Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Coisas maravilhosas da gravidez vs coisas horrorosas

Estes últimos dias têm sido uma correria, uma correria daquelas boas, mas muito cansativa, ao longo destes tempos atribulados fui arrumando um sem fim de temas para ir escrevendo, mas infelizmente não tive tempo para me debruçar sobre eles e por isso resolvi criar uma lista mental para facilitar, provavelmente esquecer-me-ei de vários, listas mentais na gravidez não são as mais funcionais, mas aqui ficam as constatações mais fantásticas, parvas e hilariantes que eu me consigo lembrar agora:

 

O maravilhoso que se dane!

É sem dúvida a caraterística mais maravilhosa, não me importo (quase) com nada, desligo, passo à frente, esqueço, encolho os ombros, tudo é relativo comparado com a responsabilidade de ter um ser a desenvolver dentro de mim e por isso mando tudo às urtigas se for preciso e é tão bom! Já era um pouco assim, agora é só espetacular ser ainda mais.

 

As horrorosas das hormonas!

Não há bela sem senão e eis que até nos dias que mando tudo às urtigas consigo ser invadida por uma bomba hormonal incontrolável e se desato a chorar por alguma coisa é um pranto difícil de terminar. Não imaginam o que isto me irrita, é possivelmente a pior parte de estar grávida não controlar as emoções.

 

Ter um ser dentro de nós!

Sentir o bebé mexer é duma sensação fantástica, primeiro estranha-se e depois entranha-se e se passa muito tempo sem se mexer fico preocupada, felizmente sinto o coração dela na pele e por isso a preocupação dura 2 segundos, podia passar horas a fazer festinhas na barriga e a senti-la.

 

Ter uma contorcionista dentro de nós!

É tudo fantástico quando ela não decide enfiar-se num recantos mais estranhos do meu corpo ou espetar os pés com tanta força que dou saltos e isto pode acontecer a qualquer hora, mas a dormir é quando ela gosta mais de se esticar, porque não gosta que eu esteja quieta e estou convencida que faz de propósito, tão pequena e já quer mandar.

 

Ver a barriga crescer!

É giro e dá até um certo orgulho, parvo, porque é normal que a barriga cresça, mas é uma sensação boa perceber a mudança no nosso corpo, é gratificante, tinha de ser, mas já lá vamos.

 

Perder a flexibilidade e a noção do espaço!

Que barriga tão linda! É linda porque não é tua! Não é nada fácil andar com um peso extra acoplado e ter um volume desconhecido, primeiro canso-me imenso, segundo perdi completamente a noção do espaço que ocupo e terceiro esqueço-me frequentemente que não consigo fazer certos movimentos, meu rico vestido de bolinhas, tão lindo esventrado por um calçar de botas.

 

A maravilha dos vestidos!

São só a peça mais espetacular para mim, soltinhos, não apertam, disfarçam o rabo gigante e evidenciam a barriga, na brincadeira até já disse que me visto com mais estilo agora do que antes, é que os vestidos são realmente a peça que melhor veste a mulher.

Uma nota importante a que quem diz que devemos comprar pouca roupa porque passa rápido - estão redondamente enganados! É precisamente o contrário precisamos sentir-nos bem, bonitas e arranjadas e andar a catar roupa não faz nada pela nossa autoestima e mais se querem tirar fotos têm de ter roupas bonitas e que vos fiquem bem e mesmo assim nem sempre há disposição. Não sabemos quantas vezes estaremos grávidas e só faz bem sentirmo-nos bem e bonitas durante a gravidez só assim conseguimos sentir-nos orgulhosas de uma barriga gigante.

 

O stress da roupa!

Juro que nunca mais digo que tenho pouca roupa, há por aí quem diga que as mulheres depois de terem filhos compram para os filhos em vez de comprarem para elas, isto é muito simples depois de na gravidez tudo nos deixar de servir quando voltamos ao nosso normal é natural acharmos que temos muita roupa, acredito que durante um bom tempo não sintamos necessidade de comprar nada para nós. (Tenho para mim que serei a exceção a julgar pelos últimos tempos, veremos…)

 

Juntar as pernas!

Que situação mais incómoda, não estava preparada psicologicamente para sentir a carne de uma coxa a colar na outra, não imaginam a confusão que isto me faz! Lidar com os kg a mais tem sido complicado, não estou habituada a tanto volume, bem sei que poderia ter engordado menos, mas nem é pelo que como é mesmo porque devia fazer mais exercício, mas adivinhem? Não tenho tempo!

 

Os intestinos!

Os meus sempre foram mal mandados, preguiçosos e muito chatos, agora ficaram muito pior, pois, mas são tão sensíveis, coitadinhos, nem as saquetas toleram, vão do 8 ao 80 em 30 minutos e por isso é comer verduras e rezar para que tudo corra bem, não corre.

 

A prioridade!

É fantástica e terrível, tenho usado pouco mesmo que a minha barriga já chegue primeiro do que eu a qualquer lugar, no supermercado tenho procurado a fila com menos pessoas e não peço, já nas lojas tenho usado porque se já me custa andar às compras, ficar parada na fila custa ainda mais.

Nota às pessoas que nos olham de lado – as grávidas também comem, também se vestem, também dão presentes e têm direito a sair de casa e a usar a prioridade, eu sei que é uma chatice mas é a lei, azar. E podem dar graças a Deus que as grávidas até dispensam ir para as lojas e até despacham muita coisa online, mas há coisas que só vendo e por isso tenham lá paciência ou metam rolhas porque vamos às compras sempre nos apetecer e até quando não nos apetecer porque é preciso.

