Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Malas,Tutti Fruti, Marcelo e Coices

Somos um país de brandos costumes e de fruta da época, desculpabiliza-se a violência gratuita e racista porque alguém furou uma fila, ao mesmo tempo que se exige provas da alegada violência contra jovens à secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Isto porque não é possível que em Portugal haja racismo e muito menos que exista violência e assédio a jovens e a haver, são elas que estão com pouca roupa e sorrisos na cara.

O espanto, a indignação, a novidade, até parece que não leem as notícias do CM e do JN, não me digam que acham que são inventadas.

 

É novidade também a raridade da corrupção das associações que chega agora às associações de defesa dos animais, o mau caráter não é exclusivo de quem defende pessoas, mas também de quem defende animais, nem sequer é exclusivo dos partidos mais conhecidos.

Por falar em partidos temos uma bela salada de frutas entre PS e PSD com sabor a Tutti Fruti, um esquema bem ao género do ditado “uma mão lava a outra e as duas lavam a cara”, traduzindo para miúdos um partido ganha ao outro e os dois juntos ganham a dobrar.

Passear malas carregadas de dinheiro parece ser uma forma prática de financiar amigos, assim ao jeito do amigo do Sócrates, um amigalhaço que gosta de distribuir riqueza, os protagonistas da “Mala Cia” também parecem gostar desta técnica usada desde sempre pelos mafiosos, eficaz e quase indetetável.

 

Em Santa Maria da Feira um estudo prova que as cabras sapadoras são uma excelente opção para limpar as florestas portuguesas, uma descoberta digna de prémio nobel, mas o que interessam as cabras quando há coices tão bem dados?

O nosso Presidente mostrou ao Trump como é que um português cumprimenta e ainda o fez crer que em Portugal gostamos de celebridades, mas seríamos incapazes de votar nelas, é melhor não testar esta teoria.

Cristiano Ronaldo era bem capaz de ser eleito e a ser talvez não fosse uma má escolha, com a sua ambição não descansaria enquanto não fosse o melhor Presidente de sempre, por isso é melhor não lhe dar ideias Sr. Presidente.

Sorte, Nervos e Ronaldo

Em três palavras podemos resumir o jogo de Portugal com Marrocos.

Imensa dificuldade em trocar a bola, dificuldade em manter a posse de bola, imensos passes falhados e uma total incapacidade em ganhar ressaltos, foi assim a equipa portuguesa.

Valeu-nos o golo de Ronaldo, que parece levar a equipa às costas com a ajuda da defesa, palmas para Rui Patrício, meio campo inexistente com um ataque impossível de descrever, é a segunda vez que Ronaldo dá meio golo que não se concretiza.

Foram 91 minutos de puro sofrimento, nervos e muito praguejar, um jogo fraco que nada teve a ver com o primeiro.

Esperemos que contra o Irão a equipa esteja finalmente afinada porque não nos podemos fiar sempre na sorte.

Força Portugal.

Madrid é uma real desilusão

Não, não é cidade que é bem interessante, é mesmo clube.

O Real Madrid teve a infeliz ideia de pedir aos órgãos de comunicação social que não publicassem fotos de Cristiano Ronaldo com o equipamento do clube nas notícias que se referissem à alegada fraude fiscal que cometeu.

Eu acho muito bem, acho até que sempre que se falasse de Ronaldo, nunca se falasse do Real Madrid, que se fale de Portugal e da Seleção Portuguesa e que ele apareça sempre com o equipamento das Quinas para o bem e para o mal.

Culpado ou não o clube não poderia ter esta atitude vil e cobarde, deveria ter ficado do lado do jogador, seria tão simples quanto não tecer comentários até que as alegações passassem a condenações ou fossem arquivadas.

 

No seguimento desta demarcação o Real Madrid deveria deixar de vender a camisola do número 7, não vão as pessoas associar Ronald ao clube?

É que ele nem é o jogador mais conhecido da equipa e não foi ele que tanto fez pelo clube?

Passado é passado e no presente o que interessa é que não associem o clube ao jogador, por isso que se pare imediatamente a venda de camisolas oficias, é o mínimo que o Real Madrid pode fazer.

Os senhores da contrafação agradecem.

Já diziam os antigos que “De Espanha nem bom vento, nem bom casamento”.