Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Marcas pagam a influenciadores para falarem mal da concorrência – Será só na cosmética?

A polémica estalou na comunidade de youtubers que promovem cosméticos, quando MarlenaStell publicou um vídeo a desmascarar a indústria de cosméticos e beleza e foi imediatamente apoiada por Kevin James Bennet, maquilhador profissional.

Foi precisamente Kevin James Bennet que afirmou ter acesso a propostas para uma review de um produto de 64 a 73 mil euros para dizer mal da concorrência.

Se o ambiente entre youtubers segundo Marlena Stell não é o melhor, a notícia que existem marcas a pagar para que influenciadores façam reviews negativos da concorrência eleva a polémica a outro nível.

 

Não é novidade que muitos influenciadores digitas que utilizam diversas plataformas de divulgação não identificam posts, fotos, vídeos que são patrocinados, na verdade há cada vez mais incerteza se o que estamos a ler ou a ver é uma opinião honesta e sincera ou se é um patrocínio, a situação piora quando as marcas definem o que deve ser escrito ou dito.

A publicidade tradicional está a ser substituída pela publicidade digital e pelos opinion makers, a questão é se podemos realmente confiar na opinião de um influenciador.

 

Pessoalmente prefiro blogs a vblogs, mas os canais de YouTube têm cada vez mais importância e mais audiência, se tem vindo a ser discutida a influência que esses canais têm nos mais novos, não há discussão sobre a sua influência nos adultos.

A questão que se coloca é simples, como podem os pais discernir sobre a influência que os youtubers exercem sobre os filhos se eles próprios têm dificuldade em discernir se são ou não influenciados e indo mais longe manipulados.

Este é um tema muito importante ao qual não tem sido dada a importância devida e sobre o qual há pouquíssima legislação que defenda o consumidor, sempre existiu publicidade enganosa, anúncios de produtos que prometem milagres e que na verdade não passam de banha da cobra, mas a situação atinge proporções perigosas quando influenciadores não aconselham somente produtos, mas estilos de vida, dietas, medicamentos e pior a desistência da medicina tradicional.

 

Esta semana foi anunciado que todos os portugueses vão poder, a partir de Janeiro, aceder de forma gratuita a plataformas digitais internacionais com informação clínica e cientificamente validada, uma iniciativa da Ordem dos Médicos e do Ministério da Saúde.

Esta iniciativa visa combater o “Dr. Google”, já que o motor de busca parece ter mais credibilidade que os médicos e comunidade científica, esta medida é um passo importantíssimo, mas não resolve o problema, porque infelizmente pior do que o “Dr. Google” é o “Dr. Facebook” onde os grupos fechados assumem uma importância desproporcional à sua validade, onde pessoas assumem posições radicais e fundamentalistas sobre tudo e onde pessoas com pouca cultura e instrução são facilmente influenciadas.

Quando vemos pessoas questionarem ordens e prescrições médicas em grupos e fóruns e as vemos receber indicações contrárias às dadas pelo médico, é sinal que estamos a enveredar por um caminho muito perigoso.

 

A grande questão é como controlar a situação, não podemos negar a liberdade de expressão às pessoas, o que podemos e devemos é responsabiliza-las pelas suas afirmações, especialmente os influenciadores que lucram com as suas “opiniões”, há uns anos foi possível responsabilizar as tabaqueiras, deverá ser possível responsabilizar os influenciadores e acima de tudo responsabilizar as marcas que os patrocinam.

O problema só será totalmente resolvido com educação e formação, mas as pessoas, especialmente as gerações mais novas, têm cada vez mais dificuldade em distinguir conteúdo de publicidade, pelo que será muito difícil educa-las nesse sentido.

 

É por isso necessária muita atenção ao nosso comportamento e ao comportamento dos mais novos, é preciso ler e ver com atenção os conteúdos que nos chegam e questionar sempre se é uma opinião sincera, sensata ou uma opinião paga. Muitas vezes basta conhecer o influenciador e a sua forma de expressão para detetar se são as suas palavras ou as palavras da marca.

Em resumo, não acreditem em tudo o que leem e ouvem, nem tudo o que reluz é ouro e no que toca à alimentação e saúde ouçam os especialistas, a medicina pode não ser perfeita, mas ainda é a melhor opção, até prova científica em contrário.

 

 

Passes mais baixos, mais uma piada.

Ainda bem que o Ministro do Ambiente já veio dizer que a medida a ser implementada será no país todo e não apenas em Lisboa e Porto, porque sinceramente seria uma tremenda injustiça e julgo até uma medida inconstitucional, mas a inconstitucionalidades só servem para proteger os interesses dos donos de Portugal.

Esta medida não é nada mais, nada menos do que pura campanha eleitoral, com os transportes públicos a rebentar pelas costuras e a prestar um péssimo serviço, querem enganar quem?

