Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Ingratidão

Dentro da imensidão de sentimentos e emoções que podemos sentir, dos negativos há dois que me deixam profundamente desgostosa com as pessoas que os praticam, a incoerência conforme a situação e a ingratidão, não raras as vezes coabitam na mesma pessoa em simultâneo e permanente.

Ingratidão é aquele sentimento que é pior do que ódio, raiva, rancor, só não é pior do que a Inveja, pois a Inveja nem chega a ser sentimento é o alimento dos pobres de valores e de sentimentos, é a prova máxima de falta de inteligência.

Ingratidão é o sentimento dos rufias, dos sabichões, os chicos-espertos, dos falsos, dos fúteis, dos néscios e dos imprudentes.

Não falo aqui da ingratidão diária que todos nós por vezes automaticamente praticamos, que atire a primeira pedra quem nunca reclamou de algo sem pensar no esforço e dedicação que a outra pessoa colocou na tarefa, reclamar de uma refeição à mãe durante a adolescência deve ser regra, falo de outro tipo de ingratidão daquela que é tão flagrante que molda o relacionamento interpessoal.

Refiro-me à ingratidão que as pessoas sentem perante uma atitude bondosa, louvável que alguém teve para com elas e que não era expetável. Todos nós ajudamos os nossos e até desconhecidos se for caso disso, mas há ajudas que só estamos dispostos a dar, ações que só estamos dispostos a fazer em situações especiais e para pessoas especiais. E é dessas pessoas especiais que vem a maior ingratidão possível.

Ingratidão, não significa especificamente falta de agradecimento, é algo que ultrapassa o reconhecimento imediato e instantâneo, é algo que sentimos depois, mais tarde quando já não necessitam de nós, não acho que as pessoas devam bajular e ficar eternamente a agradecer algo, mas esquecer e maltratar a quem deveriam estar gratas é uma falta de respeito e de noção desconcertantes.

Infelizmente a gratidão é só mais um dos valores que está em desuso como a empatia, respeito, compaixão e solidariedade, não é surpreendente numa sociedade cada vez mais egoísta onde o eu se tornou mais importante que o nós.

A figura de coach pessoal que apregoa o eu, eu, eu e só depois os outros esquece-se muitas vezes de referir que uma pessoa para se sentir bem não pode simplesmente ignorar o que a rodeia e maltratar e negligenciar os outros, especialmente os que sempre contribuíram ou contribuem para o seu bem-estar.

Devemos respeitar a nossa personalidade, vontade e forma de viver, mas devemos estar sempre abertos a mudanças, a crescer, a evoluir, especialmente se isso contribuir para o bem de todos, ninguém, absolutamente ninguém é feliz sozinho, somos seres sociais precisamos de conviver, confiar, amar e durante estes tempos estranhos de Covid-19 isso foi bem visível, é por isso importante refletir até onde o eu se deve prolongar, porque na maioria das vezes somos mais felizes a fazer pequenas concessões para fazermos alguém feliz do que a fazermos apenas aquilo que queremos.

Não nos devemos anular, mas não nos devemos elevar a ser o nosso próprio Deus, agradecer, retribuir, ter consciência das nossas ações é o caminho mais certo para a felicidade e paz interior.

Nunca seremos felizes a deixar um rasto de inimizades, dívidas emocionais, ingratidão, inveja, egoísmo, nunca seremos felizes a deixarmos os outros infelizes.

Se realmente tudo se paga neste mundo, quero ter muito a receber e quase nada a dever.

 

 

 

Ausência

Tenho fugido do blog como quem foge de uma doença, tenho tanto sobre o que escrever e tão pouco tempo.

Não é desculpa, é realidade, por vezes a vida coloca-se assim contraditoriamente cheia de oportunidades e sem disponibilidade, carregada de novidades boas e de más notícias, têm sido assim os últimos dias, um misto de emoções, um autêntico Carnaval, mas sem máscaras.

