Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

A nobre arte de não fazer nada e parecer muito ocupado

Há uma espécie de trabalhadores que é exímia em não fazer nada e ao mesmo tempo parecer essencial e vital para o funcionamento das empresas, digo-vos é uma arte, uma arte que não está ao alcance de todos, pois é muito difícil de executar e especialmente de sustentar ao longo do tempo.

Parecer ocupado sem realmente o estar é relativamente fácil, difícil é mesmo ocupar-se de modo a parecer que se está a trabalhar, não é fácil estar dias seguidos num escritório sem apresentar um único trabalho, é preciso ocupar o tempo de alguma forma e ter sempre um backup para apresentar trabalho caso alguém questione.

 

Em conversas com colegas a questão é sempre a mesma: Como é que ninguém das chefias percebe este comportamento? É realmente estranho que ninguém perceba que na empresa existem pessoas que praticamente não fazem nada durante o mês e que em alguns dias não fazem literalmente e rigorosamente nada.

Tanto perguntaram que comecei a analisar o comportamento dessas pessoas e existe realmente um padrão, e surpresa das surpresas não é nada de surpreendente, vejamos então em que assenta a sua estratégia.

 

- Cara compenetrada e séria em frente ao PC, uma expressão a roçar a má disposição, de quem está atolado até aos olhos em trabalho;

- Responder aos colegas que se está com muito trabalho e por isso não executar de imediato o lhes é pedido;

- Responder às chefias que irá parar de imediato o que está a fazer para executar prontamente o que lhe pedem;

- Em conversas dar a entender o quão importante é a sua função na empresa, de preferência referir que não há mais ninguém capaz de realizar o seu trabalho;

- Travar amizades no trabalho, especialmente com os chefes e levar essas amizades para a esfera pessoal;

- Resolver problemas pessoais dos colegas e especialmente dos chefes, uma pessoa prestável e disponível é sempre bem vista;

- Escolher conscientemente as amizades no local do trabalho, importa agradar aos chefes, mas também aos colegas que lhes guardam as costas e que imagine-se até os ajudam no trabalho quando reclamam que estão sobrecarregados;

- Estar atento a todas as conversas e ter sempre uma sugestão para o trabalho dos outros, mostrar-se muito interessado e entendido, mesmo que não perceba nada do assunto;

- Sair mais tarde que os colegas, mesmo que se tenha atrasado de manhã, fica sempre bem ser visto a sair depois da hora.

O maior problema é conseguir manter esta ilusão por muito tempo, porque há imensa probabilidade de acontecerem duas coisas:

- O encostado encosta-se tanto e fica numa posição tão confortável que começa a dar nas vistas e quando lhe é pedido um trabalho não tem capacidade de resposta.

- Os colegas que mais tarde ou mais cedo percebem a situação e começam a comentar uns com os outros, pode acontecer uma de suas situações ou fazem queixa às chefias ou desmotivam e passam eles também a trabalhar menos.

 

A empresa fica sempre a perder, para quem percebe a situação a revolta e a desmotivação podem ser de tal forma incomodativas que podem alterar o seu humor e o seu trabalho, inevitavelmente irar-se-á criar mau ambiente, fazer queixa e comparações com os colegas não se revela boa opção, até porque teremos de lutar contra a imagem perfeita que o colega levou anos a contruir sustentada muitas vezes por uma amizade com o chefe, as opções que nos restam são conviver com a situação ou mudar de emprego.

 

Antes de mandarmos tudo às urtigas e colocarmos em risco a nossa carreira por causa de um colega incompetente, o melhor é fazermos exatamente o oposto, trabalhar com afinco, demonstrar dedicação, apresentar trabalho e falar desse trabalho.

Quando se cria o hábito de dizer e expor o que se tem feito, tudo fundamentado com provas da sua execução, chegará uma altura em que será percetível que esse colega não tem realmente nada a apresentar e que a sua função não é na verdade tão essencial e importante como ele fez parecer.

Muitas vezes os chefes e diretores têm as listas de tarefas dos colaboradores, mas não sabem exatamente o que eles fazem e como as desempenham, para eles o importante é o trabalho estar feito, uma pena que a estratégia de recursos humanos seja inexistente e que não existam avaliações completas dos funcionários, planos de carreira e possibilidades de progressão.

Enquanto a cultura organizacional não mudar, existirão sempre estes parasitas que deambulam nas empresas como se elas realmente precisassem deles. A culpa é da gestão que cria condições para que estes parasitas se alimentem da empresa sem contribuírem para o seu funcionamento e desenvolvimento.

 

Ter uma empresa em Portugal #2 – Parceiros

A minha paciência? Morreu!

Hoje é um daqueles dias que me apetece mandar tudo às urtigas, a minha paciência não se encontra em parte incerta ou foi de férias, acho que morreu mesmo, está morta e enterrada e não ressuscitará!

Sinceramente não sei como é que a economia portuguesa conseguirá algum dia florescer com a quantidade de empresas e pessoas incompetentes que nelas trabalham!

