Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Não se aceitam conselhos da Ryanair, só pedidos de ajuda da TAP

O que se tem passado em Portugal é tão grave, tão inconcebível que temos empresas externas a apresentar queixas contra o Governo português, um Governo que apesar de ser soberano, tem de responder não só a EU, mas aos contribuintes, mas os contribuintes andam demasiado distraídos para pedir contas, já as empresas parecem estar mais atentas e decididas a defender os seus interesses.

O Tribunal Geral de Justiça Europeu aceitou a queixa da Ryanair, anulando a ajuda de 1.200 milhões de euros dada no ano passado à TAP. Ao mesmo tempo, o tribunal suspendeu os efeitos dessa decisão até à Comissão Europeia ter oportunidade de fundamentar melhor as razões que a levaram a aprovar este auxílio do Estado, na sequência da crise pandémica.

É claro que acusam a Ryanair de estar em guerra comercial e de querer aproveitar-se de uma possível falência da Tap, a Ryanair, por seu lado, reconhece que Portugal tem o direito de investir na TAP, mas lamenta que os três mil milhões de euros (até agora a TAP recebeu 1.662 milhões de euros) de fundos escassos dos contribuintes estejam a ser desviados de investimentos em escolas e hospitais para subsidiar uma companhia como a TAP que descreve como “falhada” e com “preços altos”.

O Executivo acusa a Ryanair de não respeitar os direitos laborais portugueses e de só estar a defender os interesses dos seus acionistas, a resposta não tardou, “Continuaremos a reconhecer os direitos dos nossos trabalhadores […], pagando aos nossos pilotos até 150.000 euros por ano e à nossa tripulação de cabine entre 30.000 euros e 40.000 euros, o que é o dobro do que o ministro paga às enfermeiras e professores em Portugal”

Devo dizer que aqui estou do lado da Ryanair, se colocarmos de um lado da balança a proteção do emprego e do outro um rendimento condigno, sinceramente acho que para a economia e para todos seria melhor receber ordenados mais altos.

É preciso mudar quase tudo em Portugal, mas é urgente mudar a forma como as empresas são vistas, não podemos ter de um lado as milionárias que ora são injetadas por capital de todos nós, ora são devedoras dos bancos, dívida que somos todos nós a pagar e do outro lado as que são vistas como porquinhos mealheiros para o Estado que todos os dias fazem um esforço ingrato para fazer face à carga fiscal.

Não antevejo uma solução a curto-prazo, os partidos políticos estão completamente ultrapassados, o PS acha que é o dono disto tudo, controla tudo e não tem verdadeiramente ninguém que lhes faça frente, o BE acha que salva tudo com a lapidação das grandes fortunas, incapaz de perceber que não se gera riqueza a roubar a quem é empreendedor, mas sim a aprender com eles, o PSD é uma anedota, os ares Lisboetas devem ter afetado a cabeça a Rui Rio que parece ter em vez de espinha dorsal gelatina, CDS-PP não tem espaço político, CDU está completamente ultrapassado, ainda estão presos no século passado e o Chega é uma afronta à democracia e à liberdade e um perigo.

Prestes a receber uma injeção brutal de capital, a bazuca, caminhamos a passos largos para mais um oportunidade desperdiçada, no fim de contas é um balão de oxigénio para nos manter à tona durante mais uns anos até perceberem que afinal estamos falidos, porque vai-se lá entender Portugal não é produtivo, nem competitivo.

Os mesmos erros de sempre, dinheiro a parar aos bolsos dos mesmos de sempre, corrupção, compadrio, uma Justiça ultrapassada e ineficaz e um povo manso e cordeiro que gosta de encher o peito para dizer que a mim de máscara ninguém me apanha, mas para lutar pelos seus interesses mais básicos, o direito a não ser enganado, ludibriado e constantemente roubado já não tem sangue na guelra, já não lhe estala o verniz, já não há frutas no sítio.

Já não se pode confiar em ninguém, todas as instituições foram engolidas pelo sistema e nós limitamo-nos a assistir impávidos e serenos enquanto eles brincam com as nossas vidas como se fossem Deuses no Olimpo.