Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Marcas pagam a influenciadores para falarem mal da concorrência – Será só na cosmética?

A polémica estalou na comunidade de youtubers que promovem cosméticos, quando MarlenaStell publicou um vídeo a desmascarar a indústria de cosméticos e beleza e foi imediatamente apoiada por Kevin James Bennet, maquilhador profissional.

Foi precisamente Kevin James Bennet que afirmou ter acesso a propostas para uma review de um produto de 64 a 73 mil euros para dizer mal da concorrência.

Se o ambiente entre youtubers segundo Marlena Stell não é o melhor, a notícia que existem marcas a pagar para que influenciadores façam reviews negativos da concorrência eleva a polémica a outro nível.

 

Não é novidade que muitos influenciadores digitas que utilizam diversas plataformas de divulgação não identificam posts, fotos, vídeos que são patrocinados, na verdade há cada vez mais incerteza se o que estamos a ler ou a ver é uma opinião honesta e sincera ou se é um patrocínio, a situação piora quando as marcas definem o que deve ser escrito ou dito.

A publicidade tradicional está a ser substituída pela publicidade digital e pelos opinion makers, a questão é se podemos realmente confiar na opinião de um influenciador.

 

Pessoalmente prefiro blogs a vblogs, mas os canais de YouTube têm cada vez mais importância e mais audiência, se tem vindo a ser discutida a influência que esses canais têm nos mais novos, não há discussão sobre a sua influência nos adultos.

A questão que se coloca é simples, como podem os pais discernir sobre a influência que os youtubers exercem sobre os filhos se eles próprios têm dificuldade em discernir se são ou não influenciados e indo mais longe manipulados.

Este é um tema muito importante ao qual não tem sido dada a importância devida e sobre o qual há pouquíssima legislação que defenda o consumidor, sempre existiu publicidade enganosa, anúncios de produtos que prometem milagres e que na verdade não passam de banha da cobra, mas a situação atinge proporções perigosas quando influenciadores não aconselham somente produtos, mas estilos de vida, dietas, medicamentos e pior a desistência da medicina tradicional.

 

Esta semana foi anunciado que todos os portugueses vão poder, a partir de Janeiro, aceder de forma gratuita a plataformas digitais internacionais com informação clínica e cientificamente validada, uma iniciativa da Ordem dos Médicos e do Ministério da Saúde.

Esta iniciativa visa combater o “Dr. Google”, já que o motor de busca parece ter mais credibilidade que os médicos e comunidade científica, esta medida é um passo importantíssimo, mas não resolve o problema, porque infelizmente pior do que o “Dr. Google” é o “Dr. Facebook” onde os grupos fechados assumem uma importância desproporcional à sua validade, onde pessoas assumem posições radicais e fundamentalistas sobre tudo e onde pessoas com pouca cultura e instrução são facilmente influenciadas.

Quando vemos pessoas questionarem ordens e prescrições médicas em grupos e fóruns e as vemos receber indicações contrárias às dadas pelo médico, é sinal que estamos a enveredar por um caminho muito perigoso.

 

A grande questão é como controlar a situação, não podemos negar a liberdade de expressão às pessoas, o que podemos e devemos é responsabiliza-las pelas suas afirmações, especialmente os influenciadores que lucram com as suas “opiniões”, há uns anos foi possível responsabilizar as tabaqueiras, deverá ser possível responsabilizar os influenciadores e acima de tudo responsabilizar as marcas que os patrocinam.

O problema só será totalmente resolvido com educação e formação, mas as pessoas, especialmente as gerações mais novas, têm cada vez mais dificuldade em distinguir conteúdo de publicidade, pelo que será muito difícil educa-las nesse sentido.

 

É por isso necessária muita atenção ao nosso comportamento e ao comportamento dos mais novos, é preciso ler e ver com atenção os conteúdos que nos chegam e questionar sempre se é uma opinião sincera, sensata ou uma opinião paga. Muitas vezes basta conhecer o influenciador e a sua forma de expressão para detetar se são as suas palavras ou as palavras da marca.

