Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Há pobres? Chamem-se os Cristãos!

Este foi o conselho que Marcelo Rebelo de Sousa deu aos portugueses, é claro que temos de contextualizar e dizer que foi num discurso na Santa Casa da Misericórdia numa homenagem ao Engenheiro Bruto da Costa, não obstante, mais parece um sermão da missa de Domingo do que um discurso de um Presidente da República, principalmente tendo em consideração que Portugal é um Estado laico.

Na verdade o que Portugal é, é um Estado falido, pejado de corruptos e de mágicos, António Costa é sem dúvida um grande ilusionista, especialista em distribuir o que não tem, mas alguém pagará a conta, pagaremos todos com juros.

Numa coisa Marcelo tem razão se os cristãos e todos os cidadãos chamem-se a si o dever de agir e de mudar o que está mal, as coisas seriam muito diferentes, mas os portugueses são conhecidos pelos costumes brandos e por isso são espezinhados, gozados e roubados sem sequer “arrebitarem cabelo”, estilo escolinha que para falar coloca-se o dedo no ar e só se fala com autorização e se o assunto for conveniente.

Vivemos numa liberdade censurada, onde quem é contra o Governo é pessoa não grata e desqualificada, não há sequer lugar a discussão, é-se logo acusado de ser de Direita e arruma-se a questão com o nome de Paços Coelho.

Discute-se cada vez menos política porque dá mais nervos e ansiedade que discutir futebol, podemos ter amigos de outro clube, mas de outra cor política começa a ser complicado, há quem só veja rosa, não será por acaso que o rosa é a cor que associamos à fantasia e aos unicórnios.

O nosso país está falido e não há vislumbre de melhoria, nem sem bazuca, nem com bazuca e o Presidente da República apela aos cristãos para mitigar a pobreza, porque será com a sopa dos pobres e caridade que as pessoas passarão a ter uma vida digna.

Sem qualquer desprestígio pelas pessoas que praticam a caridade, sejam elas cristãs ou não, não será com certeza a caridade das pessoas a resolver o problema, não será sequer tirar dinheiro aos ricos para dar aos pobres, mas sim promover uma economia saudável e uma sociedade igualitária com oportunidades para todos e com um elevador social que realmente funcione, sem boleias de afiliados de partidos ou cunhas para os amigos dos amigos.

Estamos fartos de ver elogios e condecorações a corruptos incultos que fazem carreira à custa dos amigos, queremos uma sociedade mais justa onde o mérito, o esforço e a dedicação são premiados independentemente da origem, cor, etnia ou classe social.

É preciso acordar, é preciso acordar e perceber que Portugal não sai da cauda da Europa porque quem manda não quer que isso aconteça, fazer um país crescer não é física quântica, não é preciso sorte ou magia, é só seguir o exemplo de quem o fez.

Este discurso do Presidente é anedótico, pois a Constituição que defende, laica, responsabiliza o Estado por dar condições dignas aos cidadãos, os cristãos não devem ser para aqui chamados.

Portugal será sempre pequenino, não pelo seu tamanho, mas pela sua mentalidade e com exemplos destes, é claro que nunca sairemos da cauda da Europa, Costa é mau, mas Marcelo a acaba por ser pior por permitir que Costa faça o que bem entende e ainda se ache o dono disto tudo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.