Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Ser jovem não é desculpa. Ponto.

Continua-se a exagerar, a generalizar e a normalizar, desculpar o que é indesculpável, quando leio testemunhos de jovens que se enchem de razão, justificando as suas ações como sendo normais, sinto o estômago às voltas, uma coisa é ser um comportamento frequente, outra é ser um comportamento normal, não considero normal que jovens vandalizem espaços escusando-se na idade.

 

A idade nunca foi, nem nunca será desculpa para falta de responsabilidade, má educação, violência gratuita e destruição de propriedade alheia. Se são suficientemente adultos para irem sozinhos para uma viagem de finalistas, também são suficientemente adultos para arcarem com as consequências.

Não é de agora, há muito que se conhece o comportamento vergonhoso dos jovens portugueses nas viagens de finalistas, numa ânsia de viverem em poucos dias todas as aventuras de uma vida, faz com que se ultrapassem limites demasiado depressa.

Não se julgue que são só portugueses, infelizmente é um problema transversal à juventude, característico da desresponsabilização que se tem atribuído sucessivamente aos mais jovens.

 

De mãos-dadas com a aparente normalidade dos seus atos, anda a generalização, de repente são todos iguais, felizmente que não é assim, é gratificante saber que existem grupos de jovens que optam por outros destinos que aliam cultura às noites animadas, não me acredito que estes sejam santos e que não façam uma ou outra asneira, mas com certeza terão um comportamento mais adequado à visita de museus e ao passear-se em ruas históricas.

Cruzei-me com alguns desses grupos em Barcelona, barulhentos, animados, frenéticos, mas sóbrios e com civismo suficiente para não serem expulsos de nenhum local público e acredito que privado.

Nem tão pouco acredito que todos os que escolheram como destino Torremolinos e outros destinos similares tenham tido um comportamento deplorável e destruidor, mas isso passa despercebido quando as notícias de mau comportamento, abuso de álcool e de drogas, vandalização e destruição são recorrentes todos os anos neste tipo de viagem.

Acredito que a gerência do hotel não esteja isenta de culpas, há sempre dois lados da mesma história, mas há algo que não entendo, após anos e anos em que a história se repete como é que se continuam a organizar este tipo de viagens?

Como esperam os alunos serem bem recebidos por unidades hoteleiras que só os aceitam porque só estão em época baixa, as unidades hoteleiras já sabem que incorrem num risco altíssimo de terem o hotel sujo e vandalizado, habitado por jovens inconsequentes que passam a maior parte do dia alcoolizados.

Como esperam pais e professores que viagens que parecem servir apenas para os alunos ficarem bêbedos e saírem durante a noite tenham um final pacífico?

Será que ainda não perceberam que o destino em si, o conceito, a tradição, as histórias que antes se propagavam de boca a boca e agora de mural em mural são altamente propícios a estas situações? 

No meio de toda esta confusão pergunto-me como se sentirão os pais, especialmente os pais daqueles que continuam por lá?

Conheço quem tenha proibido a ida a uma viagem de finalistas e tenha sido duramente criticado por isso, justificou a recusa com a diferença das asneiras de agora das asneiras de outros tempos, velho de restelo pensaram muitos, muitos desses agora à luz da notícia lhe devem estar a dar razão.

 Um grupo de jovens é uma mistura explosiva, o efeito manada é terrível especialmente quando acompanhado de álcool e drogas, quando a isto somamos sentido de liberdade incondicional e impunidade o resultado está à vista.

Canso-me de dizer que estamos a criar uma sociedade egoísta, pretensiosa e mimada, sem valores, sem remorsos, sem culpa. Quando uma jovem acha normal fazerem desacatos no elevador, riscar paredes e existirem coisas partidas algo está muito mal na sua formação e educação.

Não, não é normal danificar propriedade privada e esperar que o dono não reclame, o normal é que quando se estraga algo se pague por isso, até termos idade suficiente pagam os nossos pais por nós e quando vamos em grupo, o grupo é responsabilizado, é assim que funciona.

Tudo o que fazemos tem consequências, boas ou más, tudo depende da ação, é inacreditável que jovens de 17 e 18 anos não tenham consciência disso.

 

Para além da responsabilização por danos patrimoniais, alguém também deveria explicar a estes jovens que uma semana de excessos pode condicionar toda a sua vida, quer seja por uma ação inconsequente ou por um conjunto delas, uma semana a beber até cair, sem dormir o suficiente, a comer mal, a apanhar sol sem cuidado é no mínimo um desgaste brutal para o organismo, se é verdade que são novos, também é verdade que onde “elas caem não nasce cabelo” e depois é ver pessoas com 30 anos que parecerem ter 50 e não, não foi por trabalharem demais, é mesmo por excessos a mais.

Isto sem falar de perigos maiores como doenças e vícios, sabemos que estão bem informados, mas num ambiente inconsequente pararão eles alguma vez para pensarem nas consequências? Não creio.

 

A solução? Mais uma vez passa pela educação e pela formação, acredito que se bem-educados os estragos fossem a exceção e não a regra, na minha altura funcionava assim, não erámos anjos, mas o medo e o respeito mantinham-nos com os pés assentes no chão, sabíamos que existia um limite, esse limite era tudo o que pudesse chegar aos ouvidos dos nossos pais, se tivessem uma queixa de nós haveriam consequências, essas consequências e essa responsabilização que fazem parte da educação equilibravam as hormonas, o álcool e as drogas.

Nós não erámos jovens responsáveis, erámos jovens responsabilizados, essa era a grande diferença, porque ser jovem não é desculpa.

Ponto.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.