Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

A mim roubaram-me a paciência Greta.

A Greta roubaram a infância. Roubaram porque ela sente que lha roubaram e não há ninguém no mundo que possa dizer o que ela sente ou deva sentir.

Já não suporto as comparações entre Greta e a Malala, entre Greta e as crianças Sírias, entre Greta e Boyan Slat.

Greta não tem de ser comparada com ninguém, não tem de ser colocada em perspetiva, não tem de justificar o que sente, não tem de explicar porque defende o ambiente, não nos deve explicações e muito menos tem de pedir desculpa ao mundo por ter nascido numa família abastada e numa sociedade livre.

 

Se Greta por ser uma “privilegiada” não pode reclamar da sua infância, então em Portugal ninguém pode reclamar de nada, acabem-se as greves, acabem-se as negociações para aumentos de ordenados, acabem-se as petições para tudo e mais um par de botas, acabem-se as páginas que reclamam direitos para os animais, não há direitos para pessoas vamos agora lutar pelos direitos dos animais, acabem-se as lamúrias com as rendas altas e os rendimentos baixos, acabem-se as reclamações que como privilegiados que somos não temos o direito de reclamar de absolutamente nada.

O desplante de reclamarmos e lutarmos por um ordenado condigno quando há milhares de pessoas que não têm emprego, nem onde trabalhar, reclamarmos uma saúde melhor, quando existem milhares de pessoas sem acesso a cuidados de saúde básicos, reclamarmos do preço das vacinas fora do plano nacional de vacinação quando há milhares de crianças que morrem por falta de vacinação com doenças consideradas erradicas no nosso país, reclamarmos do preço dos alimentos quando milhares morrem à fome e à sede.

Somos o povo que durante o Inverno num dia reclama que está a chover, no dia seguinte reclama que está frio e durante o Verão num dia reclama do calor e da seca e no dia seguinte reclama que chove e não pode ir à praia.

 

A mim roubaram-me a paciência para tanta ignorância, para tanta carneirada que publica e replica textos e textinhos sobre a autoridade, a autenticidade, interesses e as mais diversas teorias da conspiração sobre Greta carregados de não argumentos.

Greta está a alertar para a urgência de se implementarem medidas concretas e urgentes para travarmos as alterações climáticas, para conseguirmos salvar este planeta, para que daqui a uns anos os nossos filhos e netos não fiquem sem infância, mas para que não se coíbam de ter filhos para não os trazerem a um mundo tóxico e inabitável.

 

Ataquem-na porque tem tudo, digam que devia estar na escola, que é arrogante, que é mal-educada, que não tem qualquer autoridade no assunto, o argumento mais interessante é dizerem que não propõe nenhuma medida, é interessante que achem que não tem autoridade, nem conhecimento do assunto, mas que ao mesmo tempo deva apresentar medidas, ela na verdade propõe a única medida possível para travarmos a destruição do planeta – fazer pressão nos locais e pessoas certas para que se tomem medidas.

Greta está a fazer um excelente trabalho de consciencialização, está a colocar o tema na agenda política e da comunicação social e isso não só é muito importante, como é muito mais do que aquilo que a maioria das pessoas faz.

 

Deixem Greta em paz, ela tem paciência e nem se importa nada com os vossos ataques, aliás só lhe dão força para continuar, mas já eu não tenho paciência para tanta publicação ignorante.

Greta como gostava de ter a tua paciência.

 

 

(É óbvio que existem pessoas a aproveitarem-se do mediatismo de Greta, oportunistas de boas causas existirão sempre, menos o nosso Marcelo, livre-nos Deus nosso senhor de se aproveitar do mediatismo de uma jovem, muito mais fácil ir à boleia das tragédias ou da Cistina Ferreira.)

O Presidente, o Médico e o Professor – O Retrato do país

Os portugueses continuam a ser portugueses e por isso continuam a lamentar-se e indignar-se com tudo, os comentários às notícias só não são hilariantes porque são demasiado maus.

 

O Presidente

O nosso Presidente decidiu convidar os influencers digitais para uma reunião no Palácio de Belém, encontro, com cerca de 30 influencers, que incluiu instagramers, youtubers e bloguers, foi marcado pelo Presidente da República, que reconhece a "enorme" importância dos novos formatos de comunicação, que "conseguem chegar a públicos onde nem a TV, o maior produto de mass media, consegue chegar".

A reação nas redes sociais não se fez esperar, em primeiro lugar é de notar a quantidade de pessoas que vivem alheadas da realidade e não sabe o que são influencers, triste perceber que são as mesmas pessoas que têm filhos influenciados por esses mesmos influencers que eles nem sabiam que existiam, em segundo lugar é deprimente perceber como as pessoas agrupam os influencers todos no mesmo saco e os chamam de parasitas, não seria de espantar que não soubessem o significado da palavra.

