Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

O escândalo do professor e as prioridades dos portugueses

OVELHA1.jpg

 

Bastou uma frase polémica para que a vida de uma pessoa fosse completamente devassada pelos polícias de serviço das redes socias, aproveitando a onda, porque o que interessa é cliques e leitores, os jornais não se rogaram em investigar e divulgar toda a informação que encontraram do professor universitário.

Primeiro é preciso esclarecer que ninguém deveria ter o direito de investigar a vida de uma pessoa só porque a mesma decidiu participar num debate televisivo, quando isto acontece o que nos estão a dizer é que devemos ser muito cuidadosos com o que dizemos e com o que fazemos, não vá alguém lembrar-se de nos ridicularizar nas redes sociais e gerar-se um movimento de escrutínio de toda a nossa vida.

 

O professor tocou em dois temas sagrados, crianças e velhinhos, são espécies protegidas, mas apenas em pensamento, pois a realidade é bem diferente do que se defende por nas redes sociais, se as crianças ainda vão conquistando alguma simpatia e dedicação, mais não seja por obrigação, infelizmente o que não faltam são pais que deixam os filhos vigiados por tablets e smartphones, aos velhinhos nem a obrigação lhes vale na hora de receberem cuidados e carinho, a maioria são abandonados e esquecidos, vivendo em solidão e muitas vezes precariamente.

É precisamente deste abandono que vem a necessidade de obrigar um neto a beijar um avô, tirando um ou outro caso de crianças que simplesmente não gostam de beijos, todas as outras beijam voluntariamente as pessoas que gostam e com as quais convivem, além disso as crianças são espelhos e retribuem o que recebem, se lhes dermos carinho e atenção é isso que receberemos delas.

A afirmação do professor pode parecer absurda, mas na verdade só assume esse carácter pela forma como foi transmitida, usadas outras palavras e não se fazendo um paralelismo tão gravoso, a reação das pessoas seria com certeza outra.

 

Beijar é uma forma de cumprimento em Portugal, é uma saudação que ao contrário de outros países e culturas é normal entre estranhos, não é preciso ter intimidade com uma pessoa para a cumprimentar com dois beijinhos, basta a conhecermos num contexto descontraído, é perfeitamente habitual encontramos um amigo e cumprimentarmos quem o acompanha de beijinho.

Beijar como cumprimento é uma norma social e por isso incutimo-la nas crianças como sendo natural e como fazendo parte da boa-educação, mas há limites, limites esses que começam quando colocamos em causa a liberdade e o espaço da criança, é aqui que os pais e restante família tem o difícil papel de julgar se a criança está a ser mal-educada ou a proteger-se de algo que não gosta.

Nem todas as crianças são beijoqueiras, nem todas adoram dar beijos a estranhos, principalmente se esses estranhos vierem acompanhados de odores estranhos e viscosidades, desenganem-se se pensam que só se afastam de velhinhos, muitas vezes afastam-se até de outras crianças, tudo dependo do aspeto da pessoa e do grau de nojo da criança.

 

Obrigar uma criança a parar de brincar para cumprimentar uma pessoa é ensinar-lhe a ser educada, obrigar uma criança visivelmente incomodada, enojada ou envergonhada a beijar alguém pode ser realmente uma violência.

Se essa violência justificará a violência que a criança infligirá mais tarde a outras pessoas, creio que não será suficiente, mas num conjunto educativo onde o amor é visto como obrigação, onde é comprado, onde a violência é praticada todos os dias seja por imposições, seja por palmadas, onde exista controlo extremo, manipulação e modelação, estão reunidas as condições para que crianças que cresçam nesse ambiente considerem aceitável controlar a namorada ou namorado, considerem normal manipula-los e compra-los e considerem normal punir com violência física.

 

As crianças são esponjas e refletem os comportamentos dos que as rodeiam, por isso é muito importante a explicar o porquê que alguns comportamentos, não basta simplesmente obrigar, é necessário contextualizar.

Existe um grande paradoxo na educação nos nossos dias, por um lado tenta-se atender a todas as necessidades e desejos da criança, tenta-se que tenha voz ativa e foi-lhe reconhecido um estatuto de vontade que nunca antes existiu, por outro lado deixou-se de fazer o inverso, de explicar o porquê das coisas, de explicar o conceito de autoridade, os pais não se podem colocar em pé de igualdade com os filhos, isso dificulta não só a sua perceção de autoridade como lhes dá uma noção errónea do que é certo e errado, há uma hierarquia familiar e se devemos dar voz às crianças, nunca as podemos deixar esquecer de que quem tem a última palavra são os pais.

