Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Estado condenado a pagar indemnização a família de vítima da praxe na praia do Meco

O estado português foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem a pagar uma indemnização de 13 mil euros à família de Tiago Campos, uma das vítimas da praxe na praia do Meco onde perderam a vida seis estudantes da Universidade Lusófona.

Estou completamente do lado dos pais, representados nesta queixa por José Soares Campos, que finalmente conseguiram que alguma identidade independente lhes desse razão num caso gritante de negligencia das autoridades portuguesas, é mesmo isso que diz a sentença, não foram tomadas as devidas diligências para salvaguardar uma investigação isenta e eficaz.

Vi no ano passado uma entrevista dos pais no programa da tarde da Júlia Pinheiro e fiquei estupefacta com os relatos do desleixo com que o caso foi tratado, é inacreditável como é possível que tendo morrido seis pessoas, as autoridades não tenham agido no imediato, é precisamente sobre isso que o TEDH se pronunciou.

A sensação com que ficamos é que alguém ou alguma identidade teve intervenção e que adiou ao máximo todo o processo de investigação, não creio que este aparente desleixo de contornos dúbios seja totalmente da responsabilidade os intervenientes diretos, com tantas autoridades envolvidas, com uma ampla cobertura mediática parece surreal que não se tenha vedado o acesso à casa, interrogado potenciais testemunhas e reconstituído o dia da tragédia imediatamente.

Agora o Estado é condenado, mas isso não muda o desfecho, o processo foi encerrado, ninguém sabe verdadeiramente o que se terá passado e provavelmente nunca se saberá.

Os comentários à notícia mais uma vez demonstram duas coisas, falta de compreensão das notícias e falta de empatia para com os familiares das vítimas, não se trata se foram de livre e espontânea vontade, trata-se de uma investigação que não cumpriu com a legislação europeia e isto é grave, gravíssimo, com esta conclusão quem poderá a partir de agora ter garantia que uma morte ou um crime será devidamente investigado?

Já sabemos que a justiça em Portugal não é a mais célere, já sabemos que o código penal está em muitas matérias obsoleto, já sabemos que nem sempre as sentenças são as mais justas, já sabemos que nem sempre as sentenças são isentas da opinião dos juízes, agora ficamos a saber, se é que ainda não sabíamos, que a justiça pode nem sequer existir se a investigação não se fizer de acordo com a lei.

Com uma notícia tão grave e tão bem explanada pelos órgãos de comunicação social é incrível que as pessoas não percebam a realidade e a gravidade dos factos e que se retenham no ódio às praxes, à juventude e deste pagamento sair dos seus impostos, em vez de reclamarem que o dinheiro dos seus impostos deva ser empregue em investigações eficazes.

Esta sociedade definitivamente tem as prioridades invertidas.

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.