Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Faltas justificadas no trabalho por luto a animais de companhia

Entendo perfeitamente que para muitas pessoas um animal de companhia seja realmente a sua companhia e que a sua partida seja dolorosa.

Entendo que quem tem animais quando os tem de levar ao veterinário possa eventualmente ter de faltar ao trabalho para o fazer.

Mas tenho umas certas dúvidas existenciais em relação a estes temas:

- Estará certo ter direito a período de nojo por um animal, quando não o temos por um tio, por um sobrinho, por um namorado, por um amigo?

- Estará certo exigir isto sem falarmos que pela morte de um irmão ou de um neto temos de nos recompor em dois dias?

- Será correto pedir para termos dias para assistência a animais, quando a assistência a filhos e a outros familiares é tão complicada?

Não quero com isto desvalorizar o pedido, mas tenho dificuldade em entender que não possamos ter um período de luto por um familiar ou amigo e possamos ter por um animal, por mais especial e significativo que ele seja para nós.

Adoro animais, mas nunca consegui elevar os animais ao estatuto das pessoas, os meus animais fazem-me falta, são parte da minha vida, preenchem-na e dão-lhe mais cor, mais alegria, mas por mais amor que lhes tenha, não os amo como amo a minha família e os meus amigos, é um amor diferente.

Não devemos invalidar os direitos dos animais pela falta de direitos, melhor dizendo, pelo incumprimento dos direitos, das pessoas, até porque da legislação ao cumprimento da mesma há uma distância enorme que muitas vezes não se cumpre, mas num tempo em que as famílias e os grupos de amigos encolhem a uma velocidade atroz, deveríamos pensar em proteger esse núcleo central na vida das pessoas.

Neste momento o que a lei me diz é que um tio, um sobrinho, um primo, um namorado e um amigo não são suficientemente importantes na minha vida para ter direito a prestar-lhes uma última homenagem.

Onde vivo, há uns anos, quando falecia alguém as pessoas reuniam-se nos velórios e funerais, todos os vizinhos, amigos e claro familiares se reuniam para se despedir, para honrar a memória do morto e prestar auxílio e apoio à família.

Com o passar do tempo os funerais tornaram-se cada vez mais pequenos, mais solitários e mais frios, as pessoas não podem faltar ao trabalho, as pessoas não podem tirar uns instantes das suas vidas só porque a vida de alguém parou, porque o mundo continua a girar é preciso participar na roda da economia e das aparências.

Vivemos dias sombrios, onde as despedidas são ainda mais dolorosas pela falta do toque, do beijo, do abraço, não façamos deste tempo, do novo normal como dizem, um eterno normal, não nos desapeguemos das pessoas, não nos esqueçamos que todos precisamos de carinho e afetos, não quero viver num mundo onde ninguém se abraça, onde os beijos são proibidos e os afagos um problema.

Haverá sempre um antes e um depois do Corona Vírus, vamos garantir que o depois é melhor do que o antes.

Inadmissível como trataram os animais vítimas do incêndio

canil.jpg

 

O que se passou em Santo Tirso é desumano, cruel, vil, de uma insensibilidade e falta de empatia atrozes, como é possível não terem permito resgatar os animais de imediato?

A informação ainda é difusa e nestas situações a indignação leva a que se propague informação errada, mas as declarações e as fotos de quem esteve no local na hora não deixam margem para dúvidas, era possível ter-se feito mais, deveria ter-se feito mais no imediato e mesmo que já não se pudessem salvar alguns animais da morte, não persistiria esta dúvida do e se os tivessem deixado entrar.

Quanto às proprietárias não tenho palavras para as qualificar, as condições em que os animais se encontravam eram deploráveis e a sua atitude ainda mais deplorável a impedirem que fosse prestada ajuda e auxílio aos animais sobreviventes, não é de admirar pois temiam as consequências dos populares e voluntários de várias associações de proteção de animais que se encontravam no local.

