Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Língua Afiada

Obrigatório ver – A vida no nosso planeta com David Attenborough

 

 

"Este documentário único conta a história da vida no nosso planeta através do homem que já viu mais da natureza do que qualquer outro", explica a Netflix.

Após dedicar a vida a relatar a vida selvagem, David Attenborough dá o seu testemunho sobre o nosso planeta, o seu relato é impressionante, avassalador, desolador, mas esperançoso, ainda estamos a tempo de travar o declínio da espécie humana, que segundo David Attenborough está muito próximo se não mudarmos o nosso comportamento.

Quando falamos de alterações climáticas e das suas consequências, pensamos sempre no planeta, nos ecossistemas e na extinção de diversas espécies, mas logo vozes se ouvem que o planeta não morre, regenera, com mais facilidade e mais rapidez do que se imagina, mas isso não quer dizer que todas as espécies o acompanhem nessa regeneração.

 Não é o planeta que está que causa, é a continuidade da espécie humana.

Do alto da nossa superioridade intelectual podemos achar que somos a espécie dominante, a mais forte, mas isso não é garantia que não possamos ser extintos, caminhamos a passos largos para sermos responsáveis pela nossa própria extinção e connosco arrastaremos milhares de espécies, mas não o planeta, esse continuará vivo muito para além da extinção dos humanos.

Este documentário ao contrário de tantos outros não extrapola, não conjetura, é o relato de uma pessoa que acompanhou de perto a natureza e vivenciou, experienciou ao vivo a sua degradação, a vida selvagem está gravemente ameaçada, mas a pressão que exercemos sobre ela todos os dias não acabará com a vida selvagem, acabará com a raça humana e livre de nós o planeta curar-se-á e novas espécies o povoarão e não tenho dúvidas que será um colorido de uma beleza estonteante de biodiversidade e evolução, mas que não estaremos cá para documentar.

Numa 1h e 30m tudo é explicado de forma simples e concisa, muitos dos mitos são desconstruídos e acredito que após a visualização deste documentário só mesmo os que preferem continuar na ignorância é que podem ignorar o maior problema, o maior desafio da raça humana e também a nossa maior oportunidade de evolução.

O mais interessante é David Attenborough dá-nos a solução, indica-nos o caminho para viver em harmonia com a natureza e a vida selvagem para evitar que um dia todas os locais outrora habitados sejam assim:

Pripyat_(02710024).jpg

8-3.jpg

acidente-nuclear-em-chernobyl-10.jpg

Imagens atuais de Chernobyl- 30 anos depois da tragédia a Natureza reclama assim o seu território.

Faltas justificadas no trabalho por luto a animais de companhia

Entendo perfeitamente que para muitas pessoas um animal de companhia seja realmente a sua companhia e que a sua partida seja dolorosa.

Entendo que quem tem animais quando os tem de levar ao veterinário possa eventualmente ter de faltar ao trabalho para o fazer.

Mas tenho umas certas dúvidas existenciais em relação a estes temas:

- Estará certo ter direito a período de nojo por um animal, quando não o temos por um tio, por um sobrinho, por um namorado, por um amigo?

- Estará certo exigir isto sem falarmos que pela morte de um irmão ou de um neto temos de nos recompor em dois dias?

- Será correto pedir para termos dias para assistência a animais, quando a assistência a filhos e a outros familiares é tão complicada?

Não quero com isto desvalorizar o pedido, mas tenho dificuldade em entender que não possamos ter um período de luto por um familiar ou amigo e possamos ter por um animal, por mais especial e significativo que ele seja para nós.

Adoro animais, mas nunca consegui elevar os animais ao estatuto das pessoas, os meus animais fazem-me falta, são parte da minha vida, preenchem-na e dão-lhe mais cor, mais alegria, mas por mais amor que lhes tenha, não os amo como amo a minha família e os meus amigos, é um amor diferente.

Não devemos invalidar os direitos dos animais pela falta de direitos, melhor dizendo, pelo incumprimento dos direitos, das pessoas, até porque da legislação ao cumprimento da mesma há uma distância enorme que muitas vezes não se cumpre, mas num tempo em que as famílias e os grupos de amigos encolhem a uma velocidade atroz, deveríamos pensar em proteger esse núcleo central na vida das pessoas.

Neste momento o que a lei me diz é que um tio, um sobrinho, um primo, um namorado e um amigo não são suficientemente importantes na minha vida para ter direito a prestar-lhes uma última homenagem.

