Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Mãe desnaturada #1 – O nome da bebé!

dicas-escolher-nome-bebe.jpg

 

Decidi fazer já uma rubrica deste tema porque não me faltam assuntos para explorar nesta aventura da maternidade.

 

O primeiro tema é o nome da minha filha, devo ser uma mãe muito desnaturada, muito impreparada e muito esquisita, não é que a gravidez já vai a mais de meio e a pequenita ainda não tem nome!?

Admiro imenso aquelas pessoas que mesmo antes de terem filhos já escolherem os nomes deles, para todos os casos, menino, menina, gémeos, trigémeos, têm tudo pensado, há até quem tenha o cuidado de combinar os nomes dos filhos uns com os outros para tudo ser perfeito e harmonioso.

 

A escolha do nome de um filho é um assunto sério, afinal estamos a definir como uma pessoa será tratada durante toda a sua vida, existirão exceções que lhes permitirão alterar o nome, mas regra geral depois de a criança estar registada no registo civil é esse nome que irá usar para sempre.

Não é o nome que define a pessoa, mas a pessoa que define o nome, gosto de acreditar que sim, mas depois não conheço um Tomás, um Diogo, um Pedro e um Tiago que sejam calmos, isto só para dar alguns exemplos, para além disso todos conhecemos pessoas das quais não gostamos e os nomes dessas pessoas vão imediatamente para a lista negra, por mais giros que possam ser, por melhor que soem, ninguém vai colocar à filha o nome daquela colega de escola ranhosa, malcriada, presunçosa e impertinente que atazanava a vida a toda a gente.

Se conhecermos muitas pessoas e tivermos boa memória a situação pode tornar-se complicada, porque há sempre alguém de quem não gostamos com determinado nome, a juntar a isso ainda temos de imaginar a possível chacota e trocadilhos que alguns nomes dão oportunidade, regressamos novamente à escola e às lengalengas que infernizavam a vida de tantos colegas.

O dilema cresce quando não gostamos dos nomes mais comuns, nunca apreciei os nomes da moda, acho uma falta de imaginação terrível, pior ainda quando também não gostamos de nomes muito estranhos e estrangeiros.

 

Gosto de nomes marcantes, com história e com impacto, mas não é nada fácil encontrar aquele nome que nos enche as medidas, ainda não descobri um nome que ao pronunciar em voz alta me fizesse sentir e dizer – é este, é este o nome da minha filha.

Nem a mim, nem ao pai, se o Moralez tivesse uma clara preferência a situação seria bem mais fácil, mas somos os dois esquisitos no que toca a nomes e ainda não encontramos o tal.

Entretanto a situação ou dá para rir com as sugestões mais inusitadas, aqui a família tem ajudado à festa, ou para desesperar porque sentimos vontade de a tratar pelo nome.

Se tiverem sugestões façam o favor de dar, quem sabe se não poderemos encontrar assim o nome para a nossa princesa.

 

Não me venham para aqui com a história que não devemos associar as meninas às princesas, as pessoas já nascem com vontade e gostos próprios, tenho vários exemplos de amigas que as filhas são o oposto daquilo que as mães esperariam e fomentaram.

Partilhar ou não partilhar fotos

Ontem enviei para uma pessoa querida uma foto da sessão fotográfica que fizemos no sábado, uma sessão amadora em que o fotógrafo foi o talentoso marido que sempre soube tirar fotos, mas que desenvolveu recentemente uma paciência incrível para me fotografar e ainda mais paciência para equilibrar a máquina e correr para mim para nos fotografar aos dois. Obrigada Amor.

Não anunciei a gravidez nas redes socias, às pessoas mais próximas fizemos questão de contar pessoalmente, outras contamos por telefone e outras foram sabendo conforme nos foram encontrando, mas ao ver as fotos ontem senti vontade de partilhar.

Talvez tenha sido um acesso de vaidade, as fotos estão realmente bonitas, talvez tenha sido a felicidade a não querer ser contida, não sei explicar mas apeteceu-me partilhar duas fotos, não partilhei, até porque decidimos há muito reduzir as partilhas e escolher cuidadosamente as fotos que publicamos, quase sempre de locais e raramente nossas.

Fiquei a pensar nessa necessidade de expor e percebi, melhor validei o que já pensava, as fotos que eu coloco nas redes sociais são muito mais para mim do que para os outros, gosto de percorre-las e recordar os locais maravilhosos que visitei, os momentos fantásticos que vivi, as partilhas, as risadas, fotos bonitas, fotos engraçadas, fotos em posições estranhas, caretas, palhaçadas, minhas, nossas, da família e dos amigos, tão bom recordar esses momentos.

Foi por isso que ontem decidi que as molduras que tenho guardadas à espera que eu tenha vontade de as preencher irão finalmente ter serventia, com tantas fotos incríveis é uma pena que elas não decorem o nosso lar.

Não será um processo fácil, é preciso selecionar as fotos, escolher uma forma de as organizar, escolher a parede ou paredes onde as colocar, já sei que é projeto para envolver uma série de projetos, medições e tentativas, mas está decidido vou esburacar as paredes lá de casa.

Vou partilhar as melhores fotos com quem merece, com as nossas pessoas, aquelas que frequentam a nossa casa.

1+1 = 3 - A multiplicação do Amor.

O Amor quando repartido não se divide, multiplica-se, cresce, expande-se, é desse amor que se cria um pequeno milagre, onde duas células microscópicas se fundem e se dividem infinitamente até formarem um pequeno ser que carrega em si mais amor do que aquele que parece caber-nos no coração.

A boa-nova surge com uma avalanche de emoções, uma felicidade imensa e avassaladora mistura-se com uma ansiedade galopante, uma responsabilidade saborosa funde-se na maior prioridade nas nossas vidas e de repente aquele pequeno ser mágico é o centro de tudo e nunca a dedicação a alguém fez tanto sentido.

 

O dia em que de mãos-dadas tivemos a notícia choramos como nunca nos vi chorar, numa alegria que nunca senti, que nunca presenciei, um sentimento novo, impossível de controlar, de descrever.

A nossa vida mudou, mudará ainda mais, ficará mais rica, mais preenchida, mais completa e seguramente mais feliz.

Há dias em que dou por mim a pensar se realmente é verdade ou se ainda estou a sonhar, entre picos hormonais que me fazem variar o humor sinto-me a pessoa mais felizarda do mundo, sinto uma felicidade que prevalece acima de tudo.

O nosso mundo agora é pensado a três, são tantos os planos, os projetos, mas desejamos apenas saúde para o nosso bebé e tranquilidade para o receber, amor e carinho nunca lhe faltarão.

 

Estamos felizes, eu e ele, a melhor pessoa que poderia ter ao meu lado para fazer esta viagem, uma viagem com altos e baixos, com muitas gargalhadas e muitas lágrimas, mas principalmente com muito amor e carinho e com uma felicidade que nos ilumina aos dois.

Ainda não sabemos se serás menino ou menina, mas já te amamos mais do que conseguíamos imaginar ser possível e como o amor aumenta todos os dias, todos os dias te amamos mais, um sentimento que crescerá sempre porque o amor não ocupa espaço, expande-se.

 

O nosso amor multiplicou-se e gerou um bebé e a conta passou a ser 1+1 =3 e é a melhor conta que vida nos ofereceu.