crianças e adolescentes devem ser consciencializados das repercussões das suas ações, sejam elas ficar alcoolizados ou ter relações sexuais.

A diferença entre homens e mulheres está na cabeça das pessoas, infelizmente começa na cabeça das mulheres que deveriam ser as primeiras a hastear a bandeira da igualdade.

 

Somos diferentes, mas os nossos direitos, oportunidades são iguais.

Não vamos agora usar a prepotência, a arrogância, a superioridade e a desigualdade como usaram os homens na conceção utópica que isso resolveria o problema da desigualdade entre homens e mulheres.

 

Somos diferentes e é a lutar com as nossas armas diferentes que vamos fazer a diferença para criar igualdade.

8 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 26.05.2017 09:08

    Ainda não entenderam que assim ninguém as leva a sério...
    Uma pena, poderiam fazer tanto.

    Beijinhos :*
  • Imagem de perfil

    Heidiland 26.05.2017 09:38

    O principio era bom, mas penso que se perderam um pouco com as ideias. Quando tentamos extremar acontecem destas coisas. Não consegues igualdade de direitos, se tentas abafar um direito do outro, só porque o teu em tempos foi suprimido.

    Está na altura de evoluirmos enquanto pessoas. Não vale a pena chorarmos pelo passado.
  • Imagem de perfil

    Psicogata 26.05.2017 10:06

    Têm uma posição demasiado radical, nem as mulheres cativam com esta postura.
    Eu sou pela igualdade, não pela superioridade.

    (Superioridade só nas brincadeiras quando estamos a pegar com os homens)
  • Imagem de perfil

    Heidiland 26.05.2017 10:14

    Eu sou contra todas e quaisquer posições radicais e ponto final. O extremismo nunca nos levou a lado nenhum. Se virmos na história só nos atrasou a sociedade.

    Os homens e mulheres são iguais, mas temos que reconhecer que nalgumas coisas um tem uma aptidão mais natural e o outro não tanto, mas nunca podemos esquecer das excepções. Na minha perceptiva não há trabalhos de homens e outros de mulheres. Como não há mal uma mulher decidir ficar em casa e tomar conta dos filhos ou como o inverso.
  • Imagem de perfil

    Psicogata 26.05.2017 10:18

    Acho que nos esquecemos demasiado rápido da história, é um problema das pessoas...

    Eu também nos vejo como iguais, com as diferenças que dão piada, se fossemos mesmo, mesmo iguais isto não teria piada nenhuma, mas os direitos têm de ser os mesmos para todos, só assim a sociedade evolui.
  • Imagem de perfil

    Heidiland 26.05.2017 10:21

    O problema não está em esquecer a história, mas antes não prestar a devia atenção (ou valor) a ela. As pessoas têm memória curta e como no passado as mulheres viram os seus direitos revogados agora parece que querem fazer o mesmo aos homens, esquecendo-se que muitos homens procurar e luta para que as mulheres tenham os mesmos direitos que eles. Enfim e a isto se chama de extremismo e palas nos olhos.
  • Imagem de perfil

    Psicogata 26.05.2017 10:22

    Eu ia mais pela pala nos olhos, aliás custa-me a acreditar que pessoas inteligentes considerem esta hipótese, mas quando as pessoas estão cegas perdem o discernimento.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.