Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Não existem raças, apenas pessoas.

A ciência já chegou a esta conclusão, não há caraterísticas diferentes suficientes para se dividir a humanidade em raças, há apenas uma raça, a humana, que se adaptou ao ambiente em que vive, a explicação para a cor da pele é simples e básica, pele escura para suportar sol e temperaturas altas, pele branca para absorver os poucos raios de sol em regiões mais frias e com poucas horas de sol.

As semelhanças genéticas entre pessoas desmitificam e mitigam o racismo com base na cor da pele, sendo que a cor não é sinónimo de partilha genética e ancestralidade em comum.

Não existem raças biológicas, mas as raças estão enraizadas na nossa cultura e servem como argumento para o racismo, que não é nada mais do que a consequência natural do medo do desconhecido, do diferente, do exótico, o que é incrível é que estes medos se tenham propagado até aos dias de hoje onde a informação e a formação já deveriam ter erradicado há muito este preconceito estúpido e infundado.

Muitas vezes já escrevi aqui sobre racismo, porque é um tema que me deixa particularmente incomodada, porque acho estúpido e de uma ignorância tremenda simplesmente não gostar ou desprezar alguém com base na sua cor, origem ou cultura, não há barómetro melhor de inteligência do que o grau de racismo, uma pessoa inteligente, com capacidade de análise e consciente nunca poderá em tempo algum ser racista, sem exceções, sem condicionantes.

Somos todos iguais, nascemos todos no mesmo mundo e como o sol quando nasce, nasce para todos, também nós nascemos debaixo do mesmo sol, com os mesmos direitos e os mesmos deveres, concedidos pelas sociedades onde nascemos.

A lotaria do nascimento é a única coisa que nos permite ser e pertencer a determinada cultura, um acaso e o nosso destino poderia ser outro completamente diferente, a única diferença entre nós é o local onde nascemos, tudo o resto é uma mistura entre genética, educação e personalidade, mas independentemente de onde nascemos e de como fomos educados a escolha de sermos bons ou maus é nossa.

O que se passou com o jogador Marega do Futebol Clube do Porto é inadmissível e extremamente vergonhoso para o futebol, para o desporto e para Portugal, é uma nódoa difícil de retirar e ainda bem, pois é bom que as pessoas não se esqueçam destes cobardes miseráveis que se escondem por detrás de uma calque para exorcizarem os seus demónios e preconceitos, para esconjurarem as suas frustrações e desgostos.

Marega teve a atitude correta, saiu, marcou uma posição, disse basta, não se remetendo ao silêncio, pois isso seria compactuar com os agressores que continuariam a achar que podem proferir as maiores barbaridades sem punição, o racismo é crime e é bom que este crime passe do papel para a ação para que as pessoas metam na cabeça que até podem ser ignorantes e racistas, mas exercer racismo é crime e se o fizerem senão punidas por isso.

Quanto ao oportunista do Chega espero que tenha aprendido a lição, é que mais vale cair em graça do que ser frustradamente engraçado, a sua eleição foi uma vergonha e cada vez que emite uma opinião essa vergonha só aumenta.

Parabéns Marega pela coragem de dizer chega aos Chegas de Portugal.

 

Pedofilia «não mata ninguém, mas abortar mata» - Tristeza de pessoa

Esta frase hedionda foi proferida por um “padre” norte-americano que proibiu os políticos que aprovaram o projeto de lei da Suprema Corte de 1973 de comungarem e de serem testemunhas de casamento, padrinhos ou eleitores nesse sacramento, bem como em funerais ou qualquer outra função da igreja.

Esta criatura compara a interrupção voluntária da gravidez à pedofila e como se não bastasse a comparação incomparável, ainda afirma que o aborto é pior, porque mata.

Desde já esta criatura precisa de umas lições de biologia para saber distinguir entre pessoas e embriões e fetos, mas mesmo ultrapassando este facto científico, questionável para alguns, pois não há consenso até onde se pode limitar a vida humana, havendo mesmo quem seja contra os contracetivos e contra as relações sexuais sem vista à procriação, há aqui uma clara perversão e uma proteção da pedofilia.

É perverso dizer que quem interrompe voluntariamente uma gravidez é pior do que um pedófilo, que incorre num crime mais grave, que mata, até pode ter a opinião que o aborto é matar, pode ter a sua fé e a sua crença, mas não pode comparar isso à pedofilia, especialmente fazendo ele parte de uma instituição largamente conhecida por ser o abrigo de milhares de pedófilos.

A pedofilia é dos crimes mais graves, tão grave que uma grande parte das vítimas escolheria a morte em vez do abuso, todos sabemos que existem coisas bem piores que a morte, a dor, o sofrimento, a tortura podem ser mais agoniantes e desesperantes que a morte, embora tradicionalmente a morte seja encarada como uma coisa má, a morte é muitas vezes o último conforto, o último refúgio, a única solução para encontrar a paz e para os crentes não haverá maior conforto do que o encontro com o criador, com o seu Deus.

É inadmissível que um padre a quem se pede empatia, solidariedade e compreensão tenha proferido tal barbaridade, não pela culpabilização do aborto, já conhecemos bem as posições dos religiosos de diversas religiões, mas pela desculpabilização da pedofilia, diminuindo este crime sórdido e repugnante porque ele não mata.

A pedofilia mata, mata a infância, a infância a época mais feliz da nossa vida na qual devemos ser amados, protegidos e acarinhados, mata sonhos, mata personalidades, mata lentamente as possibilidades de ser plenamente feliz, as vítimas levam anos a encontrar o equilíbrio e poucas são as que o conseguem encontrar.

