Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

O que me apetece fazer neste momento - é mandar tudo às urtigas!

Odeio, como odeio lidar com a irresponsabilidade dos outros, ainda mais quando os irresponsáveis ultrapassam qualquer limite e agem como se nada fosse.

Sinceramente penso muitas vezes se não serão os mais inteligentes, vivem a vida sem preocupações e quem se preocupa é que leva de prémio rugas, cabelos brancos, stress, ansiedade que terminam muitas vezes em problemas sérios de saúde.

Há um momento na vida em que dizemos – basta e que deixamos de pensar nos outros para pensarmos em nós, infelizmente às vezes só circunstâncias muito especiais nos levam a tomar essa atitude, uma pena que não o consigamos fazer antes.

A vida tem destas coisas mágicas, dá-nos de presente situações que nos alteram toda a nossa vida e de repente o que era importante deixa de o ser. Já havia aprendido, não sem muita resistência, que não podia levar às costas quem não se preocupa, quem procrastina e quem não se rege por padrões altos e exigentes de qualidade.

Recusei-me, lutei contra esse desleixo, contra essa falta de brio, porque sou perfeccionista e não consigo simplesmente fazer ou fazer bem, se posso fazer com excelência, mas acabei por me convencer que a excelência não é valorizada, não é remunerada e que desde que seja feito está tudo bem.

Para mim não está tudo bem, mas aprendi a lidar com isso, remar constantemente contra a maré é cansativo e cansei-me, por isso agora remo ao meu próprio ritmo mas sem chocar com as correntes dos outros.

Quando os nossos esforços não são reconhecidos o melhor que fazemos é direcioná-los para outra direção, quem fica a perder é quem tem a incapacidade de os reconhecer.

21 comentários

Comentar post