 

É lamentável que um comentário num debate televisivo gere uma onda tão grande de contestação e descontentamento, estamos no fundo a falar da opinião de uma pessoa, que concordando-se ou não com ela, é necessário respeitar, uma opinião que não interfere com a nossa vida, enquanto isso são revelados todos os dias esquemas que nos prejudicam direta e indiretamente, nomeações estapafúrdias de políticos para cargos para os quais não têm competências, assistimos a penas suspensas para crimes financeiros, ao arrasto de processos de fraude e corrupção, mas o que interessa é a opinião que um professor tem sobre os netos serem obrigados a beijar os avós.

 

O que é realmente importante é devassar a vida de uma pessoa, quando todos os dias devassam a nossa com a maior descontração e tamanho descaramento que o aceitamos como boas ovelhas que somos, todas ordenadas em fila para que nos cortem a lã mesmo que isso nos deixe a tremer de frio.

 

*Imagem Leticia Lanz

 

Defender os direitos das crianças

"as crianças de hoje serão os adultos ... do amanhã"

 

As crianças são o futuro, é nelas que reside a esperança de um mundo melhor, são o depois, nós partiremos e os desígnios do mundo estarão no seu poder, as crianças de hoje serão os adultos, os líderes, os trabalhadores, os cientistas, os médicos, os juízes, os advogados, os políticos e os pais do amanhã.

Os valores que lhes transmitimos serão os valores que os guiarão quando forem eles os adultos, terão eles oportunidade de os mudar e quem sabe melhorar, mas o que aprendem em crianças, a educação que os molda em tenra idade, as experiências que vivenciam, os comportamentos que têm como normais balizarão para sempre o seu comportamento, a sua forma de pensar e são eles que moldam a sua personalidade.

Os direitos da criança devem ser protegidos, mas para além de os protegermos temos obrigação de lhes preparar o futuro e essa obrigação passa por deixarmos este mundo melhor do que aquele que encontramos.

 

Será que é isso que estamos a fazer?

 

Apresentamos queixas às autoridades de um programa de televisão, mas não fazemos denúncias de fraudes, corrupção, exploração,...

Insurgimo-nos contra um programa de televisão que usa as fragilidades de uma criança para ter audiências, eu diria que usa as fragilidades dos pais e não das crianças, pois a criança só apresenta tal comportamento por culpa dos pais, o que me leva a pensar novamente que muita da indignação surge porque custa ver os nossos erros num julgamento público e que numa qualquer situação que envolva a birra de uma criança alguém pode dizer – devia ter chamado a supernanny.

Revoltamo-nos com as coisas pequeninas, com o que causa bulício nas redes sociais, com o que está na ordem do dia, mas as coisas importantes, aquelas que terão consequências diretas no futuro dos nossos filhos, nos filhos dos nossos filhos e nos filhos destes parecem passar-nos ao lado.

Preocupamo-nos com um programa de televisão quando as crianças e os adolescentes vivem agarradas a ecrãs, a ver vídeos de youtubers que são péssimos exemplos, que incitam a comportamentos inadequados e que são tidos como modelos a seguir, ídolos.

 

Reclamamos das consequências de um programa de televisão quando há crianças sinalizadas como estando em risco que não recebem o devido acompanhamento por parte da Segurança Social, crianças que vivem em ambientes traumatizantes, situações algumas que terminam infelizmente em tragédias.

Insurgimo-nos contra um programa de televisão que expõe uma criança a fazer uma birra, mas batemos palmas a crianças de 7 e 8 anos a manusearem facas e objetos cortantes, a sofrerem de ansiedade numa competição onde estão constantemente sobre avaliação, onde no final de cada prova são colocadas num contentor onde um adulto os faz contar o que sentiram, onde choram de alívio, de frustração e tristeza, mas isso não é explorar crianças, é estimular a sua competitividade.

Lutamos contra um programa de televisão quando há crianças cuja única refeição em condições é a que fazem cantina da escola, quando há crianças que todos os dias são entupidas de produtos processados carregados de açúcar e sal, quando há crianças que são consideradas obesas aos 6 anos de idade.

Protestamos que um programa não pode deixar uma criança exposta, mas não reclamos da falta de camas nos hospitais, na falta de equipas multidisciplinares para acompanhamento de pais e crianças, de listas de espera ridículas, da falta de resposta em tantas situações desesperantes.

