Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Cristiano Ronaldo, presumível inocência vs condenação pública

Para uma grande parte dos portugueses e para muitos amantes do futebol esta acusação a Cristiano Ronaldo só pode ser falsa, a frio a nossa reação mais provável é presumir a sua inocência, tal como a lei, se cruxificamos rapidamente uma personalidade que nos repudia, temos o instinto de defender personalidades que admiramos e acarinhamos.

Embora esta acusação nos pareça estranha, ainda mais por ser tardia, não podemos, no entanto, descartá-la, há uma queixa e é necessário que se deixe a justiça trabalhar e apurar os factos.

Segundo a alegada vítima terá sido o movimento #MeToo que lhe deu a coragem necessária para avançar com a queixa, este movimento que tem como foco a defesa de mulheres em posições desfavoráveis em relação aos seus agressores, temo possa ser usado como arma de arremesso contra homens, qualquer homem acusado de violação, mesmo que ilibado, nunca se livrará do rótulo.

Toda a história tem contornos de filme, mas se o acordo parece revelar culpa de Ronaldo, também parece relevar má-fé da vítima, supostamente existem provas de violação, no entanto, não é conhecido o relatório médico e se as provas serão ou não infalíveis, na verdade só os dois saberão o que se terá realmente passado.

Há apenas um detalhe que fica por explicar, pelo menos nas notícias que li não encontrei essa informação, o que terá acontecido à amiga que acompanhou Kathryn Mayorga ao quarto de hotel? Esta pessoa pode ser a peça chave da investigação.

Se não devemos cruxificar Cristiano Ronaldo apenas porque existe uma acusação, também não devemos cruxificar Kathryn Mayorga pelas circunstâncias nas quais se terá dado crime e pela sua conduta após o mesmo, as consequências de uma violação podem ser devastadoras e é impossível prever qual a reação da vítima.

Não condeno Ronaldo sem provas, mas também não condeno Kathryn Mayorga, é preciso ser-se coerente e manter o distanciamento necessário para analisar o caso das duas perspetivas e deixar nas mãos da polícia a averiguação dos factos antes de qualquer julgamento público.

Fujam! Tudo de mau dos anos 60, 70, 80 e 90 regressou!

Felizmente não tenciono comprar roupa nos próximos meses, espero conseguir manter este plano, porque se me vir obrigada a comprar uns trapinhos vou andar literalmente à nora para os encontrar.

Conselho de amiga - Preservem bem os vossos trapinhos, estimem-nos porque pelo andar do desfile não terão tão cedo oportunidade de os renovar, a menos que gostem de roupas sem formas, tecidos manhosos e cores pavorosas.

 

Quando percebi que os anos 70 seriam inspiração, bati palminhas, mas enganei-me redondamente, conseguem arruinar as peças mais icónicas e mais elegantes com apontamentos medonhos, um coordenado que teria tudo para ser chique e feminino é enxovalhado por umas meias brancas, meias brancas! Socorro!

 

Atentem só nas propostas que nos entram pelos olhos adentro que mais parecem cebolas ácidas que nos fazem chorar desalmadamente.

 

1807003000_1_1_1.jpg

1807008000_1_1_1.jpg

2488101330_9_2_1.jpg

4677482001_1_1_2.jpg

5536110803_1_1_1.jpg

6239586428_1_1_4.jpg

6348019605_2_2_4.jpg

6520514800_2_2_4.jpg

6654613406_1_1_4.jpg

6840271800_2_8_1.jpg

7568640606_1_1_1.jpg

8073255704_1_1_1.jpg

8311751065_2_3_1.jpg

Para os saudosistas a coleção de Outono é um rebuçado, não falta nada, nadinha, é animal print dos pés da cabeça, soquetes brancas, camisolas com mangas de balão, botarras grossas, fatos-de-treino 100% poliéster arco-íris, calças de meter debaixo do pé, casacos sem corte, peças que parecem feitas de plástico com costuras enormes e horrendas.

 

No meio deste desastre vá lá que se encontram alguns vestidos e blusas elegantes e para mim que adoro ainda bem que regressaram as boinas, nunca saíram realmente de moda, os lenços à francesa também são um detalhe elegante, mas aqueles cintos de pedras eram dispensáveis.

Moderação nas compras, porque com esta oferta é muito fácil sair de casa em modo vídeo-clip dos anos 80!