 

É impossível prestar um bom serviço quando ninguém nos presta um bom serviço.

Três dias para dar um prazo de entrega? O cliente já desistiu da compra.

Prazos de entrega de dois meses? O cliente já desistiu da compra.

Mudança de gama sem aviso? Mais um cliente que já desistiu da compra.

Recolhas e entregas falhadas? Muitas, clientes a reclamar.

 

Falta de informação, falta de rigor, falta de organização, é uma dificuldade terrífica e extenuante encontrar fornecedores credíveis e fiáveis, encontrar verdadeiros parceiros de negócio é um milagre.

O desgaste, o stress e o trabalho extra causado por estas situações é arrasador de qualquer otimismo, de qualquer empreendedor e de qualquer empresa que queira ser uma referência.

Quando andávamos à procura de fornecedores, nem lhes posso chamar parceiros, percebemos de imediato que grande parte das empresas eram efetivamente mal geridas, sem departamento comercial e sem qualquer estratégia de vendas, estarem impreparadas para um modelo de negócio diferente é normal, não terem solução para um modelo de negócio tradicional é ridículo.

Encontramos diversas empresas muito rogadas, com parâmetros de vendas inconcebíveis para pequenos negócios, nada contra, são estratégias, melhor dar um não redondo do que prestar um mau serviço de vendas, o que não entendemos é que empresas que necessitam de vendas, de exposição e de notoriedade não estarem minimamente interessadas em contribuir para que isso se concretize.

 

A luz ao fundo do túnel foram algumas empresas completamente descomplicadas, com condições comerciais estruturadas, tabelas de preços e respostas atempadas, mas são tão poucas que não são suficientes para a estabilidade do negócio.

Estávamos preparados para encontrar dificuldades, pensávamos nós que o mais difícil seria encontrar clientes, pelos vistos estávamos redondamente enganados o mais difícil é mesmo conseguir produtos para vender.

 

Perseverança e resistência é precisa em doses industriais para não desistir, é preciso muita força para continuar a acreditar num projeto, especialmente quando todos os outros parecem ter perdido a crença.

 

Ter uma empresa em Portugal #1 - Transportes

Ter uma empresa em Portugal #1 – Transportes

Ter uma empresa não é fácil, ter uma empresa em Portugal é extremamente difícil, são inúmeros obstáculos e burocracias que nos fazem desesperar a todo o momento.

Um dos maiores problemas é encontrar bons parceiros de negócio, especialmente na área dos transportes, encontrar um fornecedor que cumpra é quase impossível, nem os CTT, essa empresa que já foi uma referência, tem um bom serviço.

O que a experiência nos diz é que não há uma, pelo menos nós ainda não encontramos nenhuma, que funcione a 100%.

Os problemas encontrados são vários, envios cobrados em excesso, ou estão muito atentos às faturas ou ao final do ano estão a perder dinheiro por estarem a pagar envios de peças de 10kg a 20kg, ou pior, encomendas de 30kg a 100kg, envios internacionais, um problema ainda maior, é muito fácil serem cobrados por um código postal mais alto ou serem faturados de outra forma, por exemplo em vez de kg serem faturados por volume para ser cobrado um valor mais alto.

Acionar o seguro é quase impossível, parece existir sempre uma razão para a culpa não ser do transportador, mas da empresa ou do cliente, podem ser as razões mais estapafúrdias, mas eles encontrarão sempre um motivo para se isentarem de culpa, mesmo que não exista desculpa possível.

 

O que fazer?

Estar muito atentos às faturas e aos envios e esperar que corra tudo bem, porque não há muito mais a fazer. Resolver uma reclamação e recuperar um valor debitado indevidamente demora muito tempo, por isso o meu conselho é que não optem por débitos diretos ou estarão constantemente a ter débitos indevidos que só conseguirão receber volvidos três meses.

O problema não passa apenas por ter clientes insatisfeitos, atrasos e faturas com valores errados, o problema maior é o tempo que despendemos a tratar de um assunto que supostamente seria simples e imediato e o stress que isso nos causa, transporte não é propriamente uma ciência, é um serviço simples, recolha- transporte-entrega, mas em Portugal entre a recolha e a entrega pode acontecer um pouco de tudo e a quantidade de encomendas que se perdem no processo é absurda, mais absurdo ainda é o transportador não saber onde as encomendas se encontram e não avisar que as perderam.

 

É impossível prestar um bom serviço se não existem bons prestadores de serviços e é impossível que cada empresa tenha o seu próprio sistema de transporte, para diminuir as incidências escolhemos a empresa de transportes consoante o tipo de envio, mas mesmo assim a taxa de problemas é elevadíssima, aliás ultimamente não há envio que não dê problemas e por causa disso em vez de estarmos focados em vender, estamos constantemente a resolver problemas de entrega, custa-nos tempo, dinheiro e clientes, é desmotivador e altamente frustrante.

Está muito na moda ser empreendedor, mas ninguém fala das dificuldades e obstáculos que o sistema coloca a quem pretende empreender.