 

Responsabilizamos os meios de comunicação pelo lixo que consumimos, mas não responsabilizamos o Estado e os sucessivos Governos e Autarcas que colocam em causa o futuro dos nossos filhos

Apresentamos queixas às autoridades de um programa de televisão, mas não fazemos denúncias de fraudes, corrupção, exploração, crimes que todos os dias vemos serem cometidos pelos cidadãos que prejudicarão o futuro dos filhos deles e de todos.

Responsabilizamos os meios de comunicação pelo lixo que consumimos, mas não responsabilizamos o Estado e os sucessivos Governos e Autarcas que colocam em causa o futuro dos nossos filhos, por causa deles iremos entregar aos nossos filhos um país falido, sem perspetivas de sustentabilidade, ameaçado por alterações climáticas que ajudamos a intensificar, despreparado para lidar com qualquer tipo de calamidade.

 

Criamos um tumulto por causa de um programa de televisão, mas não preparamos os nossos filhos para o futuro, estamos a criar seres totalmente dependentes, egocêntricos, egoístas, que não aceitam um não e uma contrariedade, que se julgam especiais, que acham que o dinheiro está disponível no ATM sempre que se precisa.

Sentimos desconforto a ver um programa de televisão que expõe a incapacidade dos pais em educar, em manter uma posição de autoridade, reclamos constantemente da educação permissiva, mas não exigimos ajuda, não exigimos que seja disponibilizada ajuda a quem precisa de conselhos, pelo contrário respondemos que os filhos são nossos sempre que um educador, um professor ou familiar tenta ajudar ou aconselhar.

 

Devemos defender os direitos das crianças, sem dúvida, se não concordam com o programa devem expor a vossa opinião, mas não se escondam da realidade, tenham esse grau de exigência em tudo, comprometam-se em criar um futuro melhor para os vossos filhos.

 

Combata-se a corrupção, o assalto aos nossos bolsos que nos priva de rendimentos para providenciar às crianças melhores condições, combatam-se as desigualdades para que todas as crianças tenham as mesmas oportunidades independentemente da proveniência, género, raça ou credo, exija-se uma reforma educacional que deixe de formatar as crianças e de entupir os professores de tarefas burocráticas, exija-se uma saúde mais presente e personalizada física e mental, exija-se uma sociedade mais justa, sem cunhas, sem privilegiados, exija-se que sejam tomadas medidas legislativas a longo prazo e não medidas populistas com vista à angariação de votos.

 

Deixamos o nosso futuro nas mãos de incompetentes que se pavoneiam pelos corredores do poder, que nos dão palmadinhas nas costas enquanto nos apunhalam diretamente na cara, sem qualquer vergonha ao pudor, penhoram o nosso futuro e o futuro dos nossos filhos e nós limitamo-nos a encolher os ombros e a dizer que são todos iguais, enquanto sacamos a carica de uma cerveja para ver quem irá ganhar o próximo campeonato.

Nós merecemos este presente, porque não fazemos nada para o mudar, cuspimos na cara dos nossos pais que lutaram para que hoje pudéssemos revoltar-nos contra um programa de televisão, mas os nossos filhos merecem o futuro que estamos a preparar para eles?

 

Não.

 

Merecem muito mais, temos o dever de fazer muito mais e muito melhor, nós a geração informada, letrada, sem palas nos olhos, sem censura e sem limites à liberdade. O que escolhemos fazer com essa liberdade? Destilar ódio nas redes sociais, invejar o próximo, seguir a manada, em vez de usarmos a liberdade para termos pensamento crítico, para exigirmos mais.

As gerações anteriores tinham a desculpa de terem falta de formação, uma educação insuficiente, informação acessível apenas a alguns, qual é a desculpa da nossa geração?

 

Displicência, desleixo, desinteresse, egoísmo, comodismo, conformismo?

São esses os valores que queremos passar aos nossos filhos?

 

As pequenas coisas são importantes, mas apenas quando as grandes se encontram resolvidas, não quando se encontram esquecidas, não podemos nós revindicar a proteção de uma criança que tem tudo para ser feliz, quando não fazemos nada para proteger as milhares de crianças que não têm as condições mínimas para crescer de forma saudável.

 

 

 

Muitas pessoas que reclamaram desta situação reclamam de outras situações, este texto não é obviamente para essas pessoas, mas sim para aquelas que só reclamam do que é moda e porque veem os outros reclamar e que nem sabem porque reclamam.

