Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Sou a favor da eutanásia

Sou a favor da liberdade, da liberdade de viver como quero e de morrer como quero.

O meu texto poderia terminar aqui porque é à liberdade de cada um que nos estamos a referir, nada me impede de por termo à própria vida para lá da vontade de a viver, se não há vontade de viver para quê continuar a estar vivo?

Comumente associamos eutanásia a sofrimento físico, ao alívio de quem sofre desmedidamente sem remédio e sem alternativa, pouco ou nada se fala do sofrimento psicológico, pouco se fala da razão principal para alguém reclamar o final da sua vida, a falta de propósito.

No nosso egoísmo e no nosso mundo de sonho onde a vida humana é sagrada e inviolável, nem sequer equacionamos essa falta de propósito, lembramo-nos apenas de todos os que sofrem agarrados a uma cama com dores excruciantes que pedem para que seja colocado um fim ao seu sofrimento e na nossa compaixão desejamos que partam em paz, para que o seu sofrimento termine.

Porque queremos desesperadamente manter vivos os que anseiam partir? Por egoísmo? Por medo? Por tabu? Por herança? Por vergonha? Por necessidade de um exemplo de coragem?

Podemos não compreender o desejo de alguém partir mais cedo, mas isso não nos dá o direito de o impedir, a sua vontade, a sua liberdade deve permanecer.

Não se trata de dignidade, de compaixão, de misericórdia, em última instância trata-se do direito de escolher viver ou morrer.

Que se legisle como, quando, em que situações, que se avalie a capacidade de discernimento de quem decide, mas que não se imponha a ninguém uma vida que não deseja.

Obrigar alguém que pede para morrer a viver não é proteger a vida humana, é tortura, é interferir com a sua liberdade.

Ninguém tem o direito de decidir sobre a vida e a morte, como não devemos sentenciar a morte, não devemos sentenciar a vida impedindo alguém que já há muito está morto de morrer, viver é muito mais do que respirar, quando não há sentido, propósito, esperança, não faz qualquer sentido impor os nossos desejos, a nossa consciência aos outros.

28 comentários

Comentar post