Em resumo, não acreditem em tudo o que leem e ouvem, nem tudo o que reluz é ouro e no que toca à alimentação e saúde ouçam os especialistas, a medicina pode não ser perfeita, mas ainda é a melhor opção, até prova científica em contrário.

 

 

Passes mais baixos, mais uma piada.

Ainda bem que o Ministro do Ambiente já veio dizer que a medida a ser implementada será no país todo e não apenas em Lisboa e Porto, porque sinceramente seria uma tremenda injustiça e julgo até uma medida inconstitucional, mas a inconstitucionalidades só servem para proteger os interesses dos donos de Portugal.

Esta medida não é nada mais, nada menos do que pura campanha eleitoral, com os transportes públicos a rebentar pelas costuras e a prestar um péssimo serviço, querem enganar quem?

Falta investimento e acima de tudo falta uma gestão eficaz dos transportes, só com uma mudança na gestão se conseguirá ter preços interessantes e um serviço de qualidade, que atraia um maior número de utilizadores e retire carros e poluição às cidades.

Mas interessará aos municípios terem menos carros? Não creio, são uma excelente receita, não querem ver-se livres da galinha de ovos de oiro e é por isso que a grande revolução dos transportes passa por simplesmente baixar os preços a qualquer custo, o que significa mais impostos e nunca uma melhor gestão dos recursos.

Este país tem um grave problema de gestão, mas os políticos apenas se preocupam em gerir o seu próprio orçamento e para isso claro anunciam todas as medidas e mais algumas que lhes possam dar votos, por mais estapafúrdias que sejam.

Esta rentrée, que é uma parvoíce, até parece que o país parou, pelo andamento será muito fértil em medidas pouco eficazes em produzir resultados a longo prazo, mas muito eficazes na captação de votos.

Um povo inculto e desligado é muito fácil enganar, é dar-lhe umas migalhas, otimismo e sorrisos e está tudo bem.

Nunca comi uma bola de Berlim na praia

Eu sei que só por isso devo perder a nacionalidade portuguesa e perder o direito a colocar os pés na areia para todo o sempre, mas na praia não em apetece comer bolas de Berlim, sou mais dada a gelados, a torrões e a batatas-fritas.

Gelados, não há nada que combine melhor com praia e Verão do que gelados, quer dizer limonada e sangria andam ali próximas, a cerveja e o fino para os apreciadores também, mas para saborear na praia o bom mesmo é o gelado – quem não se lembra do Sr. dos Gelados – Olha o bom gelado!

 

Bola de Berlim é para se comer na esplanada, com calma, sem areia, e bola de Berlim que é bola de Berlim é com creme de pasteleiro e não com estas invenções modernas, bola de Berlim com nutella, haverá combinação mais calórica e enjoativa?!

A única alteração boa que fizeram à bola de Berlim foi acrescentarem-lhe canela no exterior, se não concordam é porque nunca comeram as bolas de Berlim do Natário, ide lá provar e depois falamos.

 

Não sei bem de onde surgiu esta moda, mas os vendedores ambulantes agradecem e bem que merecem ter lucro, que andar o dia inteiro a caminhar carregados por esses areais fora não é pera doce, mas ao menos poupam na conta do ginásio.

Quem come as bolas de Berlim é que pode começar a poupar para a mensalidade do ginásio e a preparar-se para a dieta, não tenho nada a ver com isso, mas não entendo como andam 3 meses a alface para caberem no bikini e depois comem bolas de Berlim como se a sua vida dependesse disso, vai-se lá entender.

 

Vou continuar a comer gelados, fresquinhos e de preferência com poucas calorias, as bolas de Berlim ficam para outras alturas quando se exige um nível calórico mais alto.

Agora confessem lá quantas bolas de Berlim é que já comeram este Verão? São tradicionais ou vale tudo desde o chocolate aos sabores mais exóticos?

Alguém da equipa gelados? Não me digam que sou a única pessoa em Portugal e quiçá no mundo que não come bolas de Berlim na praia.