Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Turismo - Preservar o antigo ou deixar florescer a novidade

Portugal está na moda, ganhamos prémios atrás de prémios, somos um destino turístico de excelência para todo o tipo de turistas, porque a nossa oferta é vasta e diversificada.

Curiosamente o mundo parece ter descoberto o potencial turístico de Portugal antes dos portugueses e dos seus Governos, basta recuar uns anos para perceber que turismo estrangeiro em Portugal era só no Algarve e na Madeira, o resto do país era literalmente paisagem, mesmo nesses locais a atração era o calor e as praias, havendo alta sazonalidade que levantava diversos problemas económicos especialmente no Algarve, onde as pessoas se viam obrigadas a trabalhar a dobrar nos meses quentes para fazer face ao desemprego nos meses frios.

 

A Expo 98 teve um papel determinante para colocar Lisboa no mapa, assim como o Porto 2001 Capital Europeia da Cultura ajudou a colocar a cidade do Porto, mas o grande impulsionador do turismo foi mesmo a companhia aérea Raynair que começou a atrair o chamado turismo low-cost para Portugal, low-cost para quem visita e high-cost para quem recebe porque qualquer visitante da Europa Ocidental em Portugal sente-se rico.

Há que referir o papel das associações empresariais, algumas empresas portuguesas e até de agências de comunicação que munidas de um sentido patriota e visionário escolheram apresentar Portugal ao mundo em feiras e exposições, destaque para o sector dos vinhos, em especial do Douro, que soube promover não só vinhos, mas paisagens e convidou as pessoas a visitar caves e vinhas, impulsionando o enoturismo que rapidamente se disseminou.

 

Existiram diversos programas de apoio ao Turismo, mas já se sabe que a melhor publicidade é a boca-a-boca e quem visita Portugal leva na bagagem produtos bonitos, bons e baratos, a barriga contente do repasto farto e delicioso, memórias de lindas paisagens e monumentos, aromas simples e ricos e uma interação com o povo estranhamente simpático e hospitaleiro.

Esta moda não é de agora, tem sido um crescente dos últimos anos, infelizmente o Turismo não tem só consequências positivas, também tem consequências negativas, consequências essas amplamente já faladas, a subida das rendas e dos imóveis, a subida geral na hotelaria e restauração, a descaracterização dos locais e a expulsão dos residentes para fora dos centros turísticos.

 

Não se pode travar este tipo de evolução, não se podem travar os aumentos das rendas, a valorização dos imóveis, mas pode-se travar a descaraterização dos locais.

Têm sido muitos os cafés, restaurantes e lojas tradicionais a fecharem por causa desta evolução, perderam-se já muitos espaços típicos, castiços e cheios de história para novos espaços desprovidos de alma, uma pena, porque é precisamente aqui que se pode mudar o panorama.

Se muitos estabelecimentos comerciais não souberam atualizar-se e perderam clientes, tendo-se mantido apenas abertos por causa das rendas antigas e irrisórias que pagaram durante anos, é preciso ajudá-los a mudar, a atrair clientes, a olhar para o negócio com outra perspetiva. Ao mesmo tempo, é preciso orientar e fiscalizar os novos espaços para que estejam de acordo com as caraterísticas do local onde se instalam, é aqui que se falha redondamente e se está a anos-luz de outras cidades europeias.

 

É necessário preservar a arquitetura, não só as fachadas, mas também os interiores ricos, não só nas cidades, mas em todo Portugal, destruir palácios, palacetes, mosteiros e conventos para erguer prédios e moradias é um crime contra a cultura e o património.

Pegando num exemplo que me é caro, é possível na cidade do Porto colocar um reclamo luminoso praticamente no tamanho que se desejar em qualquer cor e formatos possíveis, mas há um limite claro para a colocação de vasos de plantas ou flores no exterior, construir uma explanada bonita e acolhedora dentro das normas da Câmara Municipal é quase impossível, quem diz explanada, diz a colocação de produtos no exterior dos espaços comerciais, é claro que a maioria dos espaços ignora as regras e é por isso que encontramos algumas esplanadas deliciosas e mercearias que colocam os produtos frescos expostos à porta.

É inadmissível que numa cidade que caminha a passos largos para viver do turismo não se permita ter espaços exteriores que acompanhem a riqueza e a beleza dos espaços interiores, convidando a sentar, a comprar e a entrar.

 

Em Portugal, talvez Óbidos seja o melhor exemplo de preservação e ornamentação, toda a cidade parece um jardim, o país inteiro poderia ser assim, como são tantas cidades em Itália, sempre cheias de flores, limpas, organizadas e tão pitorescas.

Falta cultura de preservação aos portugueses, falta, uma grande parte da população não é educada e formada para gostar e preservar a história e o património, assim como não é educada para valorizar as artes, é aqui as autoridades competentes devem atuar.

 

Se a preservação do antigo, da cultura e do património não nos é natural, que seja imposta por leis e regras até que seja inata, só assim conseguiremos preservar o antigo e deixar florescer a novidade, permitindo que o novo e o velho coexistam em harmonia para o bem de residentes e turistas.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 05.04.2018 12:05

    Em Portugal alguma vez se aprendeu com os erros dos outros? Somos sempre os últimos em quase tudo na Europa, poderíamos aprender com os erros dos outros e como últimos fazer melhor, mas teimamos em cometer os mesmos erros ou ainda cometer erros piores.
    Estamos sempre a comparar-nos com países de terceiro mundo, nivelamos sempre tudo por baixo, este sentimento de pequenez faz-me imensa confusão.
    Há muitos anos, desde da adolescência, que digo que Portugal tem um potencial turístico enorme, sempre achei que poderíamos ser o “jardim à beira-mar plantado” descrito por Camões, sempre me revoltei contra a destruição do património, da Natureza, mas conto pelos dedos as pessoas sensíveis a esses temas.
    Se deixamos que Lisboa e Porto percam a sua identidade, nunca mais a conseguiremos recuperar e o Turismo e o turista que visita também será diferente.
  • Imagem de perfil

    Robinson Kanes 05.04.2018 15:01

    É preciso ir lá fora para apreciar o que temos de bom por cá - no turismo isso é mais que verdade. Poucos têm o N/serviço, a N/simpatia, a N/vontade em falar línguas e até as N/paisagens que teimamos em destruir... E tudo isto ao mais alto nível e com uma mão de obra barata - é que todo este sucesso, em muitos casos, é conseguido com mão de obra barata.

    O Turismo é uma indústria que tem consequências na vida de todos os cidadãos e não me parece que o cidadão comum esteja interessado em discutir este tema... Quando o fizer, poderá ser tarde. É uma temática que tem de ser debatida tal é o seu interesse e potencial de desenvolvimento para o país, no entanto, eu não olharia para o turismo como a solução de todos os males, até porque está sujeito a picos de procura, crises profundas e outras tantas coisas... Penso que chegámos à fase em que é preciso melhor turismo do que propriamente uma massificação desenfreada.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.