Falta investimento e acima de tudo falta uma gestão eficaz dos transportes, só com uma mudança na gestão se conseguirá ter preços interessantes e um serviço de qualidade, que atraia um maior número de utilizadores e retire carros e poluição às cidades.

Mas interessará aos municípios terem menos carros? Não creio, são uma excelente receita, não querem ver-se livres da galinha de ovos de oiro e é por isso que a grande revolução dos transportes passa por simplesmente baixar os preços a qualquer custo, o que significa mais impostos e nunca uma melhor gestão dos recursos.

Este país tem um grave problema de gestão, mas os políticos apenas se preocupam em gerir o seu próprio orçamento e para isso claro anunciam todas as medidas e mais algumas que lhes possam dar votos, por mais estapafúrdias que sejam.

Esta rentrée, que é uma parvoíce, até parece que o país parou, pelo andamento será muito fértil em medidas pouco eficazes em produzir resultados a longo prazo, mas muito eficazes na captação de votos.

Um povo inculto e desligado é muito fácil enganar, é dar-lhe umas migalhas, otimismo e sorrisos e está tudo bem.

E os que cá ficaram não têm direito a descontos?

António Costa é possivelmente a figura política mais cómica e mais ridícula que Portugal já teve ou alguma vez terá, o seu descaramento é descomunal e a forma como a sua insensibilidade é mascarada de simpatia é um real caso de estudo.

É surreal a sua Governação com base numa Geringonça desengonçada, débil, limitada, que quase por magia consegue sustentar para que seja possível manter-se no poder, sem a oposição real dos partidos mais reivindicativos BE e PCP e com a crise do PSD, Costa desgoverna alegremente este país, sendo que só Assunção Cristas lhe diz umas verdades que são de imediato ignoradas.

 

A sua sede de votos é tal que a propaganda política que faz é indecente, tudo vale para ganhar popularidade até anunciar medidas inconstitucionais e que promovem a desigualdade, recordo-me de Passos Coelho dizer aos jovens para emigrar, um escândalo, um ultraje, agora Costa manda os jovens regressar prometendo-lhe um desconto de 50% no IRS e ajudas nas despesas da viajem e de alojamento, como se isso fosse viável ou legal.

E os que cá ficaram a sustentar e a pagar a crise? Continuam com a carga fiscal mais pesada de sempre? Não há lugar a revolta aqui?

 

Os jovens não vão em cantigas e não irão regressar por lhe prometer uns doces, mas os saudosistas que têm os filhos e os netos emigrados aplaudem de pé a medida, na esperança de assim os seus descendentes terem a possibilidade de regressar a Portugal.

As papas e os bolos de Costa parecem alimentar este povo viciado em açúcar, um doce aqui, um rebuçado acolá, sorrisos, palmadinhas nas costas, uns números promissores que ninguém se importa em explicar e ninguém se importa em entender e o povo anda de barriga cheia de açúcar que sacia, mas não alimenta, que no curto prazo é saboroso, mas que a longo prazo se transforma em fel, mitiga o organismo, até que um dia é preciso administrar insulina da marca TROIKA.

 

É Agosto, até se atrasam comboios para a caravana do PS passar à frente quando a CP está caótica, mas falar disso não dá votos, o SNS está a ruir, há falta de médicos, enfermeiros e auxiliares, continuamos a pagar impostos elevadíssimos, continuamos a ganhar ordenados miseráveis, mas quem olha para António Costa e a sua comitiva parece que estamos a viver num país próspero, onde a crise é uma lembrança longínqua e o futuro é promissor.

Praticamente todos os dias nos dão conta de casos de corrupção, roubo, abuso de poder, o caso de Pedrógão é uma vergonha inqualificável, não existem adjetivos suficientemente maus para apelidar tamanho desaforo ao povo português, mas é Agosto, o povo apanha sol, banha-se nas águas, bebe umas cervejas, até o futebol regressou para entreter e tudo é levado pela água que passa debaixo da ponte.

 

Importante é discutir o ordenado da Cristina Ferreira, que goste-se ou não, não rouba ninguém, discutir a situação deste país e reivindicar um Estado mais justo, transparente, idóneo, honesto, íntegro e honrado que sirva os interesses do povo e não os de um punhado de privilegiados que comungam entre si para enriquecer ilicitamente não é importante, é um assunto aborrecido, demasiado sério que não dá para dar risadas e fazer piadas entre uma cerveja e outra.

 

Os que cá ficam não têm direito a nada, limitam-se a pagar o que o Estado define que devem pagar e como também não querem saber disso, continuam a ser espremidos ano após ano. No fundo têm o que merecem, porque quem dorme à sombra da bananeira sujeita-se a viver numa República das Bananas, onde as bananas são eles.