Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

A desonra (petulância) de António Costa

Nunca gostei de António Costa, não tenho uma boa opinião dele enquanto político e acho-o até um político perigoso porque é astuto, inteligente e acha-se superior aos demais, mas em tempos de pandemia, devo dizer que subiu uns pontos na minha consideração, o que convenhamos não foi difícil dada a impreparação das restantes pessoas que falavam ao país.

Mas a revelação que faz parte da comissão de honra de Luís Filipe Vieira aniquilou qualquer simpatia que podia nutrir pela sua pessoa, não é só pela atitude irresponsável, pelo mau exemplo, mas pela petulância com que faz as coisas, afirmando que faz parte da comissão de honra enquanto cidadão, se não fosse de tão mau gosto, quase que seria uma piada.

Em primeiro lugar Luís Filipe Vieira e honra nunca deveriam aparecer na mesma frase, a não ser para dizer que essa pessoa não tem qualquer honra, ética ou moral, em segundo lugar porque o poder político, não pode, não deve misturar-se com dirigentes desportivos em geral e em particular com um que é acusado de fraude.

Em Portugal perdeu-se completamente a vergonha, é que nem sequer tentam disfarçar, é mesmo à descarada, talvez para que os portugueses percebam de uma vez que nada podem fazer contra os poderosos corruptos que nos assaltam os bolsos com a conivência da justiça e dos governantes.

Não se trata de clubismo, como andam os cegos e paranoicos a acusar quem se indigna com esta situação, não tem nada a ver com o Benfica, tem a ver com a pessoa que preside ao clube e que continuará a presidir porque se vale de todas as artimanhas e mais algumas para ser reeleito presidente.

Espero que Luís Filipe Vieira seja condenado e que arraste com ele os amigos, os conhecidos e todos aqueles que permitiram que este nos roubasse a todos descaradamente e sem qualquer vergonha ou remorso.

Espero que António Costa perca o apoio e se afunde na sua própria vaidade.

Mas acima de tudo, espero, mas espero mesmo que os portugueses comecem a abrir os olhos e se deixem de preocupar com insignificâncias para perceberem que a sua vida só vai realmente melhorar quando exigirem mais e melhor de quem os governa, nem que para isso seja preciso uma nova revolução.

Que abram os olhos antes que os analfabetos em manada, grunhos e cordeiros façam chegar ao poder uma extrema-direita que se alimenta de notícias falsas e tendenciosas e propostas de medidas populistas, completamente ineficazes só para agradar o povinho revoltado que acha que o que leva o país à falência são os beneficiários de RSI e os reclusos!

Mandem trabalhar os beneficiários de RSI e os reclusos, mas protejam os cães grandes que roubam milhões e ainda têm o desplante de se rirem na nossa cara.

António Costa deveria no mínimo retratar-se já que pedir a sua demissão nesta altura não seria prudente, mas Marcelo Rebelo de Sousa podia pela primeira vez tomar uma atitude digna de Presidente, ao menos salvava o mandato, pedir explicações não é suficiente, é manifestamente insuficiente.

Em Portugal não há racismo… claro que há!

bruno.jpeg

 

Há assassinos, mas não há racismo, nem machismo, nem xenofobismo, esses “ismos” que tantos teimam em dizer que não estão presentes na nossa sociedade, talvez porque confundam a nossa constituição com o nosso conjunto de valores, a nossa constituição supostamente não discrimina, mas o mesmo não se passa com a nossa sociedade.

Há tanto racismo em Portugal que a notícia de um homem morto à queima-roupa, em plena luz do dia com dezenas de testemunhas foi dada a meio das notícias, sem grande tempo de antena, como se de um crime trivial se tratasse, afinal há homicídios à mão-armada todos os dias em Portugal, até parece que é algo que seja comum ver-se nas notícias.

Há tanto racismo em Portugal que mesmo tratando-se de um ator, embora pouco reconhecido, nem isso foi suficiente para darem a este crime hediondo as manchetes que dão a outros temas, porquê? Simples, a audiência pouco se importa com esta vítima, não se revê nela, não a reconhece como igual, provavelmente até encolhem os ombros e encontram desculpas para o crime, afinal deverá ter feito alguma coisa para que o pobre homem de 80 anos o tenha morto.

