Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Filhos de quatro patas?

Adoro animais, cresci rodeada deles, sempre tive animais de estimação cães, gatos e mais do que uma espécie de pássaros, houve também um pato selvagem, para além dos animais de estimação tínhamos os animais de criação, coelhos e galinhas e na quinta da minha tia a estes juntavam-se ovelhas, vacas, porcos, cabras, chinos, granizos, patos, gansos, perus e todos os animais que podemos encontrar numa quinta.

 

Deixei de comer carne de coelho porque lhes criei tal afeição que simplesmente não consigo conceber essa ideia, seria incapaz de comer carne de cavalo e só como outras carnes porque entretanto deixei de conviver com animais de criação, pois o próximo passo seria provavelmente deixar de comer cabrito e assim sucessivamente.

 

Tenho um profundo respeito pelos animais, mas cresci a vê-los serem criados para matar e comer, por isso a exploração pecuária para mim é natural, não me repudia e não me incomoda, incomoda-me sim que sejam criados muitas vezes em condições deploráveis e alimentados à força para crescerem rapidamente.

 

Nas pequenas criações, pelo menos as que conheço e conheci, os animais são criados com respeito e até amor, isto pode parecer estranho para quem não conhece esta realidade, mas não é incomum os donos falarem com eles, darem-lhes nomes e até carinho, os cabritos por exemplo são animais muito dóceis e é quase impossível não os acarinhar.

Todo o carinho e respeito não impede que tenham o destino traçado, são criados para comer, muitos apenas para consumo próprio, outros para realizar pequenas vendas na comunidade local.

 

A matança do porco é sempre uma festa em qualquer casa, junta-se a família e os vizinhos e é um dia onde a comida e a bebida não faltam, se esta festa tem um lado grotesco e primitivo? Hoje, tenho consciência que sim, já que o animal sofre, especialmente se o matador não for experiente.

Como é possível conviver com isto e ter um amor desmesurado pelos animais?

Não em perguntem pois não sei explicar, mas sei que tenho.

 

Também não consigo entender quem chama filhos aos animais e quem diz que os ama como tal, compreendo que os animais fazem parte da nossa família, os meus fazem, as minhas gatas fazem parte da minha vida e o amor que sentem por nós é mágico e comovente, mas daí a chamar-lhes filhas, para mim, vai uma longa distância.

 

Depois de muito pensar sobre o assunto penso que os coloco noutro patamar por uma razão prática, não é natural os pais verem os seus filhos morrerem, é suposto os filhos darem continuidade aos pais, por isso como encarar como descendência um ser vivo que sabemos à partida não sobrevirá a nós?

 

Todos sabemos que os cães os gatos têm uma esperança de vida muito inferior à nossa, tenho uma ligação especial com gatos e lembro-me do meu primeiro gato, acompanhou-me nos primeiros anos de vida e quando morreu foi um trauma tão grande que a minha mãe só me deixou ter outro gato um par de anos mais tarde, quando morreu a história repetiu-se só muito mais tarde tive outro, pois o desgosto foi tão grande que era preciso tempo para fazer o luto e a história voltou-se a repetir uma e outra vez, os gatos são animais livres, caçadores, a probabilidade de lhes acontecer algo é muito grande.

 

Com os cães passou-se o mesmo, a primeira cadela morreu quando tinha 3 anos, tenho vaga memória dela, mas segundo a minha mãe, falava dela todos os dias, adotamos outro cão, era uma alegria, brincava connosco como se fosse nosso irmão, um dia soltou-se e morreu atropelado, ficámos desolados, dias depois trouxeram-me um cachorrinho lindo, andava com ele para todo o lado como se fosse um bebé, infelizmente adoeceu e morreu uns meses depois, não quis mais cães.

 

Quem adota uma animal deve ter para com ele a mesma responsabilidade que tem com um filho, pois tal como os filhos quando nascem dependem de nós para se alimentarem, carecem de abrigo e proteção.

Os nossos animais devem ser bem tratados e respeitados, devemos retribuir-lhes o carinho e amor que nos dão incondicionalmente.

 

Mas chamar-lhes filhos? Só mesmo em sentido figurado.

Não consigo conceber a dor que é perder um filho, conheço a dor de perder um animal e não pode sequer ser comparável, dói, deixa saudades, deixa um vazio, mas não é a mesma coisa.

A responsabilidade é a mesma, o amor pode ser comparável por ser infinito, mas a dor?

A dor de perder um animal, por mais amor que lhe tenhamos, jamais pode ser comparada à dor de perder um filho ou um ente querido.

Por isso para mim não existem filhos de quatro patas, existem amigos, companheiros, família se quiserem, mas nunca filhos.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 26.07.2017 12:32

    Eu sei que sim, mas por mais que goste de animais, acho que é um amor diferente daquele que se tem a um filho.
  • Imagem de perfil

    Sofia 26.07.2017 12:35

    Eu sou da mesma opinião, aliás até acho ridículo fazerem festas de aniversário para os animais, mas quem sou eu para julgar...
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.