Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Pedofilia «não mata ninguém, mas abortar mata» - Tristeza de pessoa

Esta frase hedionda foi proferida por um “padre” norte-americano que proibiu os políticos que aprovaram o projeto de lei da Suprema Corte de 1973 de comungarem e de serem testemunhas de casamento, padrinhos ou eleitores nesse sacramento, bem como em funerais ou qualquer outra função da igreja.

Esta criatura compara a interrupção voluntária da gravidez à pedofila e como se não bastasse a comparação incomparável, ainda afirma que o aborto é pior, porque mata.

Desde já esta criatura precisa de umas lições de biologia para saber distinguir entre pessoas e embriões e fetos, mas mesmo ultrapassando este facto científico, questionável para alguns, pois não há consenso até onde se pode limitar a vida humana, havendo mesmo quem seja contra os contracetivos e contra as relações sexuais sem vista à procriação, há aqui uma clara perversão e uma proteção da pedofilia.

É perverso dizer que quem interrompe voluntariamente uma gravidez é pior do que um pedófilo, que incorre num crime mais grave, que mata, até pode ter a opinião que o aborto é matar, pode ter a sua fé e a sua crença, mas não pode comparar isso à pedofilia, especialmente fazendo ele parte de uma instituição largamente conhecida por ser o abrigo de milhares de pedófilos.

A pedofilia é dos crimes mais graves, tão grave que uma grande parte das vítimas escolheria a morte em vez do abuso, todos sabemos que existem coisas bem piores que a morte, a dor, o sofrimento, a tortura podem ser mais agoniantes e desesperantes que a morte, embora tradicionalmente a morte seja encarada como uma coisa má, a morte é muitas vezes o último conforto, o último refúgio, a única solução para encontrar a paz e para os crentes não haverá maior conforto do que o encontro com o criador, com o seu Deus.

É inadmissível que um padre a quem se pede empatia, solidariedade e compreensão tenha proferido tal barbaridade, não pela culpabilização do aborto, já conhecemos bem as posições dos religiosos de diversas religiões, mas pela desculpabilização da pedofilia, diminuindo este crime sórdido e repugnante porque ele não mata.

A pedofilia mata, mata a infância, a infância a época mais feliz da nossa vida na qual devemos ser amados, protegidos e acarinhados, mata sonhos, mata personalidades, mata lentamente as possibilidades de ser plenamente feliz, as vítimas levam anos a encontrar o equilíbrio e poucas são as que o conseguem encontrar.

Não consigo imaginar a dor, a tristeza, a solidão, a impotência que uma criança indefesa sentirá a ser vítima de abusos por parte de um adulto, qualquer tipo de abuso é horrível, mas tirar partido de um ser indefeso e inocente é desumano, um pedófilo não merece qualquer tipo de empatia ou desculpa, não há desculpa para este crime e consigo encontrar várias desculpas para o crime de homicídio, a primeira que me ocorre é precisamente o assassinato de um pedófilo, o primeiro instinto de qualquer pai são será ter vontade de matar o agressor.

Esta criatura é que deveria ser proibida de praticar qualquer sacramento religioso, deveria ser excomungado e exilado, para não lhe desejar destino pior para que entendesse o que é ser vítima e desejar a morte como libertação.

Este imbecil, asno, insensível, inadequado, ignorante, insciente, biltre, asqueroso, nubilidade de pessoa fazia um favor à Humanidade e particularmente aos membros da sua comunidade se escolhesse viver numa cela em cativeiro voluntário em voto de pobreza e de silêncio.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.