Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Vogue – Doença mental não é loucura

1485357.jpeg

A saúde mental é um tema que tem tido muita projeção e ainda bem é preciso falar, debater e acima de tudo acabar com os mitos, estigmas e receios associados às doenças mentais.

A forma como a capa da Vogue retrata o tema é insensível, ignorante e perigosa, pois perpétua o estigma que a saúde mental deve ser tratada num manicómio como se tudo o que relaciona com a saúde mental coubesse na categoria da loucura e recorrem mesmo a essa palavra para ilustrar a capa.

Romantizar o banho a uma pessoa fragilizada e possivelmente incapaz de tomar conta de si própria é uma piada de mau gosto para todos aqueles que têm problemas de saúde mental e cujo maior receio é terminarem institucionalizados, não é só o internamento que os assusta, mas também o que vem depois, mais uma vez o estigma de que quem é hospitalizado numa ala psiquiátrica é maluco.

Entendo que muitas pessoas não percebam o mal que esta capa pode causar a quem está em sofrimento e no dilema de pedir ou não ajuda, vivemos tempos em que tudo parece causar contestação, mas neste caso a situação requer um cuidado especial e quem o diz são os especialistas e com razão.

Não se trata do politicamente correto, trata-se do editorialmente correto, já que os órgãos de comunicação têm o dever de informar e não desinformar, pode ter parecido interessante causar polémica, mas devemos ter a responsabilidade de verificar se o êxito compensa as consequências, neste caso claramente que não.

A acusação que estamos a julgar o livro pela capa não faz aqui qualquer sentido, já que é precisamente a capa que faz vender a revista, seria mais prudente explicar a capa e admitirem que não viram a questão dos vários ângulos possíveis, faltando ver que a maioria das pessoas não entenderá a metáfora e não lerá a revista, apenas verá a capa.

Este é um tema sério, difícil e de grande responsabilidade, como são todas as questões de saúde, com a agravante que neste caso para quem se encontra com problemas a capa pode funcionar como gatilho para um sem fim de situações problemáticas.

Pede-se mais respeito, mais empatia e mais responsabilidade.

Ingratidão

Dentro da imensidão de sentimentos e emoções que podemos sentir, dos negativos há dois que me deixam profundamente desgostosa com as pessoas que os praticam, a incoerência conforme a situação e a ingratidão, não raras as vezes coabitam na mesma pessoa em simultâneo e permanente.

Ingratidão é aquele sentimento que é pior do que ódio, raiva, rancor, só não é pior do que a Inveja, pois a Inveja nem chega a ser sentimento é o alimento dos pobres de valores e de sentimentos, é a prova máxima de falta de inteligência.

Ingratidão é o sentimento dos rufias, dos sabichões, os chicos-espertos, dos falsos, dos fúteis, dos néscios e dos imprudentes.

Não falo aqui da ingratidão diária que todos nós por vezes automaticamente praticamos, que atire a primeira pedra quem nunca reclamou de algo sem pensar no esforço e dedicação que a outra pessoa colocou na tarefa, reclamar de uma refeição à mãe durante a adolescência deve ser regra, falo de outro tipo de ingratidão daquela que é tão flagrante que molda o relacionamento interpessoal.

Refiro-me à ingratidão que as pessoas sentem perante uma atitude bondosa, louvável que alguém teve para com elas e que não era expetável. Todos nós ajudamos os nossos e até desconhecidos se for caso disso, mas há ajudas que só estamos dispostos a dar, ações que só estamos dispostos a fazer em situações especiais e para pessoas especiais. E é dessas pessoas especiais que vem a maior ingratidão possível.

Ingratidão, não significa especificamente falta de agradecimento, é algo que ultrapassa o reconhecimento imediato e instantâneo, é algo que sentimos depois, mais tarde quando já não necessitam de nós, não acho que as pessoas devam bajular e ficar eternamente a agradecer algo, mas esquecer e maltratar a quem deveriam estar gratas é uma falta de respeito e de noção desconcertantes.

