Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

E ninguém aplaude os pais? À beira do colapso.

Desde o início que a gestão da pandemia foi malconduzida, mas o “milagre” português fez com que não tivéssemos de lidar com uma realidade tão dura como outros países, o milagre na verdade foi mais um adiamento, pois o caos acabou por instalar-se em 2021.

Os portugueses bem-comportados, são agora os rebeldes e se em 2020 se teriam desculpado erros com a surpresa, a novidade da inusitada situação, em 2021 este caos só demonstra a incapacidade de preparação e antevisão da situação.

Será que alguém acreditou que o alívio das medidas do Natal não seria catastrófico? Será que temos governantes tão incompetentes que não previram isso ou será que prefiram o aumento exponencial de casos à impopularidade, são tão incompetentes que provavelmente foi um misto das duas.

Resultado, estamos confinados novamente, como nada mantinha os portugueses em casa e nada fazia com que as empresas aderissem massivamente ao teletrabalho, fecham-se as escolas e resolve-se o problema, criando outros, até para o Governo que teve de improvisar umas férias porque o ensino à distância não estava preparado.

Inacreditável, mas não estavam preparados, a falta de preparação e planeamento deste Governo é avassaladora, devido a erros sistemáticos das autoridades estamos agora confinados e com os filhos a cargo, o dia-a-dia de muitos pais é simplesmente caótico, surreal e incomportável.

Não se consegue ser bom pai e não se consegue ser bom trabalhador, por mais que se façam turnos, que se planeie o dia, que se durma apenas 5/6h por dia, não é possível conciliar tudo de forma pacífica porque o cansaço acumula-se, a irritabilidade aumenta e o confinamento retira-nos praticamente todas as formas de descontração e descompressão que conhecemos.

Recriminar quem se queixa não ajuda em nada, só faz os pais sentirem-se mais culpados, mais inúteis e mais frustrados, o que é preciso é reconhecer que as pessoas não são imensas e não conseguem conciliar o teletrabalho com a parentalidade.

O Estado tem de perceber que as empresas não substituem a Segurança Social e que há funções e crianças que não são compatíveis, porque não se pode simplesmente generalizar e aplicar a medida a todos da mesma forma.

Teletrabalho obrigatório, não há apoio à família, mas e quem não consegue conciliar? O que faz? Recorre às faltas justificadas sem remuneração?

O que mais uma vez o nosso Governo ainda não percebeu é que agora impede uma boa parte dos pais de recorrerem a um apoio social, mas que alguns desses pais, estarão a recorrer a outro apoio daqui a uns meses, se calhar por muito mais tempo e com consequências mais graves, se a situação se mantiver muitos pais estarão com baixa psicológica não faltará muito.

Se muitas pessoas foram imprudentes e levaram a que isto acontecesse, sim, os portugueses simplesmente ignoraram todas as recomendações, há cada vez mais negacionistas e cada vez mais pessoas a desvalorizarem a situação.

 

Onda de Ignorância é a maior de sempre em Nazaré

Alertas? A pedir para usarem máscara?

Tenham paciência, foi decretado o uso obrigatório de máscara ao ar livre sempre que não possa ser mantido o distanciamento social, por isso comecem a passar multas, é inadmissível o que se passa neste país.

Aglomerados de pessoas para ver ondas gigantes? As ondas por acaso irão acabar? É assim tão importante ver hoje e agora as ondas? Não podem esperar para o ano?

Inacreditável a ignorância e a prepotência das pessoas, sinceramente não consigo entender como é que ainda existem pessoas a desvalorizar este vírus?

Os hospitais estão à beira do limite, não tardará entrarão em colapso e depois? Vão colocar as culpas em quem?

Há situações na vida em que de nada nos vale as imposições, as regras e as recomendações, só nos salva o bom senso, a colaboração, a empatia e a solidariedade, claramente estamos a falhar enquanto cidadãos, familiares, amigos e sociedade em geral.

Não tenham dúvidas, a maior ameaça aos nossos somos nós próprios quando nos colocamos em risco e não nos protegemos.

Já não deverá haver ninguém que não conheça pessoas infetadas, a continuar assim não haverá ninguém que não conheça uma vítima.

É triste saber que pessoas que estão bem, com saúde dentro do possível, podem ser levadas de nós a qualquer momento pelo descuido de alguém.

