Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Na vida não existem intervalos

tempo - slav.jpg

 

Inspiro profundamente, cerro os olhos com força, expulso o ar devagarinho, faço um compasso de espera, abro os olhos, suspiro.

Enquanto abrando à força a respiração o coração acelera os batimentos num desalinho entre o que quero sentir e o que sinto.

Inspiro novamente, amacio a respiração, fecho os olhos mais uma vez.

O coração continua a bater mil vezes mais rápido que a minha respiração, e os pensamentos…

Os pensamentos não abrandam, sucedem-se uns aos outros num ritmo vertiginoso.

Queria um espaço, um intervalo, um tempo sem pensar.

Um lugar intermitente no estado latente entre o inspirar e o expirar, suspensa por uns segundos, protegida entre a coordenação do abrir e fechar, do suster e do libertar.

Poderia dormir, dormir para não pensar, mas de que serve dormir se a vida está sempre acordada.

 

A vida não para de correr, corre sempre apressada na sua estrada sem semáforos, curva à direita, curva à esquerda, em linha reta, corre sinuosa ou a direito, mas nunca fica parada.

Nos cruzamentos, nas encruzilhadas, não me iludo, posso parar para pensar que caminho seguir, mas a vida invariavelmente corre para o lado que lhe convier, quanto mais tempo fico parada mais a deixo ter rédea solta no caminho que lhe aprouver.

Voltar para trás para rever o caminho é perder tempo, é correr contra o vento, é tentar descer uma escada rolante que está a subir.

 

Avisto uma rotunda com oito saídas, oito saídas à direita, sei que algumas são à esquerda, algumas significam voltar para trás, mas ao mesmo tempo qualquer uma saída significa seguir em frente.

Circulo, circulo, circulo em círculos, tento ler as placas direcionais, estão enovoadas, as letras são um borrão sem significado, não existe uma saída certa, só existem caminhos diferentes a seguir.

Não há intervalos, a vida é urgente, devoradora de segundos, minutos e horas que se materializam em dias, anos, décadas, a vida corre inequivocamente como um rio corre para o mar.

De nada vale desacelerar, parar, a vida tem o seu próprio ritmo, o ritmo do universo, tentamos medir o tempo, confina-lo, dividi-lo, categoriza-lo. Ilusão vã, tempo é tempo e a sua fluidez é um plano superior, tudo o que sabemos é que o tempo não para e leva consigo a vida.

 

A vida resume-se ao tempo que o tempo nos dá.

Não há intervalos, até a dormir estamos a viver, a perder.

 

Avanço instintivamente para o caminho mais solarengo, o importante é não ficar retida na ilusão da decisão porque a vida não para como eu, ela corre e leva com ela o meu tempo.

Cada segundo que passa é tempo que perdi, é tempo que vivi.

Vivo, respiro profundamente e penso o tempo não são segundos, horas, dias, anos ou décadas, são momentos imensuráveis, impossíveis de quantificar porque significam mais, ultrapassam e transcendem o tempo que demoraram, são eternos.

 

A vida que resume-se ao tempo que o tempo nos dá.

Não há intervalos, é viver com o máximo de tempo que o tempo nos dá.

 

 

“O Tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, o Tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo, tempo tem.”

13 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 17:27

    Pode obrigar-me a mudar de direção a parar não, ela não para corre sempre, mesmo que eu tenha ilusão de estar parada :)
    Não sei se foi mau mas é bom ter-te aqui no Sapo.
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 17:35

    Foi mau pois! Dois meses imobilizada com um pé partido.
  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 17:39

    Deves ter descansado muito e stressado muito :(
    Nem quero pensar estar 2 meses com a mobilidade condicionada.
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 17:46

    Ao princípio achei que ia enlouquecer e que ia ser um drama para quem de mim dependia. Foi nada! A vida continuou, ninguém morreu e eu acabei por encontrar um tempo que há anos não tinha.
    Por isso te disse que às vezes (só às vezes) a vida sabe o que faz.
    ;)
  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 17:50

    Acho que iria adorar a parte de pedir (mandar) que me fizessem isto ou aquilo e ter tempo para fazer uma data de coisas para as quais nunca tenho tempo.
    Por outro lado acho que iria desesperar por não ser independente para ir onde quisesse.
    A vida quase sempre sabe o que faz, nós que temos dificuldade em entender o que ela faz :)
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 17:57

    Vamos pôr as coisas assim: passar o tempo a pedir coisas é uma merda. Como tal arranjei uma estratégia para ser independente: uma cadeira de rodas (daquelas de escritório) e deslizava pela casa toda empurrando com o pé bom.
    Tomar banho foi também uma aventura. Digamos que eu e a película aderente (sim, aquela da cozinha) nos tornámos BFF.


    Eu que passava o tempo a reclamar por não parar um segundo fiquei parada demais durante dois meses. Mas foi bom, caso contrário nunca tinha vindo aqui parar. E sabes lá o bem que isto tem feito à minha cabecinha.
    ;)
  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 18:03

    Só por teres vindo cá parar já valeu a pena :)

    Estar depende é uma seca é bem verdade, mas usar isso a nosso favor pode ser giro :)
    Mas dois meses é capaz de ser demasiado tempo.
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 18:07

    Tenho uma amiga(das três que sabem da existência do blog) que diz que , por ela , eu devia era partir os dois pés (um de cada vez) para ter tempo para escrever mais vezes.


    No meu caso , dois meses, foi tempo mais que suficiente para pôr a minha barraca nas bocas do povo.
    Ahhhhh...e o que eu gosto de ver que há público para as maluqueiras que escrevo!
    É bom saber que não estamos em vias de extinção !
  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 18:15

    Claro que tens público, no fundo gostamos de saber que não somos os únicos malucos no mundo!
    Eu partilho contigo muitas maluqueiras e gosto de saber que não sou só eu que gasto tempo a dissecar coisas sem motivo só porque me irritam ou só porque sim
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 18:18

    Só lamento não ter sempre tempo para dissertar sobre tudo o que vejo/sinto.
    Fazer o quê?! Uma 'ssoa tem de comer e pagar as contas ...a não ser que...



    (ainda tenho outro pé...calhando vou ali tratar disso)
  • Imagem de perfil

    Psicogata 12.09.2016 18:20

    Não há tempo para tudo, só de anúncios tenho dois sobre os quais quero escrever. Não tenho tempo para tudo.
    Mas deixa os pés em paz que isso deixa mazelas :)
  • Imagem de perfil

    Pequeno caso sério 12.09.2016 18:22

    Fica descansada. A minha loucura (ainda) não chega a tanto!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.