Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

#tradwife – o movimento mais parvo dos últimos tempos

Iludidas pelas imagens românticas das esposas e donas de casa perfeitas dos anos 50, há mulheres que querem restaurar não só essa imagem idílica como querem fazer dela moda.

O “marido em primeiro lugar” dizem elas é o caminho para a felicidade, para terem um lar repleto de amor e harmonia, qual postal ilustrado.

Esposas dedicadas a cuidar da casa, perdão lar, dos filhos e claro do marido, gestoras do lar com independência financeira que depende do montante que os maridos estão disposto a dar-lhes por mês.

A cereja no topo do bolo é afirmarem que é um movimento feminista, claramente estão confundir feminismo com feminino.

Alena Kate Pettitt, uma espécie de embaixadora do movimento criou o site The Darling Academy que aconselho precaução ao abrir não vão sofrer de urticária, suores frios, ataques de pânico ou até um ataque cardíaco com a quantidade de declarações estapafúrdias que lá existem.

Outra iluminada é Dixie Andelin Forsyth, filha de Helen Andelin que escreveu o livro Fascinating Womanhood em 1963, agora a filha relançou o livro e este é praticamente a Bíblia para o movimento com conselhos para um casamento feliz que inspiram o conteúdo de workshops sobre feminilidade e estilo de vida tradicional, onde se aprende a “como comer pizza sem parecer lésbica” ou "como se comportar para atrair e manter um homem".

Esta pobre coitada, lamento mas não consigo classificá-la de outra forma, teve o desplante de proferir isto "As mulheres no Reino Unido, e em outros lugares, já tiveram feminismo suficiente (...) Agradecemos às feministas pelas calças, mas olhamos para a vida de uma forma diferente"

Pobre alma que acha que as feministas lutaram por vestir calças, idiota, abdica do teu direito de voto, de tirares carta de condução e de poderes trabalhar caso o marido te falte ou te troque por um modelo mais recente e já agora abdica do direito de denunciares o crime de violência doméstica, tão submissa que és, uns acoites só podem fazer parte do cenário.

Existe liberdade de expressão e o feminismo deu poder às mulheres para fazerem da vida delas o que bem entendem, se querem cuidar da casa, dos filhos e do marido, é uma escolha delas, não crítico quem toma essa escolha e existem muitos motivos para a tomar, há muitas mulheres verdadeiramente feministas que a tomam para o bem-estar dos filhos e porque se sentem realizadas assim, mas daí a propagar a submissão das mulheres e a colocar o marido em primeiro lugar, como se de um Deus se tratasse vai uma grande diferença.

Estas cabeças de vento querem vender uma ideia ultrapassada, retrógrada e perigosa, pode parecer romântico ter tempo para cuidar da casa, dos filhos, do marido, conviver com as amigas e como elas promovem muito croché, rosas, laços e nada de decotes, um cenário tão bonitinho a fazer lembrar o filme “The Stepford Wives”, mas tal como o filme esta perfeição pode esconder muitos problemas e não é preciso ser muito inteligente para perceber quais, basta conhecer a história das mulheres e a sua luta pelos mesmos direitos que os homens, que ainda hoje é válida.

Dependência financeira é o primeiro passo para o abuso, para a submissão, para a infelicidade e se a fórmula pode até “resultar” na classe média-alta, claramente não se pode aplicar à classe-média, à classe-média baixa e muito menos aos pobres que se querem ter uma vida digna têm de trabalhar ambos os membros do casal e mesmo assim não é fácil.

Sempre quero ver como estas esposas extremosas se sentirão quando os maridos igualmente tradicionais as trocarem pela secretária mais nova, mais independente e mais desafiante.

Estes movimentos estão muitas vezes associados a outros ainda mais perigosos de extrema-direita, sonegar direitos e submissão são bandeiras dos fascistas e todos os movimentos que as promovam são bons para divulgar e financiar.

O clima de instabilidade financeira, os preconceitos raciais e culturais, a repercussão que “os outros” nos irão retirar identidade, empregos e oportunidades são ninhos de vespas favoráveis ao aparecimento destes movimentos que podem parecer caricatos, engraçados, mas são muitíssimo perigosos.

Vivem-se tempos complicados, devemos permanecer vigilantes ou um dia destes entre ridicularizar estes iluminados e fazer publicações indignadas no Facebook estamos debaixo de um regime e ainda batemos palmas às palas que nos colocam nos olhos.

#modernwomen #modernwife #freedom

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.