Como é habitual um azar nunca vem só e lá em casa andam sempre aos pares ou em trio, quando não são quartetos e quintetos de problemas, com o marido doente a bebé acha que é uma excelente altura para dormir mal, e eu achei por bem realizar umas limpezas a fundo, e é quando estamos cansados, exaustos que surgem as melhores oportunidades de trabalho.

No meio de uma mudança de imagem corporativa, a planear o aniversário da nossa filhota, com reuniões de amigos e um sem fim de projetos, não há tempo para tudo e dou-me satisfeita se tiver tempo para dormir.

Escrevo num intervalo para organizar ideias e definir prioridades, é preciso pausar a mente por instantes para ela ser mais produtiva depois, debato-me entre debruçar-me sobre os grandes projetos ou despachar os pequenos pendentes e ups! - Tenho de pagar o imposto de circulação! Tem sido assim se não fizer uma tarefa nos 30 segundos depois de me recordar dela é bem provável que fique por fazer.

Penso muitas vezes se não é possível viver mais devagar, desacelerar, não é, pelo menos não é possível sem mudarmos radicalmente a nossa vida, incluindo empregos, a vontade de ir viver para um local remoto e viver de um turismo rural e agricultura é cada vez maior, talvez um dia seja possível concretizar esse sonho de uma vida calma e relaxante com tempo para tudo, com horas mortas, em que o prazer de não fazer nada seja o prazer maior de viver.

Por enquanto vou usufruindo dos pequenos momentos de tranquilidade ao fim da tarde no jardim, recarregar baterias na relva e absorver vitamina D para ter energia para fazer face a esta vida agitada e stressada, não é só a minha, é a de todos, parece até que já não sabemos viver de outra forma.

Devagar tempo, passa um pouco mais devagar para me permitir desfrutar da vida com mais calma.

 

 

 

Como assim é Natal?

A noite de Natal é já na próxima terça-feira e estou em negação, como é possível?

Para mim ainda estamos na Páscoa, ainda falta o São João, ainda tenho de gozar as férias de Verão e ainda falta o São Martinho.

Este ano literalmente voou, não sei como é que passou tão rápido e sendo tão rápido como é que foi tão preenchido e continua a saber a pouco, a não ser suficiente.

Os dias não têm horas suficientes para usufruir de tudo o que a vida nos proporcionou e proporciona, este ano foi um dos melhores anos da minha vida, embora nem tudo tenha sido perfeito, longe disso, a minha vida, a nossa vida, ficou preenchida de uma forma que não há nada que possa mudar isso.

Com o nosso tesouro a nossa vida nunca mais voltou a ser a mesma e se já valorizava os pequenos momentos e as coisas simples da vida, passei a valorizar ainda mais, não há nada que me faça mais feliz do que aqueles minutinhos de manhã em que estamos os três no miminho, é uma felicidade que me enche o peito e transborda.

Este Natal terá um sabor especial porque temos o maior presente de todos, um presente muito desejado e esperado, superior a qualquer bem material e que nos faz esquecer tudo de menos bom que possa ter acontecido.

Obrigada meu Amor por seres o melhor Pai, o melhor companheiro, amigo e marido que eu poderia ter, não és perfeito, és perfeito para mim e este Natal será perfeito para nós.

 

Desejo a todos um Feliz Natal com muita Paz, Amor e Harmonia junto dos que mais amam.

 

Recado ao Pai Natal 

São Nicolau não te atrevas a ir novamente incomodar com a história que precisas do Moralez para dar de presente! Ficas sem bolachas com leite e a viver na rua e o Rodolfo já está pronto para te substituir, já falei com ele e disse-me que faz ele a distribuição dos presentes, até agradeceu, pois estás a ficar muito pesado e atrasas a distribuição e como estás muito gordo tens muita dificuldade em descer as chaminés e ele está farto de ter de te puxar e empurrar.

Se queres um conselho começa a comer menos para ficares mais fit e caberes melhor nas chaminés, come marinheiras em vez de bolachas de canela e gengibre e já agora moderniza este corte de cabelo e essa barba, que tal um look à Viking? Põe-te na moda que as tuas renas são espertar e estão a ganhar protagonismo.