Parece irrelevante que a família tenha afirmado de imediato que o assassino já o havia ameaçado de morte três dias antes e tenha proferido insultos racistas, o típico – “Vai para a tua terra!”

Esta afirmação tão estúpida e ignorante que é proferida vezes sem conta contra negros, mas também contra brasileiros, ucranianos e contra todos aqueles a quem os portugueses acham que lhes podem causar dano.

Incrível como um país que tem uma herança tão grande e pesada de conquista e colonialismo, caracterizado por ter uma enorme percentagem de emigrantes há tanta aversão a estrangeiros, mas só àqueles que considera inferiores a si, porque é ver os portugueses a bajular ingleses, alemães, franceses, holandeses, desde que não sejam hippies, porque aí já passam de bestiais a bestas.

Continuamos a tapar o sol com a peneira escusados nos brandos costumes, enquanto não enfrentarmos de frente o problema do racismo ele não desaparecerá por magia, mesmo sendo crime podemos encontrar afirmações racistas por todo lado, basta ler os comentários nos jornais, as pessoas nem sequer têm vergonha ou medo de serem racistas e não temem uma punição por esse crime, não temem porque ele passa impune na grande maioria dos casos.

Não consigo entender como é que alguém consegue catalogar e marcar outra pessoa só pela sua cor, etnia ou proveniência, tão informados, tão tecnológicos e tão ignorantes, deve ser este o maior paradoxo da atualidade.

À família de Bruno Canté Marques as minhas mais sinceras condolências, deve ser devastador ter um ente querido que sobrevive a um acidente para depois o ver ceifado à vida por um homicídio estúpido motivado pelo racismo. É preciso muita coragem para enfrentar esta dor.

Inadmissível como trataram os animais vítimas do incêndio

canil.jpg

 

O que se passou em Santo Tirso é desumano, cruel, vil, de uma insensibilidade e falta de empatia atrozes, como é possível não terem permito resgatar os animais de imediato?

A informação ainda é difusa e nestas situações a indignação leva a que se propague informação errada, mas as declarações e as fotos de quem esteve no local na hora não deixam margem para dúvidas, era possível ter-se feito mais, deveria ter-se feito mais no imediato e mesmo que já não se pudessem salvar alguns animais da morte, não persistiria esta dúvida do e se os tivessem deixado entrar.

Quanto às proprietárias não tenho palavras para as qualificar, as condições em que os animais se encontravam eram deploráveis e a sua atitude ainda mais deplorável a impedirem que fosse prestada ajuda e auxílio aos animais sobreviventes, não é de admirar pois temiam as consequências dos populares e voluntários de várias associações de proteção de animais que se encontravam no local.

Segundo as autoridades já teriam sido resgatados os animais em perigo e por indicação do veterinário os outros deveriam permanecer no local, justificaram o impedimento da entrada por se tratar de propriedade privada e a situação não ser de carácter urgente.

O veterinário responsável é tudo menos responsável pois deixar os animais naquelas condições não é de todo uma decisão que tenha em causa o bem-estar dos animais, e não faltam fotos para comprovar o estado lastimável em que foram deixados.

É inadmissível que retirem animais às pessoas por os deixarem sozinhos numa varanda e depois permitam abrigos ilegais com animais em condições lastimáveis, alguns com chip, um voluntário encontrou inclusive o seu próprio cão perdido, sem qualquer supervisão ou intervenção.

As leis de proteção animal de pouco servem se não forem cumpridas e se as autoridades não as fizerem cumprir, podem legislar muito, mas se as pessoas e as próprias autoridades não estiverem em linha com as leis e com o civismo, de nada nos serve a legislação.

Pessoas que perante uma calamidade destas respondem que se fossem pessoas era bem pior, deixam bem patente a falta de empatia e humanidade que sentem, a vida de um animal não se compara à vida de uma pessoa e a vida de uma pessoa não se compara à vida de um animal, mas todos têm direito à vida e à proteção da sua integridade física e psicológica, a forma como tratamos os animais e a natureza em geral diz muito da nossa natureza, que sem revelado bárbara e pré-histórica.

 

Foto da página https://www.facebook.com/pelosanimaisdesantotirso/