Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

O silêncio que não se cala

O silêncio desesperado para falar

Não há voz, som que o faça calar

Há dormência e há esquecimento

Há dor, solidão e arrependimento

 

Vida madrasta, vida maldita

Fustiga, fere, lacera e castiga

Os dias correm em subterfúgios

Mas não há para eles refúgios

 

Lamento, lamúria, desencanto

Acordes desalinhados pelo ar

Com voz fina e trémula os canto

 

Saudade, saudade do conto

Das fadas prometidas o cantar

Procuro-as, mas não as encontro

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.