Marcas pagam a influenciadores para falarem mal da concorrência – Será só na cosmética?

A polémica estalou na comunidade de youtubers que promovem cosméticos, quando MarlenaStell publicou um vídeo a desmascarar a indústria de cosméticos e beleza e foi imediatamente apoiada por Kevin James Bennet, maquilhador profissional.

Foi precisamente Kevin James Bennet que afirmou ter acesso a propostas para uma review de um produto de 64 a 73 mil euros para dizer mal da concorrência.

Se o ambiente entre youtubers segundo Marlena Stell não é o melhor, a notícia que existem marcas a pagar para que influenciadores façam reviews negativos da concorrência eleva a polémica a outro nível.

 

Não é novidade que muitos influenciadores digitas que utilizam diversas plataformas de divulgação não identificam posts, fotos, vídeos que são patrocinados, na verdade há cada vez mais incerteza se o que estamos a ler ou a ver é uma opinião honesta e sincera ou se é um patrocínio, a situação piora quando as marcas definem o que deve ser escrito ou dito.

A publicidade tradicional está a ser substituída pela publicidade digital e pelos opinion makers, a questão é se podemos realmente confiar na opinião de um influenciador.

 

Pessoalmente prefiro blogs a vblogs, mas os canais de YouTube têm cada vez mais importância e mais audiência, se tem vindo a ser discutida a influência que esses canais têm nos mais novos, não há discussão sobre a sua influência nos adultos.

A questão que se coloca é simples, como podem os pais discernir sobre a influência que os youtubers exercem sobre os filhos se eles próprios têm dificuldade em discernir se são ou não influenciados e indo mais longe manipulados.

Este é um tema muito importante ao qual não tem sido dada a importância devida e sobre o qual há pouquíssima legislação que defenda o consumidor, sempre existiu publicidade enganosa, anúncios de produtos que prometem milagres e que na verdade não passam de banha da cobra, mas a situação atinge proporções perigosas quando influenciadores não aconselham somente produtos, mas estilos de vida, dietas, medicamentos e pior a desistência da medicina tradicional.

 

Esta semana foi anunciado que todos os portugueses vão poder, a partir de Janeiro, aceder de forma gratuita a plataformas digitais internacionais com informação clínica e cientificamente validada, uma iniciativa da Ordem dos Médicos e do Ministério da Saúde.

Esta iniciativa visa combater o “Dr. Google”, já que o motor de busca parece ter mais credibilidade que os médicos e comunidade científica, esta medida é um passo importantíssimo, mas não resolve o problema, porque infelizmente pior do que o “Dr. Google” é o “Dr. Facebook” onde os grupos fechados assumem uma importância desproporcional à sua validade, onde pessoas assumem posições radicais e fundamentalistas sobre tudo e onde pessoas com pouca cultura e instrução são facilmente influenciadas.

Quando vemos pessoas questionarem ordens e prescrições médicas em grupos e fóruns e as vemos receber indicações contrárias às dadas pelo médico, é sinal que estamos a enveredar por um caminho muito perigoso.

 

A grande questão é como controlar a situação, não podemos negar a liberdade de expressão às pessoas, o que podemos e devemos é responsabiliza-las pelas suas afirmações, especialmente os influenciadores que lucram com as suas “opiniões”, há uns anos foi possível responsabilizar as tabaqueiras, deverá ser possível responsabilizar os influenciadores e acima de tudo responsabilizar as marcas que os patrocinam.

O problema só será totalmente resolvido com educação e formação, mas as pessoas, especialmente as gerações mais novas, têm cada vez mais dificuldade em distinguir conteúdo de publicidade, pelo que será muito difícil educa-las nesse sentido.

 

É por isso necessária muita atenção ao nosso comportamento e ao comportamento dos mais novos, é preciso ler e ver com atenção os conteúdos que nos chegam e questionar sempre se é uma opinião sincera, sensata ou uma opinião paga. Muitas vezes basta conhecer o influenciador e a sua forma de expressão para detetar se são as suas palavras ou as palavras da marca.

Em resumo, não acreditem em tudo o que leem e ouvem, nem tudo o que reluz é ouro e no que toca à alimentação e saúde ouçam os especialistas, a medicina pode não ser perfeita, mas ainda é a melhor opção, até prova científica em contrário.