Ontem soubemos que a avó do meu marido está infetada, assintomática, não tem problemas de saúde relevantes, mas tem 86 anos, durante os próximos dias estaremos em suspenso, porque um assintomático pode ter sintomas a qualquer momento e tudo pode mudar.

Sinto uma revolta enorme com estas situações em que as pessoas se colocam deliberadamente em perigo.

Ondas há muitas, já os nossos familiares e amigos são únicos e só têm uma vida.

 

Estamos no meio de um turbilhão e os telejornais dão relevância às eleições de um clube, nem sequer o OE teve relevância. Enfim, não é um país triste, é um país de tristes.

 

As pessoas não são inconscientes, são criminosas.

O que se passou no passado fim-de-semana na Fórmula 1 em Portugal foi de uma estupidez bárbara, não por ter público, porque é possível ter eventos com público e respeitar as normas de distanciamento social e manter os expetadores em segurança, mas pela forma como deixaram esse público à vontadinha, é que nem foi à vontade, foi à vontadinha.

As fotos não enganam, para além de não serem cumpridas distâncias, foram encontradas várias soluções criativas para as máscaras, para além dos habituais narizes de fora e máscaras a proteger o queixo, tivemos máscaras a proteger a testa do sol e o pescoço do vento.

O que muitas pessoas não sabem é que no meio desses expetadores estavam inúmeras pessoas dos concelhos mais afetados, pessoas que tinham o dever de permanecer na sua área de residência, pior do que isso estiveram presentes pessoas que deveriam estar em confinamento profilático, ainda pior uma dessas pessoas presentes no evento fez o teste dois dias antes e deu positivo para Covid-19.

Agora pergunto? Sem desculpar as autoridades que continuam a apanhar papéis, não desculpando o Governo que mais desgoverna.

Como vamos travar esta pandemia quando as pessoas são incapazes de seguir simples indicações como ficar isoladas 10 dias? Já nem pedem mais, são apenas 10 dias.

Perguntam pelas autoridades? Há imensos, demasiados agentes de autoridade infetados, e se estando todos ao serviço seriam poucos para fiscalizar tantas pessoas, assim reduzidos fica praticamente impossível fiscalizar seja o que for.

A situação está a ficar insustentável, estão a enviar turmas inteiras para casa o que leva a que um dos pais dessas crianças vá para casa, em alguns casos os dois, quem é que vai manter o país em atividade se começarmos a ficar infetados e em quarentena em catadupa?

Em notícia, greve de enfermeiros, cinco dias de greve em Novembro.

Como?! Como é possível terem coragem sequer de colocar essa hipótese?

Está tudo louco? O que acham que vai acontecer? Que vão ter uma greve e depois deixam de estar exaustos? Como se a pressão que a greve exercerá não piorará tudo. Simpatizo com a causa dos enfermeiros, mas a prioridade não pode ser esta, usar a pandemia para forçar o governo a ceder é indecente.

Este vírus veio sem dúvida mostrar o pior das pessoas, veio demonstrar que a Humanidade é realmente incapaz de se unir para sobreviver, se não conseguimos fazer estes pequenos sacrifícios para não sermos infetados por um vírus, como é que vamos conseguir abdicar dos desperdícios e confortos que poderão travar as alterações climáticas?

Egoístas, incapazes de ceder um milímetro para ajudar a travar esta pandemia, os números estão a escalar, a pressão sobre o SNS está a aumentar e, lamentavelmente, teremos um cenário dantesco nos hospitais como tiveram Espanha e Itália, nem com exemplos em tempo real as pessoas conseguem aprender, continuam com o negacionismo porque não conseguem enfrentar a realidade.

Queixam-se que não querem ser uma manada de cordeiros, ordeiros e comandados pela pandemia, mas têm comportamentos de risco, negam o perigo, propagam asneiras, no fim pagaremos todos a fatura, não ficaremos todos de férias pagas em casa, entendam de uma vez por todas que não há dinheiro para isso, seremos lançados aos leões e infelizmente nem será a seleção natural a decidir, mas sim os médicos que terão de equacionar os que têm mais probabilidade de sobrevivência.

É assim tão complicado usar máscara?

Não usaremos máscara para sempre, mas há pessoas que por não usarem máscara poderão desaparecer para sempre.