Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Coisas que acontecem lá em casa #11

Há muito tempo que não partilho as peripécias lá de casa, o que aconteceu hoje?

Troquei de telemóvel com o Moralez!

É o que dá comprar modelos iguais em cores parecidas, o que é estranho é não ter acontecido antes, pois esta confusão já era de prever.

Não é um grande problema porque vamos gerindo os contactos um do outro, o mais engraçado é atender uma chamada supostamente minha, olhar para o ecrã e ver a minha foto é muito estranho, como tivemos de falar várias vezes a sensação foi-se repetindo. Claro que sei quem está a ligar, mas mesmo assim a imagem manda ao nosso cérebro uma informação contraditória que causa alguma estranheza.

Quando os dias começam assim com percalços raramente correm bem e talvez tenha sido por isso que o meu dia está a ser caótico a nível de trabalho e eu me sinta tão queixosa e birrenta.

Hoje também entornei um capuchino, felizmente consegui afastar-me o suficiente para não estragar os sapatos e esqueci-me de uma parte do lanche em casa.

Espero mesmo que os percalços fiquem por aqui.

Coincidências ou condicionamentos?

Tinha planeado na hora de almoço fazer um convite de aniversário para a festa da filha de uma amiga, o convite tem como tema a Minnie, a cor predominante é o rosa e não faltam as famosas bolinhas tão caraterísticas das roupas da namorada do Mickey.

Há pouco quando descia uma escadaria olho para baixo e não contive o riso, imaginem o que trago vestido? Uns sapatos cor-de-rosa, umas calças pretas e uma blusa preta com bolinhas cor-de-rosa, inconscientemente vim praticamente vestida de Minnie.

Não, não é coincidência ontem enquanto planeava o que vestir tudo me levava para o rosa, bem sei que a cor até está na moda, mas o nosso cérebro é maravilhoso a condicionarmo-nos.

 

P. S. Não pensem que os sapatos rosa e bolinhas é algo muito chamativo, o conjunto é muito sóbrio e até discreto já que a base é o preto e o rosa muito clarinho, só para que não pensem que ando vestida de Barbie.

Trabalho a dois

Novos projetos colocaram-me a trabalhar para o meu marido, uma associação que tem tudo para correr mal e passo a explicar porquê.

A nível criativo ele é objetivo, eu gosto de divagar.

Ele inicia imediatamente o projeto, eu gosto de definir primeiro as bases.

Ele dá importância ao global, eu estou sempre focada nos detalhes.

Ambos somos teimosos.

Ambos perfeccionistas.

Ambos exigentes.

A este cenário juntemos-lhe problemas técnicos, falta de tempo, stress, problemas de saúde e ansiedade e temos uma semana caótica.

Nunca tive uma semana tão improdutivamente produtiva, porquê?

Ficou muito por fazer, ficaram para trás outros projetos para abraçarmos este, mas pelo caminho definimos um processo, aprendemos a ceder, afinamos pontos de vistas, ajustamo-nos e aprendemos a trabalhar em equipa.

Estou muito orgulhosa de ti meu Amor, sempre soube que para ti nada é impossível, tudo o que precisas é de motivação e de um projeto aliciante.

Ainda não terminou, mas os alicerces já estão edificados, são sólidos e robustos, o próximo projeto será bem mais fácil e fluído.

Possivelmente o Moralez não lerá este texto a menos que o avise já que não tem visitado o blog, mas senti que tinha de deixar aqui um testemunho para a posterioridade, já que este blog acaba por acompanhar as nossas derrotas e as nossas vitórias, faz sentido relatar esta, sei que o texto não diz muito, mas a mim, a nós diz tudo.