Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Misoginia – Não é um fantasma inventado pelas feministas

Sinto-me uma preocupada no meio da despreocupação, a minha preocupação prende-se com o avançar inacreditável de ideias extremistas de direita, fascismo, racismo, misoginia e xenofobia.

Ideais que tiverem uma injeção de combustível dada pela pandemia, que só agora começou a ser gasto, nos próximos anos viveremos uma época de euforia e descontrolo que provavelmente culminará com uma crise financeira que será a cereja no topo do bolo para o fascismo se impor.

Enquanto não estão criadas todas as condições para que isso aconteça, chegam-nos notícias de todo lado sobre abusos e discriminação.

As mulheres são vítimas da sua própria falsa moralidade, quando são as primeiras a defenderem os agressores e a culpabilizarem as vítimas.

Dois casos em que os comentários me enojam e assuntam:

"Humilhação". Mulheres-soldado a marchar de saltos-altos causam fúria na Ucrânia

Colocar mulheres a marchar de saltos é uma afronta, é uma total discriminação e é uma estupidez, nem sei como é possível isto estar a acontecer num país supostamente democrático.

Aluna impedida de realizar exame por estar "muito destapada"

Os comentários são brejeiros e machistas, sendo que muitos são provenientes de mulheres, mulheres que possivelmente ainda acham que estarem tapadas as salvará de predadores sexuais, se assim fosse as mulheres que usam burkas estariam a salvo e o que se verifica é precisamente o contrário.

Não sei como estaria vestida a aluna, mas de certeza que não estaria em biquíni ou trajes menores, e se estivesse? Isso faria dela pior aluna? Pior pessoa?

É claro que devemos adaptar a nossa indumentária ao local onde estamos, mas uma sala de exame de uma faculdade não é um santuário, a instituição tem dress code? O dress code foi comunicado aos alunos?

Recordo-me perfeitamente que na época de exames de Junho/Julho, alunos e alunas compareciam nos exames com roupas mais leves e com mais pele à vista, se existiu algum problema por causa disso? Não, nunca.

Somos ainda muito retrógradas, muito tacanhos e muito mesquinhos, que os homens se escudem neste discurso para dominar as mulheres e fazerem delas as culpadas pelas suas faltas de respeito e  falta de valores, apesar de discordar veemente, entendo a perspetiva, agora que mulheres propaguem esse discurso não é passível de compreensão, é só pura ignorância ou maldade.

Continuem a dar aos homens motivos para nos aprisionarem em “bons costumes”, continuem a dar-lhes desculpas para comportamentos impróprios, façam-se de sonsas e alcoviteiras e depois leiam livros como as Cinquenta Sombras de Grey ou vejam séries como a Sex Life enquanto lamentam a vida miserável que levam.

Queixem-se da vida, da falta de tempo, mas depois tratem os homens como reis e senhores, seres especiais que não mexem uma palha, não lhe vá afetar a virilidade, encarreguem-se da gestão da casa, das tarefas domésticas, dos filhos e conciliem isso com um trabalho a tempo inteiro, vivam e sintam-se miseráveis enquanto criticam as mulheres que não têm medo dos homens e do que eles e outras mulheres pensam delas.

E depois as feministas é que estão erradas, são as feministas as frustradas...

Até vos dizia para arranjarem uma vida, mas já que são tão castas e tão bem comportadas, arranjem louça para lavar e roupa para passar, de preferência uma pilha de camisas do marido/namorado.

Tudo ao contrário – multas para quem deixar animais de estimação mais de 12h sem companhia

Em Portugal, a norma não é exigir condições para fazer as coisas bem, é punir as pessoas por não terem alternativas ou reclamar condições para fazer as coisas mal.

Este projeto de lei do PAN é anedótico, mas só o é porque, infelizmente, há pessoas que são obrigadas a se ausentarem de casa mais de 12h e não é assim tão difícil isso acontecer, basta ter duas horas de almoço, um hábito português que não faz qualquer sentido e trabalhar longe de casa e/ou ter de recorrer a múltiplos transportes públicos.

Como escrevi há tempos os portugueses não têm tempo para viver, é claro que não lhes sobra tempo para dedicar aos animais de estimação, falta-nos tempo para os filhos, para os companheiros, como poderia ser diferente com os animais?

A situação não passa por multar as pessoas por estarem fora de casa, mas sim criar condições para as pessoas passarem mais tempo em casa ou em lazer, assim como não faz sentido reclamar de horários mais alargados nas escolas e prolongamentos gratuitos, o que importa reclamar é menos horas de trabalho.

Será que ainda não entenderam que as pessoas são mais produtivas se andarem mais motivadas e menos cansadas, será que é assim tão difícil perceber que a felicidade e o bem-estar são o melhor motor da economia?

Não existe sequer necessidade de experimentação, o modelo está mais que testado e aprovado em outros países, há centenas de estudos que comprovam que bebés e crianças pequenas devem passar mais tempo com a família para o bem da sua saúde física e mental, assim que como há centenas de estudos que afirmam que é benéfico o convívio das crianças com animais de estimação, bem como estudos que comprovam que uma jornada de trabalho longa é prejudicial à saúde e à produtividade que começa a diminuir progressivamente e exponencialmente com o passar das horas.