Em Portugal a política é uma coisa muito séria, de pessoas adultas e muito cultas, dos doutores com cursos de advocacia, economia e engenharia, daqueles senhores que falam caro, que debitam números que ninguém entende e decretam leis que nem sequer são para ser cumpridas, pois só eles a entendem, qualquer tentativa de aproximar a política do povo é vista com maus olhos, fala-se logo em campanha, em agenda, por mais que a intenção seja boa e até seja tendência na Europa, em Portugal nunca é vista como benéfica.

Marcelo Rebelo de Sousa está sempre, permanentemente em campanha, não é por esta ou outra iniciativa em particular, é um Presidente que gosta de aparecer, gosta de holofotes, não tivesse ele um longo percurso na televisão, não entendo por que motivo agora se lembram de dizer que está em campanha, sempre esteve.

O que é que os portugueses fazem a esta notícia, atacam os convidados, enxovalham-nos e dão belíssimas sugestões para o Presidente convidar todos os trabalhadores flagelados, nada contra, mas a estratégia aqui não é dar palmadinhas nas costas, é só isso que o Presidente faz quando recebe esse grupos, é incentivar as gerações mais jovens a ter intervenção política, seja pelo apelo ao voto, seja por trazer a política para o seu mundo incentivando a procura por informação e o seu interesse no tema.

 

O Médico

Sabe-se que há um individuo que por acaso se apelida de médico, mas é só no papel, que comete erros atrás de erros em ecografias morfológicas, erros que mexem com vidas, que colocam em causa não só a vida do feto, mas da mãe e mais tarde a vida de toda uma família.

Não consigo imaginar o pânico, o medo, o terror que é esperar um bebé saudável e ser confrontada com uma realidade diferente em que nos dizem que nosso bebé pode não sobreviver.

A incompetência e negligência de Artur Carvalho é atroz, é indiscritível, contam-se sete processos, sabe-se lá quantos mais casos poderão existir, espanta-me que nada tenha sido feito para travar a atuação criminosa deste médico, mas infelizmente não é caso único, infelizmente fala-se pouco dos obstetras que realizam ecografias morfológicas sem qualquer competência para o fazerem, basta uma passagem pelos grupos de mães no Facebook para perceber que são muitas as mães que perceberam apenas no dia do nascimento que os seus filhos não eram “perfeitos”, infelizmente raramente se apuram responsabilidades, porque há sempre quem defenda que os problemas podem não ser detetáveis.

Não detetar a falta do osso do nariz que é uma das primeiras situações de perigo a serem analisadas é negligência e incompetência, não perceber que uma bebé tem as pernas ao contrário é negligência e incompetência, não vale a pena tentarem justificar, este médico deveria ser impedido de exercer e deveria ser condenado pelos erros que cometeu, deveria ter uma pena exemplar e deveria existir uma fiscalização às clínicas privadas que prestam esse serviço, especialmente as que têm protocolo com o SNS.

No meio destes trágicos acontecimentos o que se lê nos comentários? Que o médico ter errado era bom porque assim as mães não abortavam!

Fico triste e revoltada ao ler estes comentários, pois cabe aos pais decidirem ter ou não um filho com necessidades especiais, cabe aos pais decidir se querem arriscar esperar pelo nascimento para perceber se o bebé tem possibilidades de vida, cabe aos pais decidirem se querem colocar em risco a vida da mãe e acima de tudo ninguém merece receber uma notícia destas no momento do nascimento, quando a medicina permite que os pais tenham a possibilidade de conhecerem a realidade meses antes.

Quem é que no seu juízo perfeito advoga uma realidade destas, que ainda recalca, pisa e diz que é uma coisa boa? Que tipo de pessoa é esta?

Surreal.

 

O Professor

Esta semana um professor agrediu violentamente um aluno, por violentamente entenda-se que o agarrou pelo pescoço e lhe bateu com a cabeça na mesa, entretanto foi detido.

O que se lê nos comentários das notícias? Que fez muito bem, que é preciso saber o que o aluno fez para ter tal tratamento, que são precisos mais professores assim, que a culpa é dos alunos que são todos mal-educados e o rol de desculpas para justificar o comportamento agressivo e criminoso do professor continua num desfile de barbaridades ímpar.

Acredito que o professor possa ter tido este comportamento por alguma razão, que não seja ser naturalmente violento, mas desenganem-se, pessoas violentas, agressivas encontram-se em todo lado, não é por acaso que os números da violência doméstica não param de aumentar, tentar legitimar este comportamento é só estúpido e ignorante.