Segundo as autoridades já teriam sido resgatados os animais em perigo e por indicação do veterinário os outros deveriam permanecer no local, justificaram o impedimento da entrada por se tratar de propriedade privada e a situação não ser de carácter urgente.

O veterinário responsável é tudo menos responsável pois deixar os animais naquelas condições não é de todo uma decisão que tenha em causa o bem-estar dos animais, e não faltam fotos para comprovar o estado lastimável em que foram deixados.

É inadmissível que retirem animais às pessoas por os deixarem sozinhos numa varanda e depois permitam abrigos ilegais com animais em condições lastimáveis, alguns com chip, um voluntário encontrou inclusive o seu próprio cão perdido, sem qualquer supervisão ou intervenção.

As leis de proteção animal de pouco servem se não forem cumpridas e se as autoridades não as fizerem cumprir, podem legislar muito, mas se as pessoas e as próprias autoridades não estiverem em linha com as leis e com o civismo, de nada nos serve a legislação.

Pessoas que perante uma calamidade destas respondem que se fossem pessoas era bem pior, deixam bem patente a falta de empatia e humanidade que sentem, a vida de um animal não se compara à vida de uma pessoa e a vida de uma pessoa não se compara à vida de um animal, mas todos têm direito à vida e à proteção da sua integridade física e psicológica, a forma como tratamos os animais e a natureza em geral diz muito da nossa natureza, que sem revelado bárbara e pré-histórica.

 

Foto da página https://www.facebook.com/pelosanimaisdesantotirso/

 

 

 

 

 

 

 

Não abandone o seu animal!

 

 

não ao abandono.jpg

 

Férias dos humanos infelizmente são sinal de abandono dos animais de estimação, custa a crer que ainda existam pessoas capazes de abandonar um animal que faz parte da sua vida, mesmo que não considerem o animal um membro da família, ele faz parte da dinâmica familiar e é um ser dependente do dono para sobreviver, abandonar um animal é condená-lo a provações, dor e provavelmente à morte, o que faz dos antigos donos assassinos.

Na zona onde vivo e trabalho já é notório o abandono, junto às zonas industriais já circulam cães abandonados, todos os anos aqui na empresa aparecem dois ou três animais, esta semana apareceu uma cadelinha com coleira, felizmente que há sempre um funcionário que os acolhe, enquanto não se decide o dono vamos alimentando-os até que alguém se enternece e os leva para casa.

Já acolhemos inclusive ninhadas quer de cães, quer de gatos, já colocaram uma ninhada de cães dentro de um saco do lixo que foram resgatados pelo choro quando alguns estavam já prestes a desfalecer sem oxigénio.

A crueldade das pessoas não tem limites, é preciso ter-se um coração de pedra para tratar assim um animal, especialmente quando é “nosso”.

Só esta semana vi um cão atropelado, outro visivelmente perdido e desnorteado e outro a vaguear aqui pela empresa, possivelmente três animais abandonados cujos donos os trocaram por umas férias.

 

As pessoas têm direito a férias, mas pensem nisso antes de adotarem ou comprarem um animal, pensem na responsabilidade e na disponibilidade que eles merecem da vossa parte, se não têm possibilidades financeiras para colocar o animal num hotel e se não têm um familiar, amigo ou vizinho que posso tomar conta dele durante as vossas ausências não acolham um animal, porque um ser vivo não é descartável.

É repugnante maltratar um animal, mas abandonar os próprios animais de estimação mais do que nojento, é insano, para além de um crime é uma demonstração de falta de moral, de negligência, de irresponsabilidade, de falta de empatia e de amor.

Adoro animais, sempre tive cães e gatos na casa dos meus pais, na minha casa tenho apenas gatos porque sei que não tenho capacidade para ter um cão, um dos entraves é precisamente não ter quem cuide dele durante as férias, a minha gata entra e sai e basta alguém dar-lhe água e comida na nossa ausência, um cão implicaria outros cuidados.

Pensem bem antes de acolherem um animal se não têm o carácter e a dedicação que são necessárias para cuidar dele, acreditem ele fica melhor sem a vossa companhia.