Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Língua Afiada

Vacinação – extremismo e ignorância

As entidades já vieram reafirmar que não há motivos para alarme, em Portugal não haverá uma epidemia de sarampo, existem sim surtos de sarampo, mas com a morte da jovem de 17 anos vítima de uma complicação causada pelo sarampo, o alarmismo será muito.

Segundo os dados da Direção Geral da Saúde 95% dos portugueses estão imunizados, cobertos ou pela vacinação ou por terem tido já a doença, no entanto, Portugal teve mais casos de sarampo nos últimos 4 meses do que na última década, depois de em 2016 Portugal ter recebido da Organização Mundial de Saúde um diploma que oficializava o país como estando livre de sarampo.

 

Porquê? Porque mesmo a taxa de cobertura não sendo de 100%, com tantas pessoas imunizadas é muito difícil a doença propagar-se. Crianças não vacinadas no meio de crianças vacinadas estavam protegidas.

Mas o que acontece quando o número de não vacinados aumenta? Um surto.

Há tempos comentei no blog da MJ que a vacinação não era assim tão linear, recordo-me que na altura o meu comentário gerou discussão, quando me referia a não linear referia-me às vacinas opcionais, como por exemplo a Rotarix, RotaTeq, tenho conhecimento que há pediatras que não aconselham a sua toma especialmente quando a criança não frequenta a creche, a taxa de cobertura é baixa e mesmo o risco de invaginação intestinal ser muito reduzido, ele existe, valerá a pena correr o risco?

Outro caso é a vacina da gripe, conheço pessoas que nunca tiveram uma gripe na vida, tomaram a vacina e ficaram de cama, na minha opinião, pessoas saudáveis não a devem tomar, é a minha opinião e a de alguns médicos.

Com tanta desinformação e opinião os pais são facilmente induzidos em erro, teorias da conspiração, suspeita de esquemas económicos aliados a uma opção de vida naturalista são os principais motivos para pais optarem pela não vacinação.

 

Não sejamos ingénuos existem realmente esquemas, conspirações, acredito que até se causem epidemias e alarmismos para se venderem medicamentos e vacinas, mas não podemos generalizar, como em tudo, também no caso da vacinação o problema é o extremismo.

- Darei todas as vacinas possíveis aos meus filhos.

- Não darei nenhuma vacina aos meus filhos.

 

As vacinas gratuitas do plano nacional de vacinas devem ser realmente administradas a todos os cidadãos, sob pena de se colocarem a si próprios e aos outros em risco, basta uma pesquisa sobre as epidemias causadas pelos vírus das vacinas para percebermos a sua real importância.

Escusar-nos da responsabilidade com exemplos não funciona – O meu filho nunca tomou vacinas e nunca teve nenhuma doença!

Não teve porque provavelmente esteve sempre rodeado de pessoas imunes, tão simples quanto isto.

 

E se o vosso filho que não tomou as vacinas não tiver a mesma sorte e se cruzar com alguém que não esteja imunizado?

 

E já pensaram no que pode acontecer quando um dia mais tarde o vosso filho decidir realizar uma viagem a um país menos desenvolvido e viaje sem uma única vacina, sem as do plano nacional de saúde e sem as aconselhadas à viagem?

 

Há quem defenda que devem ser os pais a decidir se devem ou não vacinar os filhos, a verdade é que cabe a eles a escolha já que a vacinação não é obrigatória, mas existem situações em que é exigido o boletim das vacinas atualizado, nas creches, escolas e faculdades e em algumas empresas, uma política para prevenir surtos em aglomerados de pessoas.

Na minha opinião as vacinas gratuitas deveriam mesmo ser obrigatórias, porque a nossa liberdade termina quando começa a liberdade do outro e é uma estupidez que alguém com o sistema imunitário fragilizado que esteja num hospital possa vir a morrer porque alguém não vacinado deu entrada no hospital e lhe transmitiu um vírus supostamente erradicado.

Existem um sem fim de vírus novos e esquisitos que não obedecem a tratamentos, um sem fim de bactérias resistentes a antibióticos, todos os dias morrem pessoas nos hospitais com infeções hospitalares o nome que dão a todos os vírus e bactérias que não conseguem combater, será que queremos juntar a estes os vírus que já conhecemos e que quase aniquilamos?

Compreendo que queiram proteger as crianças de químicos, mas o estudo de 1998 que o cirurgião Andrew Wakefield publicou na revista The Lancet que demonstrava uma pretensa causa-efeito entre a vacina tríplice (sarampo, papeira e rubéola) e o autismo foi considerado fraudulento, vão mesmo arriscar a vida dos vossos filhos por uma opinião desacreditada?

 

A única desculpa válida para não dar uma vacina gratuita é acreditar na seleção natural.

Nesse caso esses pais devem deixar de recorrer aos serviços de saúde, a medicamentos, a vitaminas, a tudo o que não seja natural, tudo isto alinhado a uma alimentação completamente biológica e porque não paleolítica, se é para fazer seleção natural é para fazer a sério.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Psicogata 20.04.2017 09:41

    Infelizmente nem todos pensam assim e depois colocam em causa a imunidade de grupo :(
  • Imagem de perfil

    Moralez 20.04.2017 10:04

    Sem duvida, as pessoas cada vez são mais instruídas, e acham que tem sempre a razão deles porque leram não sei onde!
  • Imagem de perfil

    Psicogata 20.04.2017 11:03

    Preferem acreditar num estudo de um médico desacreditado que em toda a comunidade médica. Enfim!
  • Imagem de perfil

    Moralez 20.04.2017 11:16

    São do contra..
  • Imagem de perfil

    Psicogata 20.04.2017 11:19

  • Imagem de perfil

    Moralez 20.04.2017 11:23

    É complicado, as pessoas andam todas muito complicadas!
  • Imagem de perfil

    Psicogata 20.04.2017 11:26

    Porque dão atenção às coisas erradas.
  • Imagem de perfil

    Moralez 20.04.2017 11:37

    Nem mais, mas se sabemos disso pq continuamos?! Mesmo nós em algumas coisas damos prioridade a coisas q não devíamos!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.