Super Nany e a reação dos portugueses

Estreou no passado domingo o programa Super Nany na SIC, o programa relata a ajuda de uma profissional a uma família que tenha problemas em lidar com os filhos, o formato é muitíssimo conhecido, pessoalmente conhecia a versão espanhola, onde a terapeuta/psicóloga é bem mais rígida e fria.

Teresa Paula Marques parece saber o que faz, na minha opinião os conselhos e estratégias que usou são corretos, não aconselhou a palmada, ainda bem porque uma palmada não educa e ajudou a mãe Margarida a lidar com as birras da filha e a dizer não e a não ser vencida pelo cansaço da insistência da filha. A sua interação com a câmara não é a melhor, perfeitamente natural, vê-se que não é uma comunicadora para as massas, mas creio que com o avançar dos programas ganhará confiança e à vontade para falar para a câmara da mesma forma que fala para as famílias.

 

O programa tem tudo para ser um sucesso e na minha opinião poderá também ser uma ajuda preciosa para pais que não consigam impor a sua autoridade, uma vez que ensina a lidar com birras e a estimular os bons comportamentos com pequenas recompensas ao mesmo tempo que pune as más ações e convida à reflexão.

O que é mesmo incrível é a reação dos portugueses ao programa, isso sim é que deveria ser objeto de estudo, não é nada que não estivesse à espera, porque em Portugal tudo o que mexe com crianças e filhos é polémico, seja para bem ou para mal e livre-se de alguém querer dizer ou ensinar como devemos educar os nossos filhos, ninguém melhor do que os pais saberá o que é melhor para os seus filhos e como os educar.

Há realmente uma grande confusão entre desejar o melhor para os filhos e saber como lá chegar, entre conhecê-los melhor do que ninguém e educá-los da melhor forma, entre amá-los profundamente e saber demonstras-lhe que amar não deixá-los fazer tudo o que querem.

 

É muito usual ouvirmos as pessoas queixarem-se da falta de educação das crianças, da falta de respeito que têm pelos pais, das birras que fazem em público, mas depois de um programa que ensina a reestabelecer a autoridade dos pais as críticas não se fazem rogadas para os dois lados.

De um lado insurgem-se contra o programa, contra a exposição, contra os conselhos dados e terapias e técnicas implementadas, do outro insurgem-se contra a família por exporem a criança, por não saberem lidar com ela, por não ser (neste caso) uma mãe como eles acham que deve ser.

A forma como todos apontam o dedo em riste do alto da sua sabedoria pedagógica é algo inacreditável, de repente somos todos experts na matéria, gosto especialmente dos que são entendidos na matéria porque “educaram” muitos filhos, como se a experiência fosse sinónimo de certezas e invalidasse erros.

 

Pessoalmente dou os parabéns às famílias que escolheram participar no programa, não por se exporem porque daqui a uns meses já ninguém se recorda deles, dou-lhes os parabéns por assumirem que não estão a conseguir lidar com os filhos e por não terem medo ou receio de pedir ajuda e ter de acatar ordens e indicações de uma estranha, mesmo que isso signifique lidar com todo o tipo de comentários maldosos.

Não há fórmulas mágicas de educação, as crianças são todas diferentes, mas todas elas gostam de testar os nossos limites e sabem exatamente como dar a volta às questões a seu favor, não tenham medo de as classificar com adjetivos fortes, eufemismos não resolvem o problema, a pequena seria uma tirana, qual o problema de usar essa palavra?

 

Gostava mesmo de ver qual seria a reação do público se a terapeuta fosse como a colega espanhola, num episódio recordo-me de a ver explicar aos pais que as crianças são como os animais, precisam de regras e de autoridade para saberem qual o seu local na família.

Os povo português é realmente um caso de estudo, gosta de opinar sobre tudo, passam a vida a dar palpites sobre a vida dos outros sejam seus conhecidos ou não, mas livrai-nos nosso senhor de alguém dar palpites à educação dos seus filhos, eles até podem comentar nas costas que aquela e outra mãe não sabe educar as crianças, mas dizer isto frontalmente e diretamente é caso para uma zanga para a vida.

 

Tenho para mim que na maioria dos casos não há preocupação nenhuma com o superior interesse da criança, há sim receio de verem em horário nobre que afinal não sabem tudo e que se calhar até há formas de lidar com as birras das crianças, que dizerem sempre que sim não é o caminho e que a dinâmica castigo/recompensa afinal resulta.

Estarão os portugueses com medo de perceber que afinal não percebem nada de educação!?