 

O sono e cansaço!

Tenho tido uma relação difícil com o sono, ando sempre com sono, mas quando chega a hora de dormir não adormeço ou porque tenho insónias ou porque a bebé não para de se mexer, este fim-de-semana consegui dormir 8h seguidas e foi como se tivesse dormido 24h, nem parecia a mesma quando acordei. As saudades que eu tinha de acordar com energia.

Canso-me muito mais e é uma seca, é difícil lidar com isso porque sempre fui muito enérgica e as limitações decorrentes da gravidez com o avançar da gestação são muito incapacitantes.

 

O mundo cor-de-rosa!

As roupas de bebé são lindas, fofinhas (e caras!), ir comprando as roupinhas é delicioso e estou certa que me levará à falência e se estava a contar ter um travão, esqueçam, se for para comprar coisas fofinhas acho que o pai ainda se alarga mais do que eu, graças a Deus pelos saldos. Ainda não consegui encontrar aquela que irá ser a primeira roupinha, se tiverem dicas de lojas por favor indiquem, mas que não me custem os olhos da cara.

 

Na verdade não me posso queixar, estou a ter uma gravidez muito tranquila e o mais importante é que tanto eu como a bebé estamos bem e saudáveis, confesso que já tenho imensa vontade de a conhecer, mas para já espero que se mantenha no quentinho por mais 9 semanas.

De mãe desnatura a familiar, amiga e blogger desnaturada

Mas uma profissional esmerada…

As coisas parecem ter finalmente acalmado, felizmente, porque não tenho conseguido dormir bem e sinto-me cansada, um cansaço que desconhecia, diferente, é até um cansaço feliz, mas não deixa de ser cansaço.

Entretanto estamos em cima do Natal, estamos a três meses da data prevista do nascimento e não está nada decidido, nada resolvido, nada tratado, sinto-me numa espécie de limbo entre a realidade e ilusão, onde o tempo passa e eu não o consigo reter, aproveitar, usufruir.

Sinto-me em falta comigo, com a família, com os amigos e com praticamente tudo o que me rodeia, falta-me energia, a energia que sempre me caraterizou e moveu.

Quando trocamos datas de consultas, nos esquecemos da placa vitrocerâmica ligada e não conseguimos realizar metade das tarefas propostas para o dia, é altura de colocar em perspetiva as nossas prioridades, o blog foi um dos projetos descurados, simplesmente ficou sem lugar na lista de prioridades.

Gostava muito de alterar este cenário, mas não sei se conseguirei encaixar o blog nesta fase da minha vida, simplesmente tenho demasiado em que pensar.

Na minha vida, na nossa vida, é normal acontecer tudo ao mesmo tempo e este ano foi o maior exemplo disso, aconteceu tudo em simultâneo, junto com o nosso maior projeto pessoal aconteceram também projetos profissionais, muitas oportunidades que tiveram de ser agarradas com ambas as mãos, paixão e dedicação.

As últimas 3 semanas foram caóticas, gratificantes, mas caóticas, peço desculpas a quem não consegui dar a atenção devida, mas trabalhar das 8h às 24h não nos deixa muito tempo para respirar, espero conseguir organizar-me agora para colocar tudo em dia e pelo menos não descurar as pessoas, que são o mais importante da vida.

Infelizmente o tempo por mais que queiramos não chega para tudo e há sempre algo que fica por fazer, mas não queria pelo menos deixar de vos dizer que sinto saudades deste cantinho, de vocês, das vossas palavras, das vossas partilhas, de vos ler, espero em breve ter mais tempo para colocar a leitura e a conversa em dia.

Tempo

Já desejei que o tempo passasse mais devagar, que fosse lento e comprido, que esticasse para me perder nas suas horas, já desejei que o tempo passasse mais depressa para me levar aos lugares que projetava para o futuro, já desejei que o tempo parasse, ficasse suspenso para saborear a felicidade de um momento.

Por estes dias o tempo assumiu uma cadência própria, escasseia, escorre-me por entre as mãos, nunca é suficiente, nunca me basta, termino os dias a pensar no que deveria ter sido feito e no tanto que tenho para fazer no dia seguinte.

Nunca tive uma boa relação com o tempo, sempre me pareceu trapaceiro, demorando-se e arrastando-se quando tenho pressa e fugindo quando preciso de calma, a nossa perceção do tempo depende daquilo que fazemos com ele e é precisamente aí que reside o meu problema, não tenho tempo para fazer tudo aquilo que almejo.

A prova é este blog que nas últimas semanas tem estado quase ao abandono, nem para desabafar e colocar os pensamentos em dia tem havido disponibilidade, todos os espaços temporais são preenchidos pelas inúmeras tarefas, rotinas, decisões, reuniões e trabalho, nem ao adormecer há tempo para alinhavar textos e ordenar palavras.

Não me queixo, uma vida preenchida é bom sinal, gosto de estar ocupada, gosto de novos projetos, gosto desta adrenalina de correr conta o tempo, mas começo a sentir-me cansada, preciso de uma pausa para desligar e reequilibrar corpo e mente.

Teria tanto para escrever, para contar, para opinar, mas por enquanto fica apenas este desabafo com a certeza que o que custa é escrever o primeiro texto, outros se seguirão com a mesma naturalidade de sempre, não fosse este espaço o meu refúgio, o meu local sagrado onde coloco a nu os meus dilemas e frustrações, onde partilho as minhas alegrias e as minhas conquistas, onde reclamo e aplaudo e me sinto completa e feliz.

O tempo, não darei ao tempo, tempo, viverei o tempo que o tempo me dá com o tempo que tenho.