Onde vivo, há uns anos, quando falecia alguém as pessoas reuniam-se nos velórios e funerais, todos os vizinhos, amigos e claro familiares se reuniam para se despedir, para honrar a memória do morto e prestar auxílio e apoio à família.

Com o passar do tempo os funerais tornaram-se cada vez mais pequenos, mais solitários e mais frios, as pessoas não podem faltar ao trabalho, as pessoas não podem tirar uns instantes das suas vidas só porque a vida de alguém parou, porque o mundo continua a girar é preciso participar na roda da economia e das aparências.

Vivemos dias sombrios, onde as despedidas são ainda mais dolorosas pela falta do toque, do beijo, do abraço, não façamos deste tempo, do novo normal como dizem, um eterno normal, não nos desapeguemos das pessoas, não nos esqueçamos que todos precisamos de carinho e afetos, não quero viver num mundo onde ninguém se abraça, onde os beijos são proibidos e os afagos um problema.

Haverá sempre um antes e um depois do Corona Vírus, vamos garantir que o depois é melhor do que o antes.

Ingratidão

Dentro da imensidão de sentimentos e emoções que podemos sentir, dos negativos há dois que me deixam profundamente desgostosa com as pessoas que os praticam, a incoerência conforme a situação e a ingratidão, não raras as vezes coabitam na mesma pessoa em simultâneo e permanente.

Ingratidão é aquele sentimento que é pior do que ódio, raiva, rancor, só não é pior do que a Inveja, pois a Inveja nem chega a ser sentimento é o alimento dos pobres de valores e de sentimentos, é a prova máxima de falta de inteligência.

Ingratidão é o sentimento dos rufias, dos sabichões, os chicos-espertos, dos falsos, dos fúteis, dos néscios e dos imprudentes.

Não falo aqui da ingratidão diária que todos nós por vezes automaticamente praticamos, que atire a primeira pedra quem nunca reclamou de algo sem pensar no esforço e dedicação que a outra pessoa colocou na tarefa, reclamar de uma refeição à mãe durante a adolescência deve ser regra, falo de outro tipo de ingratidão daquela que é tão flagrante que molda o relacionamento interpessoal.

Refiro-me à ingratidão que as pessoas sentem perante uma atitude bondosa, louvável que alguém teve para com elas e que não era expetável. Todos nós ajudamos os nossos e até desconhecidos se for caso disso, mas há ajudas que só estamos dispostos a dar, ações que só estamos dispostos a fazer em situações especiais e para pessoas especiais. E é dessas pessoas especiais que vem a maior ingratidão possível.

Ingratidão, não significa especificamente falta de agradecimento, é algo que ultrapassa o reconhecimento imediato e instantâneo, é algo que sentimos depois, mais tarde quando já não necessitam de nós, não acho que as pessoas devam bajular e ficar eternamente a agradecer algo, mas esquecer e maltratar a quem deveriam estar gratas é uma falta de respeito e de noção desconcertantes.

Infelizmente a gratidão é só mais um dos valores que está em desuso como a empatia, respeito, compaixão e solidariedade, não é surpreendente numa sociedade cada vez mais egoísta onde o eu se tornou mais importante que o nós.

A figura de coach pessoal que apregoa o eu, eu, eu e só depois os outros esquece-se muitas vezes de referir que uma pessoa para se sentir bem não pode simplesmente ignorar o que a rodeia e maltratar e negligenciar os outros, especialmente os que sempre contribuíram ou contribuem para o seu bem-estar.

Devemos respeitar a nossa personalidade, vontade e forma de viver, mas devemos estar sempre abertos a mudanças, a crescer, a evoluir, especialmente se isso contribuir para o bem de todos, ninguém, absolutamente ninguém é feliz sozinho, somos seres sociais precisamos de conviver, confiar, amar e durante estes tempos estranhos de Covid-19 isso foi bem visível, é por isso importante refletir até onde o eu se deve prolongar, porque na maioria das vezes somos mais felizes a fazer pequenas concessões para fazermos alguém feliz do que a fazermos apenas aquilo que queremos.

Não nos devemos anular, mas não nos devemos elevar a ser o nosso próprio Deus, agradecer, retribuir, ter consciência das nossas ações é o caminho mais certo para a felicidade e paz interior.

Nunca seremos felizes a deixar um rasto de inimizades, dívidas emocionais, ingratidão, inveja, egoísmo, nunca seremos felizes a deixarmos os outros infelizes.

Se realmente tudo se paga neste mundo, quero ter muito a receber e quase nada a dever.