Não física quântica é a mais pura das verdades, mas parece que ninguém quer saber disto.

Não se entende também porque é que os funcionários públicos trabalham 7h diárias e está estabelecido na lei que para o privado são 8h, bem sei que o está estabelecido é o máximo, mas porque é que é que o máximo não são 7h?

A divisão do dia em 8h de trabalho, 8h de lazer e 8h de sono é uma relíquia da revolução industrial antes de existir a tecnologia de ponta que existe nos dias de hoje e quando as pessoas viviam ao lado das fábricas, atualmente este modelo não faz qualquer sentido, não só não se adequa às necessidades da nossa vida, como não se adequa às necessidades das empresas, devemos trabalhar para a eficiência e a eficácia, fazer as coisas bem no mais curto espaço de tempo.

Quanto à proteção dos animais, concordo inteiramente que se protejam e que se produza legislação para isso, mas convém também dar formação às pessoas, porque na verdade não conheço uma única que pessoa que tenha levado uma multa por maus-tratos a animais, assim como não vejo multas para quem deixa dejetos de animais em todo lado e não respeita a sinalética.

É muito triste ver cães a fazer necessidades nas praias e nos jardins onde depois brincam crianças, há que ter noção que os animais são importantes, mas os humanos, especialmente os que ainda não sabem cuidar de si são mais, se há locais específicos para levar animais a passear são esses que devem usar se os quiserem livres, se os levam para outros locais tenham em consideração o comportamento do animal e o seu próprio comportamento.

Duas notas:

Primeiro, é peculiar que estejam preocupados que se deixe um animal sozinho mais de 12h e ninguém se preocupe que crianças com menos de 3 anos estejam precisamente 12h com estranhos, por mais profissionais que sejam, são estranhos e não lhes conseguem dar a atenção necessária.

Segundo, não menos peculiar é que continuem a querer legislar sem que seja realizada pressão para que seja cumprida a legislação que já se encontra em vigor, aprovar leis para agradar o eleitorado é uma falácia, o que precisamos é de alterar comportamentos pela formação e educação.

Mas afinal que importância tem um blog?

Em primeiro lugar tem a importância que o autor lhe dá, já que só e apenas o autor sabe as verdadeiras motivações, frustrações, intenções e objetivos do seu espaço de escrita.

Em segundo lugar tem a importância que os leitores lhe dão, seja pelos números de visitas, de favoritos, de seguidores, de comentários, mas mais uma vez voltamos à importância que o autor lhe dá, já que para um autor ter 100 visitas pode ser motivo de grande orgulho, enquanto que para outro 1000 visitas será um número muito abaixo das suas expetativas.

A seleção dos posts para destaques pela Equipa do Sapo Blogs sempre foi motivo de arrufos para alguns membros deste bairro, recordo-me dos meus primeiros destaques, foi nessa altura que descobri que os haters não precisam necessariamente de não gostar de mim, só não gostam que apareça mais do que eles.

Se todos os posts destacados são bons? São, uma vez que não existe nenhum método científico de classificação dos conteúdos e por isso a seleção será sempre com base em opiniões, mas não devemos esquecer que são opiniões de profissionais experientes, com muito mais capacidade de decidir o que deve ou não ser destacado do que qualquer autor deste bairro e que não sabemos o que motiva ou justifica o destaque, eles terão os seus parâmetros, regras e lógica.

Outro motivo de discórdia são os posts mais comentados, já que algumas conversas mantidas na caixa de comentários dos blogs fazem estalar o verniz de algumas elites aqui do bairro, mas a verdade é que por atrás dos blogs estão pessoas e se essas gostam de comunicar entre si, mesmo que seja a falar de trivialidades na caixa dos comentários, mais uma vez ninguém tem nada a ver com isso, até porque os blogs não são exclusivos de senhores doutores cultos e letrados que só discutem assuntos de alta importância, fulcrais para a nossa sociedade, os blogs são acessíveis a todos, e todos temos direito a nos exprimir da forma que sabemos e queremos, aliás há blogs criados apenas para desopilar da rigidez e seriedade da vida.

Temos a liberdade de escrever sobre o que queremos e bem entendemos, temos a liberdade de colocar o blog em privado, de moderar os comentários, de apagar comentários inapropriados e até de bloquear perfis, da mesma forma, quem nos lê tem liberdade de ler ou não ler, de comentar ou não comentar, de concordar ou discordar e os autores dos blogs têm também a liberdade de lerem e visitarem quem bem lhes aprouver e acima de tudo têm a liberdade de escrever sobre o que lhes apetece.

Não sei qual a dificuldade de algumas pessoas em entenderem esta dinâmica, muito menos não entendo a necessidade de cobrar atenção, visitas, comentários e destaques. Não é a primeira vez que escrevo sobre este assunto, escreverei as vezes que considerar necessárias, o blog é meu, é pessoal e nele eu escrevo o que quero, quando quero e converso sobre isso com quem eu quero.

Não obrigo ninguém a visitar-me ou a comentar, não é porque estou numa lista que são obrigados a ler ou a gostar, concordar com o que escrevo, é assim simples, não é física quântica.