A quantidade de pessoas que defende o comportamento do professor é absurda, ainda mais absurdo é que uma grande parte tem filhos, estes que defendem a violência seriam os primeiros a ir tirar satisfações ao professor se este tivesse feito o mesmo aos seus filhos, mas aplaudem o que ele fez.

 

O Retrato do país

Nada mais me surpreende, as pessoas revelam uma insensibilidade e uma falta de empatia tremendas, são incapazes de perceber que estão a falar e a criticar pessoas como elas, com sentimentos, família, amigos.

Qualquer tema serve para agressões verbais gratuitas, seja um encontro inocente com o Presidente da República, seja uma tragédia como o nascimento de uma criança com malformações, seja um caso de agressão.

Que mundo triste este, cheio de heróis que se escondem atrás de perfis falsos, de pessoas que escudam pela distância. As pessoas perderam a noção do certo e do errado, deixaram de ter senso comum, perderam a pouca educação que tinham e passaram a ser um bando de predadores digitais à procura da próxima vítima, e depois os influencers é que são os parasitas.

Parasitas são todos aqueles que vivem à míngua das indignações, para se sentirem um bocadinho melhor nas suas insignificantes e tristes vidas, que depositam no teclado as suas frustrações e que direcionam a sua raiva a pessoas que não conhecem, mas que lhes parecem ser bons alvos para repudiar, enxovalhar e espezinhar.

Tenham vergonha na cara! Acham mesmo que os pais tanto do Rodrigo como do miúdo que foi agredido merecem ler tais barbaridades!? Por uma vez na vida calcem os sapatos dos outros antes de os pisarem.

Quando se passa um projeto a um cliente, morre um pouco de nós.

Quando se passa um projeto para as mãos de um cliente é como se estivéssemos a dar um pouco de nós, mesmo que nos tenham pago pelo trabalho é sempre complicado abdicar do controle do mesmo, umas vezes sentimo-nos bem, entregamos com carinho, sabendo que o cliente tomará conta dele e o fará crescer, outras sentimos a boca a amargar, cerramos os dentes e tentamos esquecer que aquele cliente irá descurar o projeto ou até destrui-lo.

Quando se trabalha com criatividade é assim, quem cria e desenvolve arrisca-se a ver os seus sonhos desfeitos, é quase como educar um filho para ser boa pessoa e ele revelar-se uma má pessoa, pode parecer uma comparação exagerada, mas os projetos quando são realizados com carinho e dedicação, são parte de nós.

 

Este dilema acontece muito nas áreas de design e comunicação, não imaginam a facada que sentimos no coração quando alguém “morfa” um logótipo ou quando o aplica indevidamente, mas o design gráfico e o design em geral são completamente desvalorizados em Portugal e para uma grande parte das pessoas trata-se apenas de um desenho, não fazendo a mínima ideia do trabalho que existe na sua criação, o que não é surpreendente quando profissionais da área vendem logótipos a granel por uma bagatela com o mesmo design seja para um talho ou para um dentista.

O nosso trabalho está feito, são dadas indicações de uso, exemplos certos e errados, depois disso cabe ao cliente ser inteligente.

 

No meio de todos os trabalhos há um que me custa particularmente passar, a gestão de páginas, outra tarefa altamente desvalorizada, é só publicar, quem sabe gastar algum dinheiro em anúncios e já está, ignoram completamente que existe toda uma dinâmica própria, horários certos para publicar, palavras-chave e uma imagem a manter.

Imagens menos boas, publicações repetidas, comentar a própria publicação dão má imagem, mas erros ortográficos e de gramaticais arruínam qualquer imagem, às vezes seria melhor não publicarem nada.

Sempre que passo a gestão de uma página fico triste, especialmente quando sei que horas e horas de dedicação serão arruinadas em poucos dias, há uma página em particular que geri durante 6 meses que me dá imensa pena, está literalmente abandonada e tem um potencial incrível.

Hoje passei a gestão de uma página de Facebook e Instagram, não foram 6 meses, foi apenas 1 mês e meio de dedicação, mas eis que a primeira publicação do cliente me despedaça o coração, pelo descuido é possível perceber que será um descalabro total, mas é seguir em frente, quando os projetos não são nossos não há nada a fazer, é seguir em frente com a consciência tranquila.

 

Só existe um revés, não podemos anunciar ao mundo que a gestão da página mudou e infelizmente algumas pessoas associarão a nós os erros, creio que depressa se terão consciência que já não tem uma gestão profissional, mas até lá também a nossa imagem é prejudicada.

Ossos do ofício, não existem profissões perfeitas.

Boa notícia, terei mais tempo para outras coisas e já não estarei de estar conectada a tempo inteiro, há que pensar positivo.