Não consigo imaginar a dor, a tristeza, a solidão, a impotência que uma criança indefesa sentirá a ser vítima de abusos por parte de um adulto, qualquer tipo de abuso é horrível, mas tirar partido de um ser indefeso e inocente é desumano, um pedófilo não merece qualquer tipo de empatia ou desculpa, não há desculpa para este crime e consigo encontrar várias desculpas para o crime de homicídio, a primeira que me ocorre é precisamente o assassinato de um pedófilo, o primeiro instinto de qualquer pai são será ter vontade de matar o agressor.

Esta criatura é que deveria ser proibida de praticar qualquer sacramento religioso, deveria ser excomungado e exilado, para não lhe desejar destino pior para que entendesse o que é ser vítima e desejar a morte como libertação.

Este imbecil, asno, insensível, inadequado, ignorante, insciente, biltre, asqueroso, nubilidade de pessoa fazia um favor à Humanidade e particularmente aos membros da sua comunidade se escolhesse viver numa cela em cativeiro voluntário em voto de pobreza e de silêncio.

A Red Carpet dos Óscares e da festa da Vanity Fair

Pensavam que não ia falar dos vestidos este ano? Estive quase para não me debruçar sobre o tema porque os vestidos a bem da verdade foram uma miséria e como este ano não falei dos filmes não ia falar deste lado mais fútil dos prémios mais importantes, dizem eles, do cinema, mas depois da passadeira vermelha da Vanity Fair achei que alguns vestiditos são dignos de menção.

Da Red Carpet dos Óscares só tenho a dizer que as veteranas é que sabem, não inventam e não se comprometem e ainda mostram que a idade não é um número, é um posto, deram verdadeiras lições de elegância, classe e estilo, uma verdadeira inspiração, já não precisam de dar nas vistas, só precisam de estar bem e foi precisamente o que fizeram estas senhoras.

Uma nota, passaram pela red carpet alguns vestidos bem interessantes, mas como as senhoras que os desfilaram não têm milhares/milhões de seguidores ficaram de fora das principais listas, mais uma discriminação a juntar às várias da cerimónia.

 

Alison Balsom.jpg

Geena Davis.jpg

Geena Davis tem 64 anos! Como? Onde? Qual o segredo?

jane-fonda-1581359481.jpg

Jane Fonda a repetir um modelo e a estar novamente impecável.

 

Rita Wilson.jpg

sigourney weaver.jpg

willow bay.jpg

A desgraça dos Óscares foi ligeiramente compensada com alguns modelitos bem interessantes na festita da Vanity Fair que parece ter cada vez mais importância que a red carpet da cerimónia, de notar que as modelos que não se viram nos Óscares contribuíram para que isso acontecesse e começo a pensar que as atrizes guardam os seus melhores vestidos para competirem com elas, é só uma teoria.

Começo com a nossa Sara Sampaio, que além de ser naturalmente linda estava um arraso num simples vestido preto, mais uma vez a mostrar quem é que percebe de passadeiras.

e6632552-1f23-44fe-a86c-54c6e270c3c5.jpg

0ce2cae3-b5c1-4a6e-a79d-80c5622c7c47.jpg

2ecec771-85f3-4de7-b395-a14afa5ad5ed.jpg

3c5a7d59-aea1-4293-b2db-d13acd348fc3.jpg

 

9f806efb-33b4-4441-8692-0495a1cb20c4.jpg

46ecd993-5fc4-4a66-b191-2a4441bf4d0a.jpg

71e6ed33-67ca-4476-bed9-8d85cc35001d.jpg

Não é que lhe fique especialmente bem e pedia um penteado mais cuidado, mas o vestido é sem sombra de dúvida diferente e daqueles que só se pode mesmo usar num evento destes.

81c5a742-ff71-4b64-a17c-c8ac720846a2.jpg

Só mudava o penteado.

411bcab0-58f1-4901-b798-23656c8e92ca.jpg

569e0c86-3122-4f51-b1b7-f0854620c070.jpg

Demasiada informação? Talvez, mas acho que esta bem organizada.

7949b438-35fb-46fc-a526-e12561eba54f.jpg

54284672-6a7c-420f-93af-8293bd1fe5a5.jpg

Geena Davis mais uma vez só porque foi das melhores da noite.

a6968b6a-d772-40bb-99dc-a4cb0539a315.jpg

b0cceb12-f81f-47d2-88f5-36f18047f7f3.jpg

Esta é uma das razões pelas quais não gosto de tatuagens, especialmente grandes e em locais muito visíveis, este vestido ficava muito melhor sem elas, aquele colar foi muito mal escolhido, e as pulseiras, credo! Mas o vestido é dos meus favoritos.

b34abbbb-795e-4dab-a1cb-df78f179f9b0.jpg

Gosto, acho super giro este vestido e a cor é linda.

cba820ac-4130-4315-a43c-c6afbac3d50e.jpg

A idade é um posto e ponto.

ddf56c77-e9a7-4635-ac93-e94d715244d3.jpg

e66a8d9d-f56d-4173-8e61-63dd2bd09d84.jpg

eb426f1a-1e33-40d0-b136-0327fca6dbe8.jpg

f109df87-6ce7-4e2e-9829-4a819a4a3e84.jpg

Alguém que me diga o que é que estas mulheres comem, bebem e respiram, por favor. Tenho a certeza que não é o mesmo que eu.