Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Exijo um subsídio de alojamento

Queria muito comprar uma casa de férias, mas que fique a mais de 150km da minha, uma casa para onde possa ir espairecer aos fins-de-semana.

Acham que se eu me mudar temporariamente para o Algarve, comprar lá uma casa e depois regressar ao Porto e pedir um subsídio de alojamento alguém me concede?

Eu até posso comprar a casa do Algarve como residência permanente para ter melhores condições de crédito e nem me importo de ficar lá a viver por uns meses, a temporada de Junho a Outubro parece boa para passar lá.

Já agora acham que ainda irei a tempo de ser política? É que precisava mesmo de um emprego com regalias extra, onde fizesse pouco e ganhasse muito, onde angariasse muitos contactos que depois me permitissem ter a minha própria empresa.

Se pelo meio conseguisse fazer alguma coisa por este país melhor, mas se não fizesse também não creio que tivesse problemas, apenas de consciência, porque não vejo os outros a fazerem muito por este jardim à beira mar plantado.

Só tenho um problema, não gosto de nenhum partido em particular e não simpatizo com nenhum político no geral, seria isto um problema?

Se eu criasse um partido? É capaz de dar muito trabalho, ou não, pelos vistos basta dar ideias, nem é preciso apresentar soluções e metas, nem avaliar problemas, basta lançar ideias e lançar a discussão.

Se o BE não acha que sair da União Europeia pode ser o melhor caminho para Portugal mesmo sem apresentar alternativa, eu posso achar que o melhor para Portugal é mudarmos o sistema político, mesmo que não tenha ainda pensado numa alternativa viável, acho que o melhor é acabarmos com as sanguessugas que nos exploram todos os dias para pagarem casas de férias e outros luxos enquanto nós nos esforçamos para levar uma vida condigna.

Não sei qual seria a estrutura mas as condições para pertencer aos governantes da nova geração seriam claras, um teste psicotécnico, uma avaliação de carácter e um sistema de pontos, começariam com 12 pontos, cada vez que tomassem uma má decisão perderiam pontos, qualquer lesão à nação ficariam logo sem pontos, quando perdessem os pontos não poderiam voltar a governar.

Isto tudo porque fiquei mal disposta com esta notícia, que WTF de país!

 

O senhor entretanto achou por bem abdicar do subsídio não porque não merecesse mas para preservar a sua imagem!

Eu acho que foi mais para não ser despedido ou obrigado a apresentar demissão, aí a perda era maior.

Quer limpar a imagem, devolva todo o dinheiro que recebeu, seja homenzinho.

10 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 29.06.2016 11:06

    Eu quero acreditar que quando Mário Soares assinou a adesão à União Europeia sabia e compreendia as consequências a longo prazo, esqueceu-se foi de as comunicar ao portugueses, aliás falharam todos depois dele até ao resgate, só aí é que no geral se percebeu que Portugal pouca ou nenhuma autonomia tem.
    Eu cresci com a realidade da União Europeia mas só entendi o que era realmente a UE quando estudei Direito Comunitário e eu e todos os meus colegas ficamos boquiabertos quando percebemos qual era o verdadeiro propósito da mesma e a perda de soberania que isso implicava.
    Eu concordo que há um caminho para Portugal fora da UE, só não acredito que os políticos portugueses saibam traçar esse caminho, assim do mal, o menos e que tenhamos pelo menos um travão da UE em algumas políticas.
    Quanto aos partidos, o problema não é a base é mesmo as pessoas que fazem parte deles.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Freima 29.06.2016 11:25

    Eu detesto a UE, apesar de também ter crescido com ela, penso que tem tudo para se transformar numa distopia.
    Concordo sobre a dificuldade dos políticos em traçar um rumo, falta-lhes visão estratégica e muitos não percebem nada de relações internacionais. Por mim, o eixo europeu ficava assegurado com a EFTA e depois era investir no eixo atlântico, na CPLP, na relação com os EUA e nos países do Mercosul.
    As bases dos partidos são sempre mais idealistas, o topo nem por isso, depende. Eu gosto da Catarina Martins, mas ninguém é consensual. Já o Mário Soares é horrível. Pelo que leio, o Sá-Carneiro teria sido o homem certo para nos guiar em 86, foi pena ter morrido . Admiro-o muito
  • Imagem de perfil

    Psicogata 29.06.2016 11:30

    Sá Carneiro sim, uma pena o futuro de Portugal teria sido diferente.
    Não gosto de Catarina Martins, já gostei, mas agora acho que é utópica, tumultuosa e deslocada, às vezes parece que não entende as consequências do que diz.
    Mário Soares fez tanto mal a Portugal que enfim, melhor nem falar.
    Há realmente caminhos alternativos mas as pessoas que os podiam tomar não estão na política, sair a UE é muito arriscado para Portugal.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Freima 29.06.2016 11:39

    Eu penso que devíamos arriscar. Desde o século XIX que não conseguimos controlar as nossas contas, e com a UE já precisámos do FMI. Esse momento abalou a minha confiança no projecto europeu, foi uma grande humilhação. Prefiro que passemos por um período difícil a que vivamos artificialmente de empréstimos e a perder soberania. De resto, o nosso dia a dia é uma ilusão.
    Gostei de falar contigo
  • Imagem de perfil

    Sofia 29.06.2016 12:51

    Portugal sair da U E, seria desastrosa com a divida que temos, nunca mais nos levantamos.
    Se não devêssemos dinheiro, ainda era caso a pensar...
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Freima 29.06.2016 20:18

    Temos de renegociar o valor da dívida, Sofia. Depois, pronto, fazemos como tu dizes
  • Imagem de perfil

    Sofia 29.06.2016 20:45

    Continua a sonhar...lol
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Freima 29.06.2016 20:46

    Sempre
  • Imagem de perfil

    Sofia 29.06.2016 20:53

    Eu também sou uma sonhadora, mas com os pés bem assentes no chão! :)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.