Infelizmente a gratidão é só mais um dos valores que está em desuso como a empatia, respeito, compaixão e solidariedade, não é surpreendente numa sociedade cada vez mais egoísta onde o eu se tornou mais importante que o nós.

A figura de coach pessoal que apregoa o eu, eu, eu e só depois os outros esquece-se muitas vezes de referir que uma pessoa para se sentir bem não pode simplesmente ignorar o que a rodeia e maltratar e negligenciar os outros, especialmente os que sempre contribuíram ou contribuem para o seu bem-estar.

Devemos respeitar a nossa personalidade, vontade e forma de viver, mas devemos estar sempre abertos a mudanças, a crescer, a evoluir, especialmente se isso contribuir para o bem de todos, ninguém, absolutamente ninguém é feliz sozinho, somos seres sociais precisamos de conviver, confiar, amar e durante estes tempos estranhos de Covid-19 isso foi bem visível, é por isso importante refletir até onde o eu se deve prolongar, porque na maioria das vezes somos mais felizes a fazer pequenas concessões para fazermos alguém feliz do que a fazermos apenas aquilo que queremos.

Não nos devemos anular, mas não nos devemos elevar a ser o nosso próprio Deus, agradecer, retribuir, ter consciência das nossas ações é o caminho mais certo para a felicidade e paz interior.

Nunca seremos felizes a deixar um rasto de inimizades, dívidas emocionais, ingratidão, inveja, egoísmo, nunca seremos felizes a deixarmos os outros infelizes.

Se realmente tudo se paga neste mundo, quero ter muito a receber e quase nada a dever.

 

 

 

#GeorgeFloydChallenge – A última moda estúpida e repugnante das redes sociais

Jovens nos Estados Unidos decidiram lançar um desafio nas redes sociais no qual se fotografam com o joelho no pescoço de amigos a rirem-se, esta encenação que ridiculariza a detenção e morte de George Floyd tem sido feita maioritariamente por jovens brancos.


Que conclusões podemos retirar desta atitude? Que há um longo caminho para vivermos numa sociedade igualitária e justa e que o combate ao racismo deve estar na ordem do dia em todo o mundo.
Quando temos jovens que perante um crime horrendo reagem com uma tentativa de brincadeira repugnante, algo está a falhar na sua educação e formação, algo básico como respeitar o próximo, como ter empatia e tratar todas as pessoas como iguais.


Sinto-me arrepiada, enojada e revoltada sempre que alguém desvaloriza o racismo e isso acontece demasiadas vezes, infelizmente sinto que podemos estar a regredir em vez de evoluir a julgar pelo crescente apoio a movimentos de extrema-direita que incitam ao racismo e xenofobismo e até machismo pois consideram que todos os males da sociedade são causados pelos estrangeiros, por pessoas de culturas diferentes e até por mulheres que estão a ocupar cargos que consideram serem apenas de homens.


Esta visão simplista da sociedade pode ser muito apelativa quando as pessoas são cada vez mais egoístas, invejosas e carentes de valores, se lhe juntarmos revolta e ignorância temos uma combinação explosiva ideal para fomentar movimentos extremistas baseados em teorias da conspiração, notícias falsas, mitos e mentiras.

Tenho imensa pena que o Covid-19 não seja seletivo no contágio, espero que um dia a Natureza seja capaz de produzir um vírus que ataque apenas aqueles que merecem, é que mesmo com todas as evidências científicas e sob a ameaça de um vírus que não diferencia cor, estatuto social, género ou idade as pessoas têm dificuldade em entender que todos somos iguais, que vivemos sob o mesmo o sol e a única coisa que nos diferencia é a roleta russa do nascimento, será assim tão difícil entender e interiorizar isso?
Ignorância, tanta ignorância se propaga neste mundo.


A polícia já prendeu alguns dos sociopatas que fizeram este desafio, espero que os prendam a todos e que o desafio seja contido o quanto antes.