Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Ausência

Tenho fugido do blog como quem foge de uma doença, tenho tanto sobre o que escrever e tão pouco tempo.

Não é desculpa, é realidade, por vezes a vida coloca-se assim contraditoriamente cheia de oportunidades e sem disponibilidade, carregada de novidades boas e de más notícias, têm sido assim os últimos dias, um misto de emoções, um autêntico Carnaval, mas sem máscaras.

Como é habitual um azar nunca vem só e lá em casa andam sempre aos pares ou em trio, quando não são quartetos e quintetos de problemas, com o marido doente a bebé acha que é uma excelente altura para dormir mal, e eu achei por bem realizar umas limpezas a fundo, e é quando estamos cansados, exaustos que surgem as melhores oportunidades de trabalho.

No meio de uma mudança de imagem corporativa, a planear o aniversário da nossa filhota, com reuniões de amigos e um sem fim de projetos, não há tempo para tudo e dou-me satisfeita se tiver tempo para dormir.

Escrevo num intervalo para organizar ideias e definir prioridades, é preciso pausar a mente por instantes para ela ser mais produtiva depois, debato-me entre debruçar-me sobre os grandes projetos ou despachar os pequenos pendentes e ups! - Tenho de pagar o imposto de circulação! Tem sido assim se não fizer uma tarefa nos 30 segundos depois de me recordar dela é bem provável que fique por fazer.

Penso muitas vezes se não é possível viver mais devagar, desacelerar, não é, pelo menos não é possível sem mudarmos radicalmente a nossa vida, incluindo empregos, a vontade de ir viver para um local remoto e viver de um turismo rural e agricultura é cada vez maior, talvez um dia seja possível concretizar esse sonho de uma vida calma e relaxante com tempo para tudo, com horas mortas, em que o prazer de não fazer nada seja o prazer maior de viver.

Por enquanto vou usufruindo dos pequenos momentos de tranquilidade ao fim da tarde no jardim, recarregar baterias na relva e absorver vitamina D para ter energia para fazer face a esta vida agitada e stressada, não é só a minha, é a de todos, parece até que já não sabemos viver de outra forma.

Devagar tempo, passa um pouco mais devagar para me permitir desfrutar da vida com mais calma.

 

